Gostou do artigo? Compartilhe!

Molécula supressora de apetite produzida após o exercício ajuda camundongos obesos a perder peso

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Por que um treino pesado nos deixa com menos fome? Em um estudo feito com camundongos, cavalos e pessoas, pesquisadores encontraram pistas sobre quais tipos de exercícios suprimem o apetite e por quê.

Os resultados sugerem que a resposta está em parte nas ações de uma única molécula produzida após o exercício que reduz a fome. A molécula – encontrada na corrente sanguínea de camundongos, humanos e cavalos de corrida – apareceu em uma profusão muito maior após exercícios extenuantes do que exercícios fáceis, sugerindo que o exercício intenso pode ser a chave para controlar o quanto comemos depois.

Essa molécula, uma forma alterada de um aminoácido, pode ser usada para ajudar camundongos obesos a perder peso, suprimindo o apetite. As descobertas podem eventualmente levar a uma nova forma de medicamento para o tratamento da obesidade1.

Até agora, o papel biológico da molécula lac-phe, que é produzida quando o aminoácido fenilalanina2 reage com outra molécula chamada lactato3, não era claro.

No estudo publicado na revista Nature, Yong Xu, do Baylor College of Medicine, Texas, e seus colegas encontraram evidências de que o lac-phe reduz o apetite de camundongos após o exercício.

Leia sobre "Atividade física", "Como funciona o controle do apetite" e "Ácido lático e exercícios físicos - efeitos no organismo".

“Descobrimos que esse metabólito4 chamado lac-phe pode aumentar rapidamente na circulação5 após o exercício, não apenas em camundongos, mas também em humanos”, diz Xu. “Também descobrimos que esse metabólito4 pode ser administrado para suprimir a ingestão de alimentos e diminuir o peso corporal em um modelo de camundongos obesos”.

Xu e seus colegas analisaram o sangue6 de cinco camundongos que correram até a exaustão em uma esteira e descobriram que a concentração de lac-phe aumentou mais do que qualquer outra molécula produzida como resultado do exercício.

Eles então injetaram 12 camundongos obesos com lac-phe ou uma solução salina de controle todos os dias por 10 dias. A equipe descobriu que os camundongos que receberam lac-phe consumiram metade da comida que os camundongos de controle nas 12 horas após a primeira injeção7, levando a uma perda significativa de quase 3 gramas de peso corporal no oitavo dia. Os pesquisadores também deram lac-phe para camundongos magros e descobriram que a ingestão de alimentos dos animais não foi afetada, sugerindo que a molécula suprimiu o apetite apenas em camundongos obesos.

“Minha teoria favorita é que, durante a obesidade1, sabemos que a barreira hematoencefálica pode ter maior permeabilidade8 ao lac-phe e outros sinais9 da circulação5, o que significa que o lac-phe pode ter melhor acesso ao cérebro10 para suprimir a ingestão de alimentos apenas em camundongos obesos, mas não em camundongos magros. Estamos investigando isso no momento”, diz Xu.

A equipe também descobriu que as injeções de lac-phe não alteravam os níveis de atividade dos camundongos obesos, e não havia evidências de que reduzisse o apetite simplesmente deixando os animais enjoados e menos interessados em comida.

Ao recrutar pessoas para realizar treinos de sprint, resistência ou endurance, os pesquisadores descobriram que os níveis de lac-phe também aumentam após o exercício em humanos – mas o efeito sobre o apetite em humanos precisa ser confirmado.

“Isso pode levar ao desenvolvimento de uma pílula que pode ser usada diretamente para suprimir o apetite de certos indivíduos que não podem se exercitar facilmente devido a outras condições, envelhecimento ou problemas ósseos”, diz Xu. “Acabamos de registrar uma patente para, esperançosamente, usar esse conhecimento para tratar doenças humanas como a obesidade”.

“O trabalho fornece uma nova visão11 sobre os mecanismos pelos quais o exercício altera o apetite e a ingestão de alimentos em camundongos – descobertas que justificam mais investigação e verificação em humanos”, diz Hashim Islam, da Universidade da Colúmbia Britânica, Canadá. “Se de fato for provado ser um potente regulador do apetite e da ingestão de alimentos em humanos, o lac-phe pode ter um potencial terapêutico genuíno para combater a obesidade1 e doenças cardiometabólicas”.

No artigo publicado, os pesquisadores descreveram a descoberta desse metabólito4 induzível pelo exercício que suprime a alimentação e a obesidade1.

Eles contextualizam que o exercício confere proteção contra a obesidade1, diabetes12 tipo  2 e outras doenças cardiometabólicas. No entanto, os mecanismos moleculares e celulares que mediam os benefícios metabólicos da atividade física permanecem obscuros.

Neste estudo, mostrou-se que o exercício estimula a produção de N-lactoil-fenilalanina2 (Lac-Phe), um metabólito4 de sinalização transportado pelo sangue6 que suprime a alimentação e a obesidade1. A biossíntese de Lac-Phe a partir de lactato3 e fenilalanina2 ocorre em células13 CNDP2+, incluindo macrófagos14, monócitos15 e outras células13 imunes e epiteliais localizadas em diversos órgãos.

Em camundongos obesos induzidos por dieta, os aumentos farmacológicos de Lac-Phe reduzem a ingestão de alimentos sem afetar o movimento ou o gasto energético. A administração crônica de Lac-Phe diminui a adiposidade e o peso corporal e melhora a homeostase da glicose16.

Por outro lado, a ablação17 genética da biossíntese de Lac-Phe em camundongos aumenta a ingestão de alimentos e a obesidade1 após o treinamento físico.

Por último, grandes aumentos induzíveis por atividade na circulação5 de Lac-Phe também são observados em humanos e cavalos de corrida, estabelecendo esse metabólito4 como um efetor molecular associado à atividade física em várias modalidades de atividade e espécies de mamíferos.

Esses dados definem um metabólito4 conservado induzido pelo exercício que controla a ingestão de alimentos e influencia o balanço energético sistêmico18.

Veja também sobre "Obesidade1", "O perigo dos remédios para emagrecer" e "Usos e abusos dos anorexígenos19".

 

Fontes:
Nature, publicação em 15 de junho de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 15 de junho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Molécula supressora de apetite produzida após o exercício ajuda camundongos obesos a perder peso. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1419790/molecula-supressora-de-apetite-produzida-apos-o-exercicio-ajuda-camundongos-obesos-a-perder-peso.htm>. Acesso em: 5 dez. 2022.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Fenilalanina: É um aminoácido natural, encontrado nas proteínas vegetais e animais, essencial para a vida humana.
3 Lactato: Sal ou éster do ácido láctico ou ânion dele derivado.
4 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
5 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
8 Permeabilidade: Qualidade dos corpos que deixam passar através de seus poros outros corpos (fluidos, líquidos, gases, etc.).
9 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
10 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
11 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
12 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
13 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
14 Macrófagos: É uma célula grande, derivada do monócito do sangue. Ela tem a função de englobar e destruir, por fagocitose, corpos estranhos e volumosos.
15 Monócitos: É um tipo de leucócito mononuclear fagocitário, que se forma na medula óssea e é posteriormente transportado para os tecidos, onde se desenvolve em macrófagos.
16 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
17 Ablação: Extirpação de qualquer órgão do corpo.
18 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
19 Anorexígenos: Que ou o que provoca anorexia (diz-se de substância ou droga), ou seja, que ou o que produz falta ou perda de apetite.
Gostou do artigo? Compartilhe!