Gostou do artigo? Compartilhe!

Novo ensaio de medicamento contra o câncer de mama resulta em taxa de sobrevivência inédita

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Resultados de um novo ensaio clínico mostraram que, para algumas pacientes com tumores metastáticos não significativamente afetados por outras formas de quimioterapia1, o tratamento avaliado interrompeu o crescimento do câncer2.

As pacientes tinham câncer2 de mama3 metastático que vinha progredindo apesar das duras rodadas de quimioterapia1. Mas um tratamento com um medicamento que visava células4 cancerígenas com precisão semelhante a um laser foi incrivelmente bem-sucedido, retardando o crescimento do tumor5 e prolongando a vida em uma extensão raramente vista em cânceres avançados.

O novo estudo, apresentado na reunião anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica e publicado no The New England Journal of Medicine, pode mudar a forma como a medicina é praticada, disseram especialistas em câncer2.

O estudo se concentrou em uma proteína mutante específica, HER2, que é uma vilã comum no câncer2 de mama3 e outros. Os medicamentos que bloqueiam a HER2 têm sido incrivelmente eficazes no tratamento de cânceres de mama3 que são quase inteiramente povoados com a proteína, transformando cânceres de mama3 HER2-positivos daqueles com alguns dos piores prognósticos para aqueles em que os pacientes se saem muito bem.

Mas os casos HER2-positivos constituem apenas cerca de 15% a 20% das pacientes com câncer2 de mama3, disse a Dra. Halle Moore, diretora de oncologia médica da mama3 na Cleveland Clinic. Pacientes com apenas algumas células4 HER2 – uma condição conhecida como HER2-low – não foram ajudadas por esses medicamentos. Apenas uma pequena proporção de suas células4 cancerosas tinha HER2, enquanto outras mutações impulsionaram principalmente o crescimento do câncer2. E isso representava um problema porque as células4 cancerosas evitavam os tratamentos de quimioterapia1.

Leia sobre "Câncer2 de mama3 - o que é" e "Entendendo o que são metástases6".

O ensaio clínico, patrocinado pelas empresas farmacêuticas Daiichi Sankyo e AstraZeneca e liderado pelo Dr. Shanu Modi do Memorial Sloan Kettering Cancer2 Center, envolveu 557 pacientes com câncer2 de mama3 metastático que apresentavam níveis baixos de HER2. Dois terços tomaram o medicamento experimental, trastuzumabe deruxtecana, vendido como Enhertu; o restante foi submetido à quimioterapia1 padrão.

Em pacientes que tomaram trastuzumabe deruxtecana, os tumores pararam de crescer por cerca de 10 meses, em comparação com 5 meses para aquelas com quimioterapia1 padrão. As pacientes com o medicamento experimental sobreviveram por 23,9 meses, em comparação com 16,8 meses para aquelas que receberam quimioterapia1 padrão.

“É inédito para ensaios de quimioterapia1 em câncer2 de mama3 metastático uma melhoria na sobrevida7 das pacientes em seis meses”, disse a Dra. Moore, que inscreveu alguns pacientes no estudo. Normalmente, diz ela, o sucesso em um ensaio clínico é mais algumas semanas de vida ou nenhum benefício de sobrevivência8, mas uma melhora na qualidade de vida.

No artigo publicado, os pesquisadores detalharam a avaliação do trastuzumabe deruxtecana no câncer2 de mama3 avançado HER2-low anteriormente tratado.

Eles contextualizam que, entre os cânceres de mama3 sem amplificação, superexpressão ou ambos do receptor tipo 2 do fator de crescimento epidérmico humano (HER2), uma grande proporção expressa baixos níveis de HER2 que poderiam servir como alvo. As terapias direcionadas a HER2 atualmente disponíveis têm sido ineficazes em pacientes com esses cânceres “HER2-low”.

Foi realizado um estudo de fase 3 envolvendo pacientes com câncer2 de mama3 metastático HER2-low que receberam uma ou duas linhas anteriores de quimioterapia1. (A baixa expressão de HER2 foi definida como uma pontuação de 1+ na análise imuno-histoquímica [IHC] ou como uma pontuação de IHC de 2+ e resultados negativos na hibridização in situ9.)

As pacientes foram distribuídas aleatoriamente em uma proporção de 2:1 para receber trastuzumabe deruxtecana ou a escolha do médico de quimioterapia1. O desfecho primário foi a sobrevida7 livre de progressão na coorte10 positiva para o receptor hormonal11. Os principais desfechos secundários foram a sobrevida7 livre de progressão entre todas as pacientes e a sobrevida7 global na coorte10 positiva para receptores hormonais12 e entre todas as pacientes.

Das 557 pacientes submetidas à randomização, 494 (88,7%) apresentavam doença com receptor hormonal11 positivo e 63 (11,3%) doença com receptor hormonal11 negativo.

Na coorte10 de receptor hormonal11 positivo, a sobrevida7 livre de progressão mediana foi de 10,1 meses no grupo trastuzumabe deruxtecana e 5,4 meses no grupo de escolha do médico (taxa de risco para progressão da doença ou morte, 0,51; P <0,001), e a sobrevida7 global foi 23,9 meses e 17,5 meses, respectivamente (taxa de risco para óbito13, 0,64; P = 0,003).

Entre todas as pacientes, a sobrevida7 livre de progressão mediana foi de 9,9 meses no grupo trastuzumabe deruxtecana e 5,1 meses no grupo de escolha do médico (taxa de risco para progressão da doença ou morte, 0,50; P <0,001), e a sobrevida7 global foi de 23,4 meses e 16,8 meses, respectivamente (razão de risco para óbito13, 0,64; P = 0,001).

Eventos adversos de grau 3 ou superior ocorreram em 52,6% das pacientes que receberam trastuzumabe deruxtecana e 67,4% daquelas que receberam quimioterapia1 de escolha do médico. Doença pulmonar intersticial14 ou pneumonite15 julgadas como relacionadas a medicamentos ocorreram em 12,1% das pacientes que receberam trastuzumabe deruxtecana; 0,8% tiveram eventos de grau 5.

Neste estudo envolvendo pacientes com câncer2 de mama3 metastático HER2-low, o trastuzumabe deruxtecana resultou em uma sobrevida7 global e livre de progressão significativamente mais longa do que a escolha do médico de quimioterapia1.

Veja também sobre "Quimioterapia1", "Imunoterapia" e "Informações e cuidados sobre o câncer2 de mama3".

 

Fontes:
The New England Journal of Medicine, publicação em 05 de junho de 2022.
The New York Times, notícia publicada em 07 de junho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Novo ensaio de medicamento contra o câncer de mama resulta em taxa de sobrevivência inédita. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1419300/novo-ensaio-de-medicamento-contra-o-cancer-de-mama-resulta-em-taxa-de-sobrevivencia-inedita.htm>. Acesso em: 5 dez. 2022.

Complementos

1 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
5 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
6 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
7 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
8 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
9 In situ: Mesmo que in loco , ou seja, que está em seu lugar natural ou normal (diz-se de estrutura ou órgão). Em oncologia, é o que permanece confinado ao local de origem, sem invadir os tecidos vizinhos (diz-se de tumor).
10 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
11 Receptor hormonal: São proteínas que se ligam aos hormônios circulantes, mediando seus efeitos nas células. Os mais estudados em tumores de mama são os receptores de estrogênio e os receptores de progesterona, por exemplo.
12 Receptores hormonais: São proteínas que se ligam aos hormônios circulantes, mediando seus efeitos nas células. Os mais estudados em tumores de mama são os receptores de estrogênio e os receptores de progesterona, por exemplo.
13 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
14 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
15 Pneumonite: Inflamação dos pulmões que compromete principalmente o espaço que separa um alvéolo de outro (interstício pulmonar). Pode ser produzida por uma infecção viral ou lesão causada por radiação ou exposição a diferentes agentes químicos.
Gostou do artigo? Compartilhe!