Gostou do artigo? Compartilhe!

Pacientes com fibromialgia veem benefícios rápidos de uma dieta de baixa caloria

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Para quase três quartos dos pacientes obesos com fibromialgia1, a restrição calórica drástica em um pequeno estudo levou a uma redução de 30% ou mais na gravidade dos sintomas2 em apenas 3 semanas, relataram os pesquisadores.

Os resultados suportam uma hipótese emergente de que a restrição calórica tem seu próprio efeito analgésico3 independente da perda de peso, de acordo com Aaron Stubbs, MD, da Michigan Medicine em Ann Arbor, e colegas, em estudo publicado no jornal científico ACR Open Rheumatology.

“Embora um estudo maior com um grupo de controle seja o próximo passo na investigação dessa associação, isso fornece informações importantes para os médicos que aconselham os pacientes sobre alternativas aos tratamentos farmacológicos para dor e outros sintomas2 somáticos”, concluíram os pesquisadores.

Uma conexão entre obesidade4 e dor crônica foi bem documentada, com dados nacionais dos EUA indicando um aumento de 60% na prevalência5 de dor persistente em indivíduos com obesidade4 em comparação com os não obesos. Isso levou a uma série de estudos que buscam determinar se a perda de peso aliviaria a dor nesses indivíduos.

Leia sobre "Fibromialgia1 - como é", "O que são calorias6" e "Restrição calórica e longevidade".

No artigo publicado, os pesquisadores relatam como estudos anteriores demonstraram que a perda de peso mostrou melhorar a dor nas articulações7 que suportam peso, e estudos mais recentes sugerem que a perda de peso pode ser acompanhada por melhorias na dor em regiões que não suportam peso.

Em trabalho anterior, os pesquisadores demonstraram que esses sintomas2 melhoram substancialmente em pacientes com obesidade4 submetidos a 12 semanas de dieta de muito baixa energia (DMBE) restrita a 800 kcal como parte de um programa de perda de peso. Modelos pré-clínicos também mostraram efeitos analgésicos8 da restrição calórica.

O objetivo do estudo observacional atual foi determinar o curso de tempo e trajetória de melhora da dor e outros sintomas2, especialmente durante a fase inicial de uma intervenção de DMBE, antes da grande perda de peso.

Os participantes foram 195 indivíduos com obesidade4 que apresentavam níveis elevados de dor e sintomas2 associados no início do estudo (pontuação ≥4 nos Critérios de Pesquisa de Fibromialgia1) e completaram um mínimo de 3 semanas de intervenção de DMBE.

O desfecho primário foi melhora nos Critérios de Pesquisa de Fibromialgia1 na semana 3. Em análises secundárias, criou-se grupos daqueles que apresentaram pouca/nenhuma melhora, melhora moderada e alta melhora (média de pouca/nenhuma melhora, 2,21; DP, 1,02; média de melhora moderada, 2,25; DP, 0,81; média de alta melhora, 2,42; DP, 0,95; F2.189 = 1,01, P = 0,37), em seguida, comparou-se as características basais.

Uma grande proporção de participantes do estudo (72%) experimentou reduções de sintomas2 de 30% ou mais na semana 3, mas não houve diferenças na quantidade de peso perdido neste momento.

Aqueles que mostraram pouca ou nenhuma melhora (menos de 30%) tiveram um índice de massa corporal9 mais alto no início do estudo e eram mais propensos a relatar um diagnóstico10 de depressão (ambos P <0,05).

Este grau de melhora após 3 semanas de uma dieta de muito baixa caloria11 é encorajador. Esses achados ajudam a estabelecer o padrão temporal de melhora dos sintomas2 associados à restrição calórica e sugerem que os efeitos paliativos12 dessa dieta são, pelo menos em parte, devidos à própria dieta, e não à perda de peso que se segue.

Veja também sobre "Dor crônica: o que devemos saber", "Dor nas juntas / articulações7" e "Obesidade4".

 

Fontes:
ACR Open Rheumatology, publicação em 02 de março de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 02 de março de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Pacientes com fibromialgia veem benefícios rápidos de uma dieta de baixa caloria. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1413050/pacientes-com-fibromialgia-veem-beneficios-rapidos-de-uma-dieta-de-baixa-caloria.htm>. Acesso em: 15 ago. 2022.

Complementos

1 Fibromialgia:
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Analgésico: Medicamento usado para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
4 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
5 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
6 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
7 Articulações:
8 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
9 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
10 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
11 Caloria: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc. Carboidratos, proteínas, gorduras e álcool fornecem calorias na dieta. Carboidratos e proteínas têm 4 calorias em cada grama, gorduras têm 9 calorias por grama e álcool têm 7 calorias por grama.
12 Paliativos: 1. Que ou o que tem a qualidade de acalmar, de abrandar temporariamente um mal (diz-se de medicamento ou tratamento); anódino. 2. Que serve para atenuar um mal ou protelar uma crise (diz-se de meio, iniciativa etc.).
Gostou do artigo? Compartilhe!