Gostou do artigo? Compartilhe!

Convulsões precoces após traumatismo cranioencefálico aumentam os riscos de epilepsia e morte

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Convulsões pós-traumáticas precoces após traumatismo1 cranioencefálico (TCE) moderado a grave aumentaram o risco de resultados ruins, mostraram dados de um grande registro de trauma.

Após o ajuste para fatores de confusão, as convulsões pós-traumáticas precoces aumentaram os riscos de morte e epilepsia2 em 2 anos após lesão3 aguda, relatou Joshua Laing, da Monash University em Melbourne, Austrália, e co-autores.

Convulsões pós-traumáticas foram mais comuns em pacientes com comorbidades4 médicas pré-lesão3, hemorragia5 subdural ou subaracnoide e maior gravidade da lesão3, escreveram os pesquisadores no estudo publicado no JAMA Neurology.

“O estudo destaca a importância das convulsões pós-traumáticas precoces na morbidade6 e mortalidade7 gerais, adicional àquelas do traumatismo1 cranioencefálico”, disse Laing ao MedPage Today. “Esta é uma descoberta nova.”

“Além disso, usando dois métodos separados, os principais fatores de risco para o desenvolvimento de convulsões pós-traumáticas precoces são a gravidade do TCE, comorbidades4 médicas anteriores e a presença de produtos sanguíneos hemorrágicos8 de hematoma9 subdural e hemorragia subaracnoidea10”, continuou Laing. Isso sugere que princípios de gerenciamento, incluindo profilaxia anticonvulsivante e monitoramento eletroencefalográfico contínuo (EEGc) direcionado, podem precisar de revisão, acrescentou.

Leia sobre "Traumatismos cranianos", "Convulsões" e "Epilepsias".

No artigo publicado, os pesquisadores relatam como as convulsões pós-traumáticas precoces (CPP) que podem ocorrer após um traumatismo1 cranioencefálico (TCE) estão associadas a piores resultados e desenvolvimento de epilepsia2 pós-traumática (EPT).

Nesse contexto, o objetivo do estudo foi avaliar fatores de risco para CPP, morbidade6 e mortalidade7 associadas e contribuição para EPT.

Os dados foram coletados de um estudo de coorte11 baseado em registro australiano de adultos (idade ≥18 anos) com TCE moderado a grave de janeiro de 2005 a dezembro de 2019, com acompanhamento de 2 anos. O registro estadual de trauma, conduzido em uma base de opção por saída em Victoria (população de 6,5 milhões), teve 15.152 pacientes com TCE moderado a grave identificados por meio do escore de gravidade da cabeça12 da Escala de Lesão3 Abreviada (ELA), com uma taxa de opção por saída inferior a 0,5 % (n = 136 para opção por saída).

CPP foram identificados através de códigos da Classificação Estatística Internacional de Doenças, Décima Revisão, Modificação Australiana (CID-10-MA) registrados após a admissão aguda. As medidas de desfecho também incluíram métricas hospitalares, resultados de 2 anos, incluindo EPT e mortalidade7 pós-alta. A regressão adaptativa de menor retração absoluta e operador de seleção (LASSO) foi usada para construir um modelo de predição para fatores de risco de CPP.

Entre os 15.152 participantes (10.457 [69%] do sexo masculino; mediana [IQR] idade, 60 [35-79] anos), 416 (2,7%) foram identificados com CPP, incluindo 27 (0,2%) com status epilepticus.

Fatores de risco significativos na análise multivariada para o desenvolvimento de CPP foram idade mais jovem, maior índice de comorbidade13 de Charlson, TCE a partir de uma queda baixa, hemorragia5 subdural, hemorragia subaracnoidea10, maior Pontuação de Gravidade da Lesão3 e maior gravidade do traumatismo1 craniano, medidos usando a Escala de Lesão3 Abreviada e a Escala de Coma14 de Glasgow.

Após o ajuste para fatores de confusão, a CPP foi associada ao aumento da admissão na UTI e do tempo de permanência na UTI, da ventilação15 e duração, do tempo de internação hospitalar e à alta para reabilitação hospitalar em vez de domiciliar, mas não à mortalidade7 hospitalar.

Resultados em sobreviventes da admissão por TCE em 24 meses, incluindo mortalidade7 (risco relativo [RR] = 2,14; IC 95%, 1,32-3,46; P = 0,002), desenvolvimento de EPT (RR = 2,91; IC 95%, 2,22-3,81; P <0,001) e uso de anticonvulsivantes (RR = 2,44; IC 95%, 1,98-3,02; P <0,001), foram piores para casos com CPP após ajuste para fatores de confusão.

O modelo de predição para CPP teve uma área sob a curva característica de operação do receptor de 0,72 (IC 95%, 0,66-0,79), sensibilidade de 66% e especificidade de 73% no conjunto de validação.

Foram identificados importantes fatores de risco para convulsão16 pós-traumática precoce após traumatismo1 cranioencefálico moderado a grave. Convulsões pós-traumáticas precoces foram associadas a internações mais longas na UTI e no hospital, ventilação15 na UTI e piores resultados em 24 meses, incluindo mortalidade7 e desenvolvimento de epilepsia2 pós-traumática.

Veja também sobre "Status epilepticus", "Eletroencefalograma17: como é feito" e "Concussão cerebral18".

 

Fontes:
JAMA Neurology, publicação em 21 de fevereiro de 2022. (doi:10.1001/jamaneurol.2021.5420)
MedPage Today, notícia publicada em 22 de fevereiro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Convulsões precoces após traumatismo cranioencefálico aumentam os riscos de epilepsia e morte. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1412385/convulsoes-precoces-apos-traumatismo-cranioencefalico-aumentam-os-riscos-de-epilepsia-e-morte.htm>. Acesso em: 13 ago. 2022.

Complementos

1 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
2 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
3 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
4 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
5 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
6 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
7 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
8 Hemorrágicos: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
9 Hematoma: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
10 Hemorragia subaracnoidea: Hemorragia subaracnoide ou subaracnoidea é um derramamento de sangue que se dá no espaço subaracnoideo compreendido entre duas meninges, a aracnoide e a pia-máter. Este espaço contém o líquor. Essas meninges, além da dura-máter, são membranas que envolvem o sistema nervoso. A origem habitual deste sangue é a ruptura de um vaso sanguíneo enfraquecido (quer seja por uma malformação arteriovenosa, quer por um aneurisma). Quando um vaso sanguíneo está afetado pela aterosclerose ou por uma infecção, pode produzir-se a rotura do mesmo. Tais rupturas podem ocorrer em qualquer idade, sendo mais frequentes entre os 25 e os 50 anos. Raramente ela ocorre por um traumatismo craniano.
11 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
12 Cabeça:
13 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
14 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
15 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
16 Convulsão: Episódio agudo caracterizado pela presença de contrações musculares espasmódicas permanentes e/ou repetitivas (tônicas, clônicas ou tônico-clônicas). Em geral está associada à perda de consciência e relaxamento dos esfíncteres. Pode ser devida a medicamentos ou doenças.
17 Eletroencefalograma: Registro da atividade elétrica cerebral mediante a utilização de eletrodos cutâneos que recebem e amplificam os potenciais gerados em cada região encefálica.
18 Concussão cerebral: Perda imediata da consciência no momento de um trauma, mas recuperável em 24 horas ou menos e sem seqüelas. Acompanha-se de amnésia retrógrada e pós-traumática, isto é, o paciente não se recorda do trauma, dos momentos que o antecederam, nem de eventos imediatamente posteriores. Hoje a tendência é considerar a concussão como resultante de um grau leve de lesão axonal difusa.
Gostou do artigo? Compartilhe!