Gostou do artigo? Compartilhe!

Viagra pode ser útil contra a demência de Alzheimer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O citrato de sildenafila (Viagra, Revatio) pode ser um candidato a medicamento para prevenir ou tratar a doença de Alzheimer1, sugeriu uma nova pesquisa.

Ao longo de 6 anos de acompanhamento, os usuários de citrato de sildenafila foram 69% menos propensos a desenvolver a doença de Alzheimer1 do que os não usuários de citrato de sildenafila, mostrou uma grande análise de caso-controle de reivindicações de seguros.

O viagra também emergiu como um potencial modificador do risco da doença em uma análise de medicamentos que podem ser reaproveitados para o Alzheimer2, relatou Feixiong Cheng, PhD, do Cleveland Clinic Genomic Medicine Institute, e co-autores.

Saiba mais sobre "Viagra: prós e contras", "Mal de Alzheimer2" e "Doenças degenerativas3".

Além disso, o inibidor da fosfodiesterase 5, que é aprovado para tratar disfunção erétil e hipertensão arterial4 pulmonar, aumentou o crescimento de neuritos e diminuiu a expressão de fosfo-tau em modelos de neurônios5 derivados de células-tronco6 pluripotentes induzidas, Cheng e colegas escreveram no estudo publicado na revista Nature Aging.

Entender os endofenótipos pode revelar mecanismos subjacentes comuns e levar a medicamentos que podem ser reaproveitados para doenças como Alzheimer2, observaram os pesquisadores.

“Estudos recentes mostram que a interação entre a amiloide e a tau contribui mais para o Alzheimer2 do que cada uma por si só”, disse Cheng em um comunicado. “Portanto, formulamos a hipótese de que os medicamentos que visam a interseção da rede molecular dos endofenótipos amiloide e tau devem ter o maior potencial de sucesso.”

Os pesquisadores desenvolveram uma metodologia baseada em módulo de endofenótipo da doença para o reaproveitamento de medicamentos para a doença de Alzheimer1 (DA) e identificaram o citrato de sildenafila como um potencial modificador de risco da doença.

Com base em análises farmacoepidemiológicas de caso-controle retrospectivas de dados de sinistros de seguros para 7,23 milhões de indivíduos, descobriu-se que o uso de citrato de sildenafila foi significativamente associado a um risco reduzido de 69% de DA (taxa de risco 0,31, intervalo de confiança de 95% 0,25-0,39, P <1,0 × 10-8).

Análises estratificadas por escores de propensão confirmaram que o citrato de sildenafila está significativamente associado a uma diminuição do risco de DA em todas as quatro coortes de medicamentos testados (diltiazem, glimepirida7, losartana e metformina8) após ajuste para idade, sexo, raça e comorbidades9 da doença.

Também descobriu-se que o citrato de sildenafila aumenta o crescimento de neuritos e diminui a expressão de fosfo-tau em modelos de neurônios5 derivados de células-tronco6 pluripotentes induzidas de pacientes com DA, apoiando mecanicamente seu potencial efeito benéfico na DA.

A associação entre o uso de citrato de sildenafila e a diminuição da incidência10 de doença de Alzheimer1 não estabelece causalidade, o que exigirá um ensaio clínico randomizado11.

Leia sobre "Disfunção erétil", "Demência12" e "Distúrbio neurocognitivo".

 

Fontes:
Nature Aging, publicação em 06 de dezembro de 2021.
MedPage Today, notícia publicada em 06 de dezembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Viagra pode ser útil contra a demência de Alzheimer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1406915/viagra-pode-ser-util-contra-a-demencia-de-alzheimer.htm>. Acesso em: 23 jan. 2022.

Complementos

1 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
2 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
3 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
4 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
5 Neurônios: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO. Sinônimos: Células Nervosas
6 Células-tronco: São células primárias encontradas em todos os organismos multicelulares que retêm a habilidade de se renovar por meio da divisão celular mitótica e podem se diferenciar em uma vasta gama de tipos de células especializadas.
7 Glimepirida: Medicamento de uso oral para tratamento do diabetes tipo 2. Estimula a secreção de insulina ligando-se a um receptor específico na célula-beta do pâncreas que determina fechamento dos canais de potássio (K+) dependentes de ATP (adenosinatrifosfato), resultando em despolarização da célula. Pertence à classe das sulfoniluréias.
8 Metformina: Medicamento para uso oral no tratamento do diabetes tipo 2. Reduz a glicemia por reduzir a quantidade de glicose produzida pelo fígado e ajudando o corpo a responder melhor à insulina produzida pelo pâncreas. Pertence à classe das biguanidas.
9 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
10 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
11 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
12 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
Gostou do artigo? Compartilhe!