Gostou do artigo? Compartilhe!

Exposição à duloxetina durante a gravidez não foi associada a maior risco de malformações congênitas e natimortos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A prevalência1 de depressão e a exposição a antidepressivos são altas entre mulheres em idade reprodutiva e durante a gravidez2. A duloxetina é um inibidor seletivo da recaptação de serotonina-norepinefrina (ISRSN) aprovado nos Estados Unidos e na Europa em 2004 para o tratamento da depressão. A segurança fetal da duloxetina não está bem estabelecida.

O presente estudo, publicado no PLOS Medicine, avalia a associação da exposição à duloxetina durante a gravidez2 e o risco de malformações3 congênitas4 maiores e menores e o risco de natimortos.

Um estudo observacional de base populacional foi conduzido com base em dados de registros na Suécia e na Dinamarca. Todos os nascimentos e natimortos registrados nos registros médicos de nascimento entre 2004 e 2016 foram incluídos. Os diagnósticos de malformação5 foram identificados até 1 ano após o nascimento.

Leia sobre "Medicamentos que podem ou não ser tomados durante a gravidez2", "O que saber sobre antidepressivos" e "Depressão na gravidez2".

Análises de regressão logística foram utilizadas. A confusão potencial foi abordada por meio de regressão múltipla, correspondência de escore de propensão (EP) e análises de sensibilidade. As variáveis ​​de confusão incluíram informações sociodemográficas (renda, educação, idade, ano de nascimento e país), comorbidade6 e comedicação, contatos psiquiátricos anteriores e informações relacionadas ao nascimento (tabagismo durante a gravidez2 e abortos espontâneos anteriores e natimortos).

Mulheres expostas à duloxetina foram comparadas com 4 comparadores:

  1. mulheres não expostas à duloxetina;
  2. mulheres expostas a um inibidor seletivo da recaptação de serotonina (ISRS);
  3. mulheres expostas à venlafaxina;
  4. mulheres expostas à duloxetina antes, mas não durante, a gravidez2.

A exposição foi definida como o uso de uma prescrição durante o primeiro trimestre e ao longo da gravidez2 para análise de malformações3 e natimortos, respectivamente. Os resultados foram malformações3 maiores e menores e natimortos coletados dos registros nacionais de pacientes. As coortes consistiram em mais de 2 milhões de nascimentos com 1.512 gestações expostas à duloxetina.

Nenhum risco aumentado de malformações3 maiores, malformações3 menores ou natimorto foi encontrado entre os grupos de comparação em análises ajustadas e pareadas por EP.

Análises pareadas por EP de expostas à duloxetina versus não expostas à duloxetina mostraram odds ratio (OR) 0,98 (intervalo de confiança [IC] de 95% 0,74 a 1,30, p = 0,909) para malformações3 maiores, OR 1,09 (IC 95% 0,82 a 1,45, p = 0,570) para malformações3 menores e 1,18 (IC 95% 0,43 a 3,19, p = 0,749) para natimortos.

Para os subtipos de malformação5 individuais, alguns achados foram estatisticamente significativos, mas foram associados a grande incerteza estatística devido ao número extremamente pequeno de eventos.

As principais limitações do estudo foram que a indicação para duloxetina e uma medição direta da gravidade da depressão não estavam disponíveis para serem incluídas como covariáveis.

Com base neste estudo nacional baseado em registro observacional com dados da Suécia e Dinamarca, nenhum risco aumentado de malformações3 congênitas4 maiores ou menores ou natimorto foi associado à exposição à duloxetina durante a gravidez2.

Veja mais sobre "Malformações3 fetais", "Aborto: o que é" e "Depressões".

 

Fonte: PLOS Medicine, publicação em 22 de novembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Exposição à duloxetina durante a gravidez não foi associada a maior risco de malformações congênitas e natimortos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1406345/exposicao-a-duloxetina-durante-a-gravidez-nao-foi-associada-a-maior-risco-de-malformacoes-congenitas-e-natimortos.htm>. Acesso em: 27 jan. 2022.

Complementos

1 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
4 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
5 Malformação: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
6 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!