Gostou do artigo? Compartilhe!

Alguns medicamentos para epilepsia foram associados a doenças cardiovasculares

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O uso de longo prazo de medicamentos anticonvulsivantes (MACs) indutores de enzimas foi associado a um maior risco de doença cardiovascular incidente1 em pessoas com epilepsia2, mostrou um estudo longitudinal de base populacional na Inglaterra.

Pacientes adultos com epilepsia2 que receberam quatro MACs indutores de enzimas consecutivos após 1990 – quando novos anticonvulsivantes não indutores de enzimas começaram a entrar no mercado – tinham 21% mais probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares3 por todas as causas em um acompanhamento máximo de 25 anos em comparação com pacientes com epilepsia2 não expostos a essas drogas, relatou Colin Josephson, MD, da University of Calgary, no Canadá, e co-autores da JAMA Neurology.

MACs indutores de enzimas incluíram fenobarbital, carbamazepina (Tegretol), eslicarbazepina (Aptiom), oxcarbazepina (Trileptal), fenitoína (Dilantin), primidona (Mysoline), rufinamida (Banzel) e topiramato (Topamax).

Leia sobre "Epilepsias - o que são", "O que saber sobre os benzodiazepínicos" e "Doenças cardiovasculares3".

“Esta é uma pesquisa importante, uma vez que existe uma controvérsia contínua sobre os efeitos de longo prazo dos medicamentos anticonvulsivantes indutores de enzimas”, disse Josephson ao MedPage Today.

“No entanto, é importante lembrar duas coisas: primeiro, essas são estimativas de risco relativo e, segundo, a duração da exposição é crítica”, ressaltou.

“O risco absoluto inicialmente permanece pequeno e só parece divergir clinicamente em 10 a 15 anos após a exposição, quando aqueles expostos têm um risco de 7% em comparação com 4%”, observou ele. “Entre 20 a 25 anos, o risco absoluto é de 12% contra 7%.”

“Portanto, o uso desses medicamentos em doses baixas em intervalos de tempo curtos a moderados pode ser seguro, em comparação com os riscos de interromper a medicação em alguém cujas convulsões são bem controladas, sem efeitos adversos significativos afetando sua qualidade de vida”, Josephson disse.

No artigo, os pesquisadores contextualizam como foi levantada a hipótese de que os medicamentos anticonvulsivantes indutores de enzimas (MACies) estão associados a riscos de doenças cardiovasculares3 em longo prazo.

Assim, o objetivo do estudo foi quantificar e modelar o risco putativo de doença cardiovascular secundária ao uso de MACies.

Este estudo de coorte4 cobriu o período de janeiro de 1990 a março de 2019 (acompanhamento médio [IQR], 9 [4-15] anos). O estudo relacionou cuidados primários e registros eletrônicos de saúde5 hospitalares em hospitais do National Health Service na Inglaterra.

Pessoas com 18 anos ou mais com diagnóstico6 de epilepsia2 após 1º de janeiro de 1990 foram incluídas. Todos os pacientes elegíveis foram incluídos com dispensa de consentimento. Nenhum paciente que foi abordado retirou o consentimento. A análise começou em janeiro de 2021 e terminou em agosto de 2021.

A exposição do estudo foi o recebimento de 4 MACies consecutivos (carbamazepina, eslicarbazepina, oxcarbazepina, fenobarbital, fenitoína, primidona, rufinamida ou topiramato) após um diagnóstico6 de epilepsia2 de início na idade adulta (idade ≥18 anos) ou exposição repetida em um modelo de exposição cumulativa ponderada.

Três coortes foram isoladas, uma das quais compreendia todos os adultos que atendiam a uma definição de caso para epilepsia2 diagnosticada após 1990, uma compreendia casos incidentes7 diagnosticados após 1998 (data de vinculação do hospital) e uma era limitada a adultos com diagnóstico6 de epilepsia2 aos 65 anos ou mais.

O desfecho foi doença cardiovascular incidente1 (doença isquêmica do coração8 ou acidente vascular cerebral9 isquêmico10 ou hemorrágico11). O risco de doença cardiovascular incidente1 foi avaliado usando análises de sobrevivência12 combinadas com propensão ajustada e modelos de exposição cumulativa ponderada.

De 10.916.166 adultos, 50.888 (0,6%) foram identificados como tendo casos prevalentes no período (idade mediana [IQR], 32 [19-50] anos; 16.584 [53%] mulheres), dos quais 31.479 (62%) foram diagnosticados em ou após 1990 e não apresentavam doenças cardiovasculares3 no início do estudo.

Em um modelo de riscos proporcionais de Cox com correspondência de propensão ajustado para idade, sexo, condição socioeconômica na linha de base e fatores de risco cardiovascular, a razão de risco para doença cardiovascular incidente1 foi de 1,21 (IC de 95%, 1,06-1,39) para aqueles que receberam MACies. A diferença absoluta no risco cumulativo diverge em mais de 1% e mais após 10 anos.

Para aqueles com exposição persistente além de 4 prescrições, a razão de risco mediana aumentou de uma mediana (IQR) de 1,54 (1,28-1,79) ao tomar uma dose diária relativa definida de um MACie de 1 para 2,38 (1,52-3,56) com uma dose diária relativa definida de 2 ao longo de um seguimento máximo de 25 anos em comparação com aqueles que não receberam um MACie.

O risco foi elevado, mas atenuado ao restringir as análises a casos incidentes7 ou aqueles diagnosticados com mais de 65 anos.

O estudo concluiu que o risco de doença cardiovascular incidente1 é maior naqueles que recebem medicamentos anticonvulsivantes indutores de enzimas. A associação é dependente da dose e a diferença absoluta no risco parece atingir significância clínica em aproximadamente 10 anos a partir da primeira exposição.

Veja também sobre "Convulsões" e "Status epilepticus".

 

Fontes:
JAMA Neurology, publicação em 04 de outubro de 2021.
MedPage Today, notícia publicada em 04 de outubro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Alguns medicamentos para epilepsia foram associados a doenças cardiovasculares. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1403530/alguns-medicamentos-para-epilepsia-foram-associados-a-doencas-cardiovasculares.htm>. Acesso em: 8 dez. 2021.

Complementos

1 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
2 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
3 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
4 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
7 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
8 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
9 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
10 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
11 Hemorrágico: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
12 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
Gostou do artigo? Compartilhe!