Gostou do artigo? Compartilhe!

A exposição ao colesterol LDL na idade adulta jovem previu eventos cardiovasculares posteriores, independente do colesterol na meia-idade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Quatro estudos de coorte1 juntos adicionam evidências de que os níveis de colesterol2 cedo na vida são importantes para eventos posteriores.

A doença arterial coronariana se correlacionou significativamente com o colesterol2 LDL3 cumulativo, bem como o LDL3 médio ponderado no tempo em quatro estudos e uma mediana de 16 anos de acompanhamento.

O risco foi observado para níveis tão baixos quanto 100 mg/dL4, muito abaixo dos limites de tratamento atuais, Yiyi Zhang, PhD, do Columbia University Medical Center, e colegas relataram no estudo publicado no JAMA Cardiology.

“As descobertas sugerem que manter um nível ideal de colesterol2 LDL3 durante a idade adulta jovem e meia-idade pode minimizar o risco de doença cardiovascular aterosclerótica ao longo da vida", concluíram os pesquisadores.

As diretrizes de colesterol2 recomendam estatinas para adultos jovens com idades entre 20 e 39 anos abaixo de um LDL3 de 190 mg/dL4 somente quando há história familiar de doença cardiovascular aterosclerótica prematura, diabetes5 de longa data ou múltiplos fatores de risco.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares6", "Entendendo o colesterol2 do organismo" e "Doença arterial coronariana".

Os resultados “sugerem que o paradigma atual endossado pela diretriz de adiar o tratamento de elevações leves e moderadas dos níveis de colesterol2 LDL3 em adultos jovens não apenas perde uma oportunidade crítica de prevenção, mas também permite que o risco relacionado aos lipídios se acumule por décadas, desnecessariamente”, escreveu Ann Marie Navar, MD, PhD, do University of Texas Southwestern Medical Center, e Gregg Fonarow, MD, da University of California Los Angeles.

O colesterol2 de lipoproteína de baixa densidade (LDL3-C) é um importante fator de risco7 para doenças cardiovasculares6 (DCV). A maioria dos estudos observacionais sobre a associação entre LDL3-C e DCV enfocou o nível de LDL3-C em um único ponto de tempo (geralmente na meia idade ou mais tarde), e poucos estudos caracterizaram exposições de longo prazo ao LDL3-C e seu papel no risco de DCV.

Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar as associações da exposição cumulativa ao LDL3-C, da média ponderada no tempo (MPT) do LDL3-C e da alteração do declive do LDL3-C durante a idade adulta jovem e meia-idade com a DCV incidente8 mais tarde na vida.

Este estudo de coorte9 analisou dados agrupados de 4 estudos de coorte1 prospectivos nos EUA (Atherosclerosis Risk in Communities Study, Coronary Artery Risk Development in Young Adults Study, Framingham Heart Study Offspring Cohort e Multi-Ethnic Study of Atherosclerosis).

Os participantes foram incluídos se tivessem 2 ou mais medidas de LDL3-C com pelo menos 2 anos de diferença entre as idades de 18 e 60 anos, com pelo menos uma das medidas de LDL3-C ocorrendo durante a meia-idade de 40 a 60 anos. Os dados de 1971 a 2017 foram coletados e analisados ​​de 25 de setembro de 2020 a 10 de janeiro de 2021.

Os principais desfechos e medidas foram doença arterial coronariana (DAC) incidente8, acidente vascular cerebral10 isquêmico11 e insuficiência cardíaca12 (IC).

Um total de 18.288 participantes foram incluídos neste estudo. Esses participantes tinham idade média (DP) de 56,4 (3,7) anos e 10.309 eram mulheres (56,4%). Durante um acompanhamento médio de 16 anos, ocorreram 1.165 eventos de DAC, 599 AVCs isquêmicos e 1.145 eventos de IC.

Em modelos multivariáveis ​​de regressão de riscos proporcionais de Cox ajustados para o nível de LDL3-C mais recente medido durante a meia-idade e para outros fatores de risco de DCV, as razões de risco para DAC foram as seguintes:

  • 1,57 (IC 95%, 1,10-2,23; P para tendência = 0,01) para o nível cumulativo de LDL3-C
  • 1,69 (IC 95%, 1,23-2,31; P para tendência <0,001) para o nível da MPT de LDL3-C
  • 0,88 (IC 95%, 0,69-1,12; P para tendência = 0,28) para declive do LDL3-C

Nenhuma associação foi encontrada entre qualquer uma das variáveis ​​do LDL3-C e acidente vascular cerebral10 isquêmico11 ou IC.

Este estudo de coorte9 mostrou que o colesterol2 LDL3 cumulativo e a média ponderada no tempo do colesterol2 LDL3 durante a idade adulta jovem e meia-idade estavam associados ao risco de doença arterial coronariana incidente8, independentemente do nível de colesterol2 LDL3 na meia-idade.

Esses achados sugerem que os níveis anteriores de LDL3 podem informar estratégias para a prevenção primária da DAC e que a manutenção de níveis ideais de colesterol2 LDL3 em uma idade mais precoce pode reduzir o risco ao longo da vida de desenvolver doença cardiovascular aterosclerótica.

Veja também sobre "Como reduzir os níveis de LDL3", "Sete passos para um coração13 saudável" e "Colesterol2 Alto".

 

Fontes:
JAMA Cardiology, publicação em 22 de setembro de 2021.
MedPage Today, notícia publicada em 22 de setembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. A exposição ao colesterol LDL na idade adulta jovem previu eventos cardiovasculares posteriores, independente do colesterol na meia-idade. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1402380/a-exposicao-ao-colesterol-ldl-na-idade-adulta-jovem-previu-eventos-cardiovasculares-posteriores-independente-do-colesterol-na-meia-idade.htm>. Acesso em: 24 out. 2021.

Complementos

1 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
2 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
3 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
4 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
5 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
6 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
7 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
8 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
9 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
10 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
11 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
12 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
13 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!