Gostou do artigo? Compartilhe!

A reabilitação após acidente vascular cerebral deveria ser oferecida por meses a mais do que é atualmente

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um novo ensaio clínico revela o período ideal para a reabilitação intensiva do uso de braço e mão1 após acidente vascular cerebral2.

Pessoas que sofreram um acidente vascular cerebral2 (AVC) podem se beneficiar do tratamento com fisioterapia3 por muito mais tempo do que normalmente é o caso, para aproveitar ao máximo uma janela crítica para exercícios de reabilitação.

Os AVCs envolvem danos ao tecido4 cerebral causados ​​por um coágulo5 sanguíneo ou um vaso sanguíneo rompido, o que pode deixar as pessoas incapazes de usar um braço ou perna, por exemplo.

As pessoas geralmente recuperam algumas funções com o passar do tempo, especialmente com a fisioterapia3. Acredita-se que isso seja porque o cérebro6 forma novas vias neurais para substituir as perdidas, um exemplo de um processo de religação chamado neuroplasticidade.

Para entender melhor os benefícios da fisioterapia3, Elissa Newport, do Georgetown University Medical Center em Washington DC e seus colegas estudaram os efeitos de dar 20 horas extras de tratamento, além da reabilitação usual, para 72 pessoas que tiveram um AVC que afetou um braço.

Depois de um ano, as pessoas que receberam a terapia entre os meses 2 e 3 melhoraram mais, em quase 7 pontos em uma escala de 57 pontos comumente usada para avaliar a capacidade física, em comparação com os cuidados habituais.

Saiba mais sobre "AVC ou Derrame7 Cerebral", "Como é a fisioterapia3" e "Reabilitação funcional - para que serve".

“Nossos achados demonstram a existência de um período crítico ou momento ideal quando os adultos são mais responsivos à reabilitação após um AVC. Ensaios clínicos8 anteriores encontraram poucas ou muito pequenas melhorias na função motora pós-AVC, então nossa pesquisa pode ser um avanço importante na descoberta de maneiras de fazermos melhorias substanciais na recuperação de braço e mão1.” disse Alexander Dromerick, MD, autor principal do estudo.

No estudo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, os pesquisadores relatam como a restauração da função cerebral pós-lesão9 é um desafio sinalizador para a neurociência translacional.

Os modelos animais de recuperação de um AVC demonstram janelas limitadas no tempo de recuperação motora aumentada, semelhante à neuroplasticidade do desenvolvimento. Em estudos de recuperação de AVC em roedores, a recuperação quase completa é alcançada se o treinamento motor específico da tarefa ocorre durante esta janela sensível. No entanto, nenhuma janela equivalente foi demonstrada em humanos.

Nesse contexto, foi realizado um ensaio clínico randomizado10, aplicando elementos essenciais dos paradigmas do treinamento motor animal a humanos, para determinar a existência de um período sensível análogo em adultos.

Pacientes com AVC foram adaptativamente randomizados para começar 20 horas extras de terapia motora específica de tarefa auto selecionada em ≤30 dias (agudo11), 2 a 3 meses (subagudo12) ou ≥6 meses (crônico13) após o AVC, em comparação com os controles que receberam reabilitação motora padrão.

O comprometimento da extremidade superior (ES) avaliado pelo Action Research Arm Test (ARAT) foi medido em até cinco pontos no tempo. O desfecho primário foi a recuperação de acordo com o ARAT mais de 1 ano após o AVC.

Por um ano, encontrou-se um aumento significativo da função motora da ES no grupo subagudo12 em comparação com os controles (diferença no ARAT = +6,87 ± 2,63, P = 0,009).

O grupo agudo11 em comparação com os controles mostrou melhora menor, mas significativa (diferença no ARAT = +5,25 ± 2,59 pontos, P = 0,043).

O grupo crônico13 não apresentou melhora significativa em comparação com os controles (ARAT = +2,41 ± 2,25, P = 0,29).

Assim, a intervenção motora específica da tarefa foi mais eficaz nos primeiros 2 a 3 meses após o AVC, demonstrando um período sensível ou ideal 60 a 90 dias após o AVC, com efeitos menores para ≤30 dias e nenhum efeito 6 meses ou mais tarde após o AVC.

Esses achados demonstraram prospectivamente a existência de um período sensível para recuperação motora pós AVC em humanos adultos. Recomenda-se, então, o fornecimento de reabilitação motora mais intensiva dentro de 60 a 90 dias após o início do AVC.

A semelhança com os resultados do tratamento do modelo de roedor sugere que outras descobertas de roedores podem ser traduzidas para a recuperação do cérebro6 humano.

Leia também sobre "Doenças cerebrovasculares", "Neuroplasticidade cerebral" e "Neurociência - o que ela estuda".

 

Fontes:
Proceedings of the National Academy of Sciences, publicação em 20 de setembro de 2021.
New Scientist, notícia publicada em 20 de setembro de 2021.
News Medical, notícia publicada em 21 de setembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. A reabilitação após acidente vascular cerebral deveria ser oferecida por meses a mais do que é atualmente. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1402070/a-reabilitacao-apos-acidente-vascular-cerebral-deveria-ser-oferecida-por-meses-a-mais-do-que-e-atualmente.htm>. Acesso em: 23 out. 2021.

Complementos

1 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
2 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
3 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
4 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
5 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
6 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
7 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
8 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
9 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
10 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
11 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
12 Subagudo: Levemente agudo ou que apresenta sintomas pouco intensos, mas que só se atenuam muito lentamente (diz-se de afecção ou doença).
13 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
Gostou do artigo? Compartilhe!