Gostou do artigo? Compartilhe!

Sinais precoces de demência podem ser observados no ato de dirigir e em pontuações de crédito

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Descobrir suas chances de desenvolver demência1 – uma preocupação urgente para muitos, especialmente aqueles com histórico familiar – requer testes médicos e aconselhamento. Mas e se o comportamento diário, como ignorar alguns pagamentos de cartão de crédito ou frear habitualmente ao dirigir, pudesse prever o seu risco?

Uma série de experimentos está em andamento para explorar essa possibilidade, refletindo a crescente consciência de que as patologias subjacentes à demência1 podem começar anos ou mesmo décadas antes que os sintomas2 apareçam.

“A detecção precoce é a chave para a intervenção, no estágio em que seria mais eficaz”, disse Sayeh Bayat, principal autora de um estudo sobre condução de veículos publicado no periódico científico Alzheimer3's Research & Therapy.

Esses esforços podem ajudar a identificar voluntários em potencial para testes clínicos, dizem os pesquisadores, e ajudar a proteger os idosos contra abusos financeiros e outros perigos.

Nos últimos anos, muitos medicamentos antidemência antes promissores, particularmente para a doença de Alzheimer4, falharam nos testes. Uma possível razão, dizem os pesquisadores, é que as drogas são administradas tarde demais para serem úteis. Identificar os riscos mais cedo, quando o cérebro5 sofreu menos danos, poderia criar um grupo de participantes potenciais com doença de Alzheimer4 "pré-clínica", que poderiam então testar medidas preventivas ou tratamentos.

Isso também pode trazer melhorias na vida diária. “Poderíamos apoiar a capacidade das pessoas de dirigir por mais tempo e ter ruas mais seguras para todos”, disse Bayat como exemplo.

Por enquanto, a busca por pessoas mais velhas com probabilidade de desenvolver Alzheimer3 ou outras demências ocorre principalmente em ambientes de pesquisa, onde os pacientes aprendem seu status de risco por meio de alguma combinação de testes genéticos, exames de coluna ou PET scan para detectar amiloide no cérebro5, bem como por meio de perguntas sobre a história da família.

Mas um dispositivo GPS no carro de alguém pode monitorar o comportamento ao dirigir quase continuamente a baixo custo, fornecendo os chamados biomarcadores digitais. “Estudos têm mostrado que o modo de dirigir muda em pessoas com Alzheimer3 sintomático”, disse Bayat. “Mas algumas mudanças ocorrem ainda mais cedo.”

Saiba mais sobre "Mal de Alzheimer3", "Demência1" e "Distúrbio neurocognitivo".

No artigo publicado, os pesquisadores contextualizam como a doença de Alzheimer4 (DA) pré-clínica é o período durante o qual as alterações cerebrais iniciais da DA estão presentes, mas os sintomas2 cognitivos6 ainda não se manifestaram. A presença de alterações cerebrais na DA pode ser verificada por biomarcadores moleculares obtidos por meio de imagens e punção lombar. No entanto, o uso desses métodos é limitado pelo custo, aceitabilidade e disponibilidade. O estágio pré-clínico da DA pode ter uma assinatura funcional sutil, que pode afetar comportamentos complexos, como dirigir.

Assim, o objetivo do estudo foi avaliar a capacidade de registradores de dados GPS em veículos em distinguir motoristas idosos cognitivamente normais com DA pré-clínica daqueles sem DA pré-clínica usando métodos de aprendizado de máquina (machine learning).

Os pesquisadores acompanharam a direção naturalista em motoristas idosos cognitivamente normais por 1 ano com um registrador de dados GPS comercial para veículos. A coorte7 incluiu n = 64 indivíduos com DA pré-clínica e n = 75 sem DA pré-clínica, conforme determinado por biomarcadores do líquido cefalorraquidiano8.

Quatro modelos Random Forest (RF) foram treinados para detectar DA pré-clínica. O índice RF Gini foi usado para identificar os preditores mais fortes de DA pré-clínica.

A pontuação F1 dos modelos de RF para identificar DA pré-clínica foi de 0,85 usando o status APOE ε4 e idade apenas, 0,82 usando apenas indicadores de direção baseados em GPS, 0,88 usando idade e indicadores de direção e 0,91 usando idade, status APOE ε4 e direção. A área sob a curva de operação do receptor para o modelo final foi de 0,96.

Esses resultados sugerem que a avaliação do modo de dirigir através de GPS pode servir como um biomarcador digital eficaz e preciso para identificar doença de Alzheimer4 pré-clínica entre idosos.

Similarmente, um estudo que analisou registros médicos e relatórios de crédito do consumidor para mais de 80.000 beneficiários do Medicare mostrou que idosos que eventualmente receberam um diagnóstico9 de doença de Alzheimer4 eram significativamente mais propensos a ter pagamentos inadimplentes do cartão de crédito do que aqueles que eram demograficamente semelhantes, mas nunca receberam tais diagnósticos. Eles também eram mais propensos a ter pior pontuação de crédito.

“Fomos motivados por anedotas nas quais membros da família descobrem a demência1 de um parente por meio de um evento financeiro catastrófico, como uma casa sendo confiscada”, disse Lauren Nicholas, autora principal do estudo publicado na revista JAMA Internal Medicine. “Esta pode ser uma forma de identificar os pacientes em risco”.

Os problemas apareceram cedo, com pelo menos dois pagamentos consecutivos perdidos até seis anos antes de um diagnóstico9, e pior pontuação de crédito dois anos e meio antes. Embora estudos menores tenham apontado para uma associação entre má gestão financeira autorrelatada e demência1, este é o maior e o primeiro a usar dados financeiros reais, acrescentou a Dra. Nicholas.

Leia sobre "Quando a perda de memória não é normal" e "Conhecendo melhor as doenças degenerativas10".

No artigo, os pesquisadores contextualizam como a doença de Alzheimer4 e demências relacionadas (DADR), doenças neurodegenerativas atualmente incuráveis, podem ameaçar a situação financeira dos pacientes devido a déficits de memória e mudanças na percepção de risco. A deterioração das capacidades financeiras está entre os primeiros sinais11 de declínio cognitivo12, mas a frequência e a extensão dos eventos financeiros adversos antes e depois do diagnóstico9 não foram caracterizadas.

Assim, o objetivo do estudo foi descrever a apresentação financeira de DADR usando dados administrativos de crédito.

A análise retrospectiva de dados secundários de resultados de relatórios de crédito ao consumidor de 1999 a 2018 vinculados aos dados de reivindicações do Medicare incluiu 81.364 beneficiários do Medicare que viviam sozinhos.

A exposição do estudo foi a ocorrência de eventos financeiros adversos naqueles com versus sem diagnóstico9 de DADR e tempo desde o evento financeiro adverso até o diagnóstico9 de DADR.

Os principais resultados e medidas foram pagamentos perdidos em contas de crédito (30 ou mais dias de atraso) e pontuações de crédito subprime.

No geral, 54.062 participantes (17.890 [33,1%] homens; idade média [DP], 74 [7,3] anos) nunca foram diagnosticados com DADR durante o período da amostra e 27.302 tiveram DADR por pelo menos 1 quarto da observação (8.573 [31,4 %] homens; idade média [DP], 79,4 [7,5] anos).

Beneficiários únicos do Medicare com diagnóstico9 de DADR eram mais propensos a perder pagamentos em contas de crédito 6 anos antes do diagnóstico9 em comparação com beneficiários demograficamente semelhantes sem DADR (7,7% vs 7,3%; diferença absoluta, 0,4 pontos percentuais [pp]; IC 95%, 0,07-0,70) e a desenvolver piores pontuações de crédito 2,5 anos antes do diagnóstico9 (8,5% vs 8,1%; diferença absoluta, 0,38 pp; IC 95%, 0,04-0,72).

No trimestre após o diagnóstico9, os pacientes com DADR permaneceram mais propensos a perder pagamentos do que beneficiários semelhantes que não desenvolveram DADR (7,9% vs 6,9%; diferença absoluta, 1,0 pp; IC 95%, 0,67-1,40) e mais probabilidade de ter piores pontuações de crédito do que aqueles sem DADR (8,2% vs 7,5%; diferença absoluta, 0,70 pp; IC 95%, 0,34-1,1).

Os eventos financeiros adversos foram mais comuns entre os pacientes com DADR em setores censitários de educação inferior. Os padrões de eventos adversos associados com DADR foram únicos em comparação com outras condições médicas (por exemplo, glaucoma13, fratura14 de quadril).

O estudo concluiu que a doença de Alzheimer4 e as demências relacionadas foram associadas a eventos financeiros adversos anos antes do diagnóstico9 clínico que se tornaram mais prevalentes após o diagnóstico9, sendo responsáveis ​​por 10% a 15% dos pagamentos perdidos nessa amostra, e foram mais comuns em setores censitários de baixa escolaridade.

Veja também sobre "Surdez em idosos e o risco de demência1", "Diferenças entre Neurologia e Psiquiatria" e "Como melhorar a memória".

 

Fontes:
Alzheimer3's Research & Therapy, publicação em 14 de junho de 2021.
JAMA Internal Medicine, publicação em 30 de novembro de 2020.
The New York Times, notícia publicada em 23 de agosto de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Sinais precoces de demência podem ser observados no ato de dirigir e em pontuações de crédito. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1400665/sinais-precoces-de-demencia-podem-ser-observados-no-ato-de-dirigir-e-em-pontuacoes-de-credito.htm>. Acesso em: 20 set. 2021.

Complementos

1 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
4 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
7 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
8 Líquido cefalorraquidiano: Líquido cefalorraquidiano (LCR), também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, é definido como um fluido corporal estéril, incolor, encontrado no espaço subaracnoideo no cérebro e na medula espinhal (entre as meninges aracnoide e pia-máter). Caracteriza-se por ser uma solução salina pura, com baixo teor de proteínas e células, atuando como um amortecedor para o córtex cerebral e a medula espinhal. Possui também a função de fornecer nutrientes para o tecido nervoso e remover resíduos metabólicos do mesmo. É sintetizado pelos plexos coroidais, epitélio ventricular e espaço subaracnoideo em uma taxa de aproximadamente 20 mL/hora. Em recém-nascidos, este líquido é encontrado em um volume que varia entre 10 a 60 mL, enquanto que no adulto fica entre 100 a 150 mL.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
10 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
11 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
12 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
13 Glaucoma: É quando há aumento da pressão intra-ocular e danos ao nervo óptico decorrentes desse aumento de pressão. Esses danos se expressam no exame de fundo de olho e por alterações no campo de visão.
14 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
Gostou do artigo? Compartilhe!