Gostou do artigo? Compartilhe!

Frutas e vegetais que contêm flavonoides podem melhorar a saúde cerebral, ajudando na manutenção da função cognitiva

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um novo estudo, uma das maiores análises até hoje, descobriu que os flavonoides, os produtos químicos que dão cores brilhantes aos alimentos vegetais, podem ajudar a conter o esquecimento frustrante e a confusão moderada de que as pessoas mais velhas costumam reclamar com o avançar da idade, e que às vezes podem preceder um diagnóstico1 de demência2.

O estudo foi observacional, portanto, não pode provar causa e efeito, embora seu grande tamanho e longa duração aumentem as evidências de que o que comemos pode afetar a saúde3 cerebral.

Os cientistas usaram dados de dois grandes estudos contínuos de saúde3 que começaram no final dos anos 1970 e início dos anos 1980, nos quais os participantes preenchiam questionários de dieta e saúde3 periodicamente ao longo de mais de 20 anos. A idade média dos participantes foi de 73 anos.

Os cientistas calcularam a ingestão de cerca de duas dúzias de tipos de flavonoides comumente consumidos – que incluem beta-caroteno em cenouras, flavona em morangos, antocianina em maçãs e outros tipos em muitas outras frutas e vegetais. O estudo foi publicado na revista Neurology.

O grau de declínio cognitivo4 subjetivo foi pontuado com respostas “sim” ou “não” a sete perguntas: Você tem dificuldade para (1) se lembrar de eventos recentes, (2) lembrar de coisas de um segundo para o próximo, (3) lembrar de uma pequena lista de itens, (4) seguir instruções faladas, (5) acompanhar uma conversa em grupo ou (6) se orientar em ruas conhecidas, e (7) você notou uma mudança recente em sua capacidade de lembrar coisas?

Quanto maior a ingestão de flavonoides, descobriram os pesquisadores, menos respostas “sim” às perguntas. Comparado ao um quinto daqueles com a menor ingestão de flavonoides, o um quinto com o maior consumo tinha 19% menos probabilidade de relatar esquecimento ou confusão.

Leia sobre "Alimentação saudável", "As frutas que você mais come", "Distúrbio neurocognitivo" e "Confusão mental - é possível evitar".

De acordo com a autora sênior5, Dra. Deborah Blacker, professora de epidemiologia da Harvard T.H. Chan School of Public Health, essas descobertas de longo prazo sugerem que começar cedo na vida com uma dieta rica em flavonoides pode ser importante para a saúde3 cerebral.

Para os jovens e os que estão na meia-idade, ela disse, “a mensagem é que essas coisas são boas para você em geral, e não apenas para a cognição6. É importante descobrir maneiras de incorporar esses alimentos à sua vida. Pense sobre: como faço para encontrar produtos frescos e cozinhá-los de uma forma que seja apetitosa? – isso é parte da mensagem aqui.”

O estudo controlou para dieta além da ingestão de flavonoides e para atividade física, consumo de álcool, idade e índice de massa corporal7, entre outros fatores que podem afetar o risco de demência2. É importante ressaltar que também foi controlado para depressão, cujos sintomas8 em pessoas mais velhas podem ser facilmente confundidos com demência2.

Os pesquisadores analisaram não apenas o consumo total de flavonoides, mas também cerca de três dúzias de alimentos contendo flavonoides específicos. O maior consumo de couve de Bruxelas, morango, abóbora e espinafre cru foram os mais associados a melhores pontuações no teste de declínio cognitivo4 subjetivo. As associações com o consumo de cebola, suco de maçã e uva foram significativas, porém mais fracas.

No artigo publicado, os pesquisadores avaliaram a ingestão dietética de flavonoides a longo prazo e declínio cognitivo4 subjetivo em homens e mulheres nos EUA.

O objetivo foi examinar prospectivamente as associações entre flavonoides dietéticos de longo prazo e declínio cognitivo4 subjetivo (DCS).

Os pesquisadores acompanharam 49.493 mulheres do Nurses ’Health Study (NHS) (1984-2006) e 27.842 homens do Health Professionals Follow-up Study (HPFS) (1986-2002). A regressão de Poisson foi usada para avaliar as associações entre flavonoides dietéticos (flavonóis, flavonas, flavanonas, flavan-3-ols, antocianinas, flavonoides poliméricos e proantocianidinas) e DCS subsequente.

Para o NHS, a ingestão alimentar média de longo prazo foi calculada a partir de sete questionários de frequência alimentar (QSFAs) repetidos, e o DCS foi avaliado em 2012 e 2014. Para o HPFS, a ingestão alimentar média foi calculada a partir de cinco QSFAs repetidos e o DCS avaliado em 2008 e 2012.

A maior ingestão de flavonoides totais foi associada a menores chances de DCS após o ajuste para idade, ingestão total de energia, principais fatores não dietéticos e fatores dietéticos específicos.

Comparando os quintis mais altos e os mais baixos de ingestão total de flavonoides, os odds ratios (ORs) combinados multivariados ajustados (IC de 95%) de incrementos de 3 unidades no DCS foi de 0,81 (0,76, 0,89).

Nos resultados combinados, as associações mais fortes foram observadas para flavonas (OR = 0,62 [0,57, 0,68]), flavanonas (0,64 [0,58, 0,68)]) e antocianinas (0,76 [0,72, 0,84]) (p para tendência <0,0001 para todos os grupos).

A curva dose-resposta foi mais acentuada para flavonas, seguido por antocianinas. Muitos alimentos ricos em flavonoides, como morangos, laranjas, toranjas, sucos cítricos, maçãs / peras, aipo, pimentas e bananas, foram significativamente associados a menores chances de DCS.

Essas descobertas apoiam o benefício de maiores ingestões de flavonoides para a manutenção da função cognitiva9 em homens e mulheres.

A Dra. Blacker apontou ainda para questões políticas mais amplas. “Se pudermos criar um mundo em que todos tenham acesso a frutas e vegetais frescos”, disse ela, “isso deve ajudar a melhorar muitos problemas de saúde3 e prolongar a expectativa de vida”.

Veja também sobre "Dicas para melhorar a alimentação", "Envelhecimento cerebral normal ou patológico" e "Como melhorar a memória".

 

Fontes:
Neurology, publicação em 28 de julho de 2021.
The New York Times, notícia publicada em 09 de agosto de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Frutas e vegetais que contêm flavonoides podem melhorar a saúde cerebral, ajudando na manutenção da função cognitiva. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1399910/frutas-e-vegetais-que-contem-flavonoides-podem-melhorar-a-saude-cerebral-ajudando-na-manutencao-da-funcao-cognitiva.htm>. Acesso em: 18 out. 2021.

Complementos

1 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
2 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
5 Sênior: 1. Que é o mais velho. 2. Diz-se de desportistas que já ganharam primeiros prêmios: um piloto sênior. 3. Diz-se de profissionais experientes que já exercem, há algum tempo, determinada atividade.
6 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
7 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
Gostou do artigo? Compartilhe!