Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo identifica associação entre história de pré-eclâmpsia ou eclâmpsia durante a primeira gravidez e incidência de câncer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A ocorrência de pré-eclâmpsia1 ou eclâmpsia2 durante a primeira gravidez3 está associada a um risco futuro de câncer4?

A pré-eclâmpsia1 ou eclâmpsia2 durante a gravidez3 induz mudanças fisiológicas5 importantes e podem estar associadas a ocorrências específicas de câncer4 mais tarde na vida. Os dados atuais sobre a associação entre pré-eclâmpsia1/eclâmpsia2 e câncer4 são heterogêneos, e o risco de câncer4 após pré-eclâmpsia1/eclâmpsia2 pode ser diferente dependendo do órgão.

Essas incertezas garantem um reexame da associação entre pré-eclâmpsia1/eclâmpsia2 e o risco de câncer4 em geral e por tipo específico de câncer4.

Assim, o objetivo deste estudo, publicado pelo JAMA Network Open, foi avaliar o risco de câncer4, geral e por tipo, após pré-eclâmpsia1/eclâmpsia2 durante a primeira gravidez3.

Saiba mais sobre "Diferenças entre pré-eclâmpsia1 e eclâmpsia2", "Toxemia6 gravídica" e "Câncer4 - informações importantes".

Este estudo de coorte7 retrospectivo8 usou dados do banco de dados de alta hospitalar francês para identificar todas as mulheres que tiveram hospitalização associada à gravidez3 entre 1º de janeiro de 2010 e 31 de dezembro de 2019.

Para permitir um mínimo de 2 anos para a detecção do histórico médico, indivíduos com uma gravidez3 detectada pela primeira vez antes de 1º de janeiro de 2012 foram excluídas, assim como aquelas com uma hospitalização associada ao câncer4 antes ou durante sua primeira gravidez3 detectada.

Exposições, comorbidades9 e ocorrências de câncer4 foram avaliadas usando dados dos registros médico-administrativos de hospitalizações em hospitais públicos e privados franceses. Modelos de riscos proporcionais de Cox foram usados ​​para analisar o risco de câncer4 de acordo com a ocorrência de pré-eclâmpsia1/eclâmpsia2 durante a primeira gravidez3.

O desfecho primário foi a incidência10 de câncer4, incluindo doenças mielodisplásicas ou mieloproliferativas, após uma primeira gravidez3 com e sem pré-eclâmpsia1/eclâmpsia2.

Após as exclusões, um total de 4.322.970 indivíduos do sexo feminino (idade média [DP] na primeira gravidez3 detectada, 29,6 [6,2] anos) com e sem pré-eclâmpsia1/eclâmpsia2 durante a primeira gravidez3 foram incluídas. Destas, 45.523 (1,1%) foram diagnosticadas com pré-eclâmpsia1/eclâmpsia2 durante a primeira gravidez3 detectada.

O seguimento máximo foi de 8 anos, durante os quais 29.173 mulheres (0,7%) foram diagnosticadas com câncer4.

Nenhuma diferença significativa na incidência10 geral de câncer4 foi encontrada entre aquelas com e sem pré-eclâmpsia1/eclâmpsia2 durante a primeira gravidez3 (razão de risco ajustada [AHR], 0,94; IC 95%, 0,84-1,05).

A pré-eclâmpsia1/eclâmpsia2 foi associada a um aumento no risco de síndromes mielodisplásicas ou doenças mieloproliferativas11 (AHR, 2,43; IC 95%, 1,46-4,06) e câncer4 renal12 (AHR, 2,19; IC 95%, 1,09-4,42) e a uma diminuição no risco de câncer4 de mama13 (AHR, 0,79; IC 95%, 0,62-0,99) e câncer4 cervical (AHR, 0,75; IC 95%, 0,58-0,96).

Neste estudo, uma história de pré-eclâmpsia1 ou eclâmpsia2 durante a primeira gravidez3 foi associada a um aumento na incidência10 de doenças mielodisplásicas ou mieloproliferativas e câncer4 renal12 e a uma diminuição na incidência10 de câncer4 cervical e de mama13.

Essas associações podem refletir um fator comum subjacente entre pré-eclâmpsia1/eclâmpsia2 e essas patologias e/ou uma associação entre pré-eclâmpsia1/eclâmpsia2 e o desenvolvimento desses cânceres.

Leia sobre "Síndromes mielodisplásicas", "O câncer4 renal12 e a sua evolução" e "Prevenção do câncer4".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 23 de junho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Estudo identifica associação entre história de pré-eclâmpsia ou eclâmpsia durante a primeira gravidez e incidência de câncer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1397960/estudo-identifica-associacao-entre-historia-de-pre-eclampsia-ou-eclampsia-durante-a-primeira-gravidez-e-incidencia-de-cancer.htm>. Acesso em: 20 set. 2021.

Complementos

1 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
2 Eclâmpsia: Ocorre quando a mulher com pré-eclâmpsia grave apresenta covulsão ou entra em coma. As convulsões ocorrem porque a pressão sobe muito e, em decorrência disso, diminui o fluxo de sangue que vai para o cérebro.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
5 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
6 Toxemia: Intoxicação resultante do acúmulo excessivo de toxinas endógenas ou exógenas no sangue, em virtude de insuficiência relativa ou absoluta dos órgãos excretores (rins, fígado, etc.).
7 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
8 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
9 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
10 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
11 Doenças mieloproliferativas: São desordens clonais de células estaminárias ( stem cells ) hematopoiéticas caracterizadas pela proliferação de uma ou de mais linhagens mieloides (granulocítica, eritroide e/ou megacariocítica) na medula óssea.
12 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
13 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
Gostou do artigo? Compartilhe!