Gostou do artigo? Compartilhe!

Pravastatina em gestações com alto risco de pré-eclâmpsia a termo não preveniu o parto com pré-eclâmpsia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Tomar uma estatina profilática durante o final da gravidez1 não ajudou as mulheres que esperavam reduzir o risco de pré-eclâmpsia2 a termo, descobriu um estudo randomizado3.

Uma incidência4 semelhante de parto com pré-eclâmpsia2 foi observada se grávidas de alto risco receberam terapia com pravastatina (de 35-37 semanas de gestação até o parto ou 41 semanas) ou placebo5 correspondente (14,6% vs 13,6%), relatou Kypros Nicolaides, MD, do Fetal Medicine Research Institute no King's College Hospital em Londres, e colaboradores no estudo STATIN.

Além disso, eles não observaram nenhuma interação entre o efeito da pravastatina, risco estimado de pré-eclâmpsia2, história de gravidez1 anterior, adesão e tratamento com aspirina, conforme observado no artigo publicado no periódico Circulation.

Assim, as grávidas permanecem sem uma intervenção profilática eficaz para reduzir a pré-eclâmpsia2 a termo na sequência destes resultados do STATIN. Em contraste, a pré-eclâmpsia2 pré-termo demonstrou ser reduzida com a terapia com aspirina.

Saiba mais sobre "Diferenças entre pré-eclâmpsia2 e eclâmpsia6", "Estatinas: prós e contras" e "Gravidez1 de risco: quando pode ocorrer".

“A justificativa para o uso de estatinas para a prevenção da pré-eclâmpsia2 é que esses medicamentos são eficazes na prevenção primária e secundária da mortalidade7 e morbidade8 em pessoas com doença cardiovascular, e tanto a pré-eclâmpsia2 quanto a doença cardiovascular são caracterizadas por disfunção endotelial e inflamação9, e compartilham muitos fatores de risco”, explicaram Nicolaides e sua equipe.

A triagem eficaz para pré-eclâmpsia2 a termo é fornecida por uma combinação de fatores maternos com medições de pressão arterial10 média, fator de crescimento placentário sérico e tirosina11 quinase-1 semelhante a fms solúvel em 35 a 37 semanas de gestação, com taxa de detecção de cerca de 75%, na taxa de triagem positiva de 10%. No entanto, não há intervenção conhecida para reduzir a incidência4 da doença.

Neste estudo multicêntrico, duplo-cego e controlado por placebo5, os pesquisadores distribuíram aleatoriamente 1.120 mulheres com gestações únicas em alto risco de pré-eclâmpsia2 a termo para receber pravastatina, na dose de 20 mg por dia, ou placebo5 de 35 a 37 semanas de gestação até o parto ou 41 semanas.

O desfecho primário foi o parto com pré-eclâmpsia2 a qualquer momento após a randomização. A análise foi realizada de acordo com a intenção de tratar.

Um total de 29 mulheres retirou o consentimento durante o ensaio. A pré-eclâmpsia2 ocorreu em 14,6% (80/548) participantes no grupo de pravastatina e em 13,6% (74/543) no grupo de placebo5.

Permitindo o efeito do risco no momento da triagem e no centro participante, a regressão de Cox de efeitos mistos não mostrou evidência de um efeito da pravastatina; razão de risco (estatina / placebo5) 1,08 (intervalo de confiança de 95%: 0,78, 1,49; p = 0,65).

Não houve evidência de interação entre o efeito da pravastatina, risco estimado de pré-eclâmpsia2, história de gravidez1 anterior, adesão e tratamento com aspirina.

Não houve diferença significativa entre os grupos na incidência4 de quaisquer resultados secundários, incluindo hipertensão12 gestacional, natimorto, descolamento, parto de recém-nascidos pequenos para a idade gestacional, morte neonatal ou morbidade8 neonatal.

Não houve diferença significativa entre os grupos nos efeitos do tratamento no fator de crescimento placentário sérico e nas concentrações de tirosina11 quinase-1 semelhante a fms solúvel 1 e 3 semanas após a randomização.

A adesão foi boa, com ingestão relatada de 80% ou mais do número necessário de comprimidos em 89% das participantes. Não houve diferenças significativas entre os grupos em resultados adversos neonatais ou outros eventos adversos.

O estudo concluiu, portanto, que a pravastatina em mulheres com alto risco de pré-eclâmpsia2 a termo não reduziu a incidência4 de parto com pré-eclâmpsia2.

Leia sobre "Parto a termo: o que é" e "Hipertensão12 da gravidez1".

 

Fontes:
Circulation, publicação em 24 de junho de 2021.
MedPage Today, notícia publicada em 24 de junho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Pravastatina em gestações com alto risco de pré-eclâmpsia a termo não preveniu o parto com pré-eclâmpsia. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1397940/pravastatina-em-gestacoes-com-alto-risco-de-pre-eclampsia-a-termo-nao-preveniu-o-parto-com-pre-eclampsia.htm>. Acesso em: 4 ago. 2021.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
3 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
6 Eclâmpsia: Ocorre quando a mulher com pré-eclâmpsia grave apresenta covulsão ou entra em coma. As convulsões ocorrem porque a pressão sobe muito e, em decorrência disso, diminui o fluxo de sangue que vai para o cérebro.
7 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
8 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
9 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
10 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
11 Tirosina: É um dos aminoácidos polares, sem carga elétrica, que compõem as proteínas, caracterizado pela cadeia lateral curta na qual está presente um anel aromático e um grupamento hidroxila.
12 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
Gostou do artigo? Compartilhe!