Gostou do artigo? Compartilhe!

Cientistas descobrem elementos metálicos biogênicos potencialmente perigosos no cérebro de pacientes com Alzheimer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Cientistas descobriram partículas de cobre e ferro nos cérebros de pacientes falecidos com Alzheimer1, uma descoberta que pode levar a novos tratamentos para a doença.

Em um artigo na revista Science Advances, pesquisadores da Keele University e da University of Warwick, no Reino Unido, encontraram vestígios das formas elementares de cobre e ferro na placa2 amiloide, depósitos de fragmentos3 de proteínas4 que se formam no cérebro5 de pacientes com Alzheimer1.

Leia sobre "Mal de Alzheimer1" e "Envelhecimento cerebral normal e patológico".

O cobre e o ferro são encontrados naturalmente no corpo humano6, mas geralmente estão na forma oxidada. Em uma forma elementar, os metais podem produzir átomos instáveis, que são prejudiciais ao cérebro5.

Neil Telling, professor de nanofísica biomédica da Keele University e um dos autores, disse que a descoberta foi “inesperada”.

Telling reconheceu que, até o momento, não se sabe se a presença de tais metais está ligada à doença de Alzheimer7 e que há muito mais para aprender sobre como o cérebro5 processa metais.

Mas ele também acrescentou: “Em última análise, esta linha de pesquisa pode levar a novos tratamentos que visam metais, bem como as proteínas4 amiloides atualmente em consideração.”

A química do cobre e do ferro desempenha um papel crítico no funcionamento normal do cérebro5. Uma variedade de enzimas e proteínas4 contendo Cu+, Cu2+, Fe2+ e Fe3+ carregados positivamente controlam processos-chave, catalisando o metabolismo8 oxidativo e a produção de neurotransmissores e neuropeptídeos.

No estudo, os pesquisadores relatam a descoberta de Cu0 metálico elementar (estado de oxidação zero) acompanhando o Fe0 elementar ferromagnético no cérebro5 humano.

Esses depósitos de biometal em nanoescala foram identificados dentro de núcleos de placa2 amiloide isolados de indivíduos com doença de Alzheimer7, usando espectromicroscopia de raios-X síncrotron.

As superfícies dos nanodepósitos de cobre e ferro metálicos são altamente reativas, com propriedades químicas e magnéticas distintas de suas contrapartes de óxido predominantes.

A descoberta de metais em sua forma elementar no cérebro5 levanta novas questões sobre sua geração e seu papel na neuroquímica, neurobiologia e etiologia9 das doenças neurodegenerativas.

Veja mais sobre "Doenças degenerativas10" e "Papel dos neurotransmissores no organismo".

 

Fontes:
Science Advances, Vol. 7, Nº 24, em 09 de junho de 2021.
Washington Examiner, notícia publicada em 10 de junho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Cientistas descobrem elementos metálicos biogênicos potencialmente perigosos no cérebro de pacientes com Alzheimer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1396720/cientistas-descobrem-elementos-metalicos-biogenicos-potencialmente-perigosos-no-cerebro-de-pacientes-com-alzheimer.htm>. Acesso em: 21 out. 2021.

Complementos

1 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
2 Placa: 1. Lesão achatada, semelhante à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
3 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
4 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
7 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
8 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
9 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
10 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
Gostou do artigo? Compartilhe!