Gostou do artigo? Compartilhe!

Intervenção psicológica sequencial durante redução gradual de antidepressivo pode ser uma estratégia eficaz para prevenir recaídas na depressão

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma intervenção psicológica pode ser uma alternativa à medicação antidepressiva?

A depressão recorre com frequência. Para prevenir recaídas, a medicação antidepressiva é frequentemente tomada em longo prazo.

A aplicação sequencial de uma intervenção psicológica durante a redução gradual da medicação antidepressiva pode ser uma alternativa ao uso de antidepressivos de longo prazo. No entanto, faltam evidências sobre quais pacientes podem se beneficiar da redução gradual da medicação antidepressiva enquanto recebem uma intervenção psicológica e quais devem continuar a terapia antidepressiva.

Uma metanálise de dados de pacientes individuais com mais poder e precisão do que ensaios clínicos1 randomizados individuais ou uma metanálise padrão é necessária.

Leia sobre "Depressão maior", "O que saber sobre antidepressivos" e "Conhecendo mais sobre as psicoterapias".

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA Psychiatry, foi comparar as associações entre o uso de uma intervenção psicológica durante e/ou após a redução gradual do antidepressivo versus o uso de antidepressivo sozinho no risco de recaída da depressão, e estimar as associações de fatores clínicos individuais com a recaída.

As bases de dados PubMed, Cochrane Library, Embase e PsycInfo foram pesquisadas ​​pela última vez em 23 de janeiro de 2021. Solicitações de dados de participantes individuais de ensaios clínicos1 randomizados (ECRs) incluídos foram enviadas.

Foram selecionados ensaios clínicos1 randomizados que compararam o uso de uma intervenção psicológica enquanto diminuindo a medicação antidepressiva com a monoterapia com antidepressivos. Os pacientes deveriam estar em remissão total ou parcial da depressão. Dois avaliadores independentes conduziram a triagem e a seleção dos estudos.

Dos 15.792 estudos selecionados, 236 artigos de texto completo foram recuperados e 4 ECRs que forneceram dados individuais dos participantes foram incluídos.

O principal desfecho foi o tempo para recaída e estado de recaída ao longo de 15 meses medido por meio de um avaliador cego usando uma entrevista clínica diagnóstica.

Os dados individuais de 714 participantes (idade média [DP], 49,2 [11,5] anos; 522 [73,1%] mulheres) de 4 ECRs que compararam terapia cognitiva2 preventiva ou terapia cognitiva2 baseada em atenção plena durante e/ou após a redução do antidepressivo versus monoterapia com antidepressivo estavam disponíveis.

A metanálise de efeitos aleatórios em dois estágios não encontrou nenhuma diferença significativa no tempo para recaída depressiva entre o uso de uma intervenção psicológica durante a redução gradual da medicação antidepressiva versus terapia antidepressiva sozinha (razão de risco [HR], 0,86; IC 95%, 0,60-1,23).

Idade mais jovem no início da depressão (HR, 0,98; IC 95%, 0,97-0,99), menor duração da remissão (HR, 0,99; IC 95%, 0,98-1,00) e níveis mais elevados de sintomas3 depressivos residuais na linha de base (HR, 1,07; IC 95%, 1,04-1,10) foram associados a um maior risco geral de recaída. Nenhum dos moderadores incluídos foi associado ao risco de recaída.

Os resultados desta metanálise de dados de participantes individuais sugerem que, independentemente dos fatores clínicos incluídos nestes estudos, a aplicação sequencial de uma intervenção psicológica durante e/ou após a redução gradual da medicação antidepressiva pode ser uma estratégia eficaz de prevenção de recaídas em vez do uso de antidepressivos a longo prazo.

Esses resultados podem ser usados ​​para informar a tomada de decisão compartilhada na prática clínica.

Veja mais sobre "Terapia cognitivo4 comportamental", "Atenção Plena ou Mindfulness" e "Uso excessivo de antidepressivos".

 

Fonte: JAMA Psychiatry, publicação em 19 de maio de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Intervenção psicológica sequencial durante redução gradual de antidepressivo pode ser uma estratégia eficaz para prevenir recaídas na depressão. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1395595/intervencao-psicologica-sequencial-durante-reducao-gradual-de-antidepressivo-pode-ser-uma-estrategia-eficaz-para-prevenir-recaidas-na-depressao.htm>. Acesso em: 19 set. 2021.

Complementos

1 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
2 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
Gostou do artigo? Compartilhe!