Gostou do artigo? Compartilhe!

Ricas memórias falsas de eventos autobiográficos podem ser revertidas, de acordo com estudo publicado na PNAS

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A memória humana é falível e maleável. Em ambientes forenses em particular, isso representa um desafio porque as pessoas podem se lembrar falsamente de eventos com implicações legais que nunca realmente aconteceram.

Apesar de uma necessidade urgente de soluções, no entanto, a pesquisa sobre se, e como, memórias autobiográficas falsas podem ser revertidas sob condições realistas (ou seja, usando estratégias de reversão que podem ser aplicadas em configurações do mundo real) é virtualmente inexistente.

O presente estudo, portanto, não apenas replica e estende demonstrações anteriores de falsas memórias, mas, crucialmente, documenta sua reversibilidade após o fato: empregando duas estratégias ecologicamente válidas, mostrou-se que memórias autobiográficas ricas, mas falsas, podem ser desfeitas em grande parte.

É importante ressaltar que a reversão era específica para memórias falsas (ou seja, não ocorreu para memórias verdadeiras).

Veja sobre "Como melhorar sua memória" e "Neurociência - o que ela estuda".

No estudo, publicado na revista Proccedings of the National Academy of Sciences, os pesquisadores relatam como falsas memórias de eventos autobiográficos podem criar enormes problemas em ambientes forenses (por exemplo, falsas acusações). Enquanto vários estudos conseguiram induzir memórias falsas em contextos de entrevista, neste estudo foi apresentada uma pesquisa que tenta reverter esse efeito (e, assim, reduzir o dano potencial) por meio de duas estratégias ecologicamente válidas.

Primeiro implantou-se com sucesso memórias falsas para dois eventos autobiográficos plausíveis (sugeridos pelos pais dos alunos, ao lado de dois eventos verdadeiros). Ao longo de três entrevistas repetidas, os participantes desenvolveram memórias falsas (medidas por codificação de última geração) dos eventos sugeridos sob condições minimamente sugestivas (27%) e ainda mais usando sugestão massiva (56%).

Em seguida, usou-se duas técnicas para reduzir o endosso da memória falsa, sensibilização da fonte (alertando os entrevistados para possíveis fontes externas das memórias, por exemplo, narrativas familiares) e sensibilização da memória falsa (levantando a possibilidade de memórias falsas serem inadvertidamente criadas em entrevistas de memória, entregues por um novo entrevistador).

Isso reverteu o acúmulo de falsa memória nas três primeiras entrevistas, retornando as taxas de falsa memória em ambas as condições de sugestão para os níveis de linha de base da primeira entrevista (ou seja, para ∼15% e ∼25%, respectivamente).

Em comparação, as verdadeiras memórias de eventos foram endossadas em um nível geral mais alto e menos afetadas pelas entrevistas repetidas ou pelas técnicas de sensibilização.

Em um acompanhamento de 1 ano (após as entrevistas originais e sessões de esclarecimentos), as taxas de falsa memória caíram ainda mais para 5%, e os participantes rejeitaram esmagadoramente os eventos falsos.

Uma forte implicação prática é que as memórias falsas podem ser substancialmente reduzidas por técnicas fáceis de implementar, sem causar danos colaterais às memórias verdadeiras.

Leia também sobre "Confusão mental", "Como exercitar o cérebro1" e "Quando a perda de memória não é normal".

 

Fonte: Proccedings of the National Academy of Sciences, publicação em 30 de março de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Ricas memórias falsas de eventos autobiográficos podem ser revertidas, de acordo com estudo publicado na PNAS. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1395455/ricas-memorias-falsas-de-eventos-autobiograficos-podem-ser-revertidas-de-acordo-com-estudo-publicado-na-pnas.htm>. Acesso em: 16 jun. 2021.

Complementos

1 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
Gostou do artigo? Compartilhe!