Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de polipílula diária (estatina mais anti-hipertensivos) mais aspirina levou a uma menor incidência de eventos cardiovasculares

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Apesar de décadas de pesquisas mostrando os benefícios de medicamentos preventivos, como estatinas e anti-hipertensivos, na prevenção de eventos cardiovasculares, muitos pacientes que poderiam se beneficiar de tais intervenções nos Estados Unidos e ao redor do mundo nunca os recebem.

“Temos terapias preventivas testadas e comprovadas que sabemos que podem ajudar a manter as pessoas livres de doenças cardiovasculares1 ou de eventos cardiovasculares recorrentes”, disse Daniel Muñoz, MD, Diretor Médico Executivo do Instituto Vascular2 e Cardíaco de Vanderbilt do Centro Médico da Universidade de Vanderbilt, em Nashville, nos Estados Unidos. “O desafio está na entrega dessas terapias comprovadas às pessoas e às populações que podem se beneficiar.”

Mas pesquisadores nos Estados Unidos e em todo o mundo estão explorando soluções inovadoras de baixo custo para esse desafio, buscando novas abordagens que possam expandir o acesso ao tratamento preventivo3 cardiovascular.

Durante as sessões científicas da American Heart Association, uma apresentação sobre os resultados do TIPS-3 (The International Polycap Study 3) mostrou que tomar uma polipílula diária consistindo de uma estatina e medicamentos anti-hipertensivos pode reduzir os eventos cardiovasculares em pacientes em risco em 20%.

Anteriormente, Muñoz e seus colegas haviam demonstrado efeitos benéficos de uma polipílula semelhante sobre a pressão arterial4 e o colesterol5 em uma população carente dos Estados Unidos.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares1", "Estatinas - prós e contras" e "Mecanismos de ação dos anti-hipertensivos".

Promessa da Polipílula

O ensaio TIPS-3 envolveu 5.713 participantes com risco cardiovascular elevado em 86 centros em 9 países e os randomizou para receber uma polipílula diária consistindo de 40 mg de sinvastatina, 100 mg de atenolol, 25 mg de hidroclorotiazida e 10 mg de ramipril ou placebo6. O ensaio também comparou os resultados de tomar aspirina em baixas doses ou vitamina7 D junto com a polipílula versus tomar a polipílula com um placebo6.

Os resultados, que foram publicados simultaneamente no The New England Journal of Medicine, mostraram que tomar a polipílula reduziu os níveis de lipoproteína de baixa densidade (LDL8) em 19 mg/dl9 e a pressão arterial sistólica10 em 5,8 mmHg em média em comparação com o placebo6.

Durante o período de acompanhamento de 4,6 anos, isso levou a cerca de 20% de redução nos eventos cardiovasculares no grupo da polipílula e cerca de 30% de redução em indivíduos que tomaram a polipílula junto com 75 mg de aspirina por dia em comparação com o placebo6.

“Se metade das pessoas que recebem uma polipílula a usam, podemos prevenir de 8 a 10 milhões de eventos cardiovasculares por ano em todo o mundo”, disse o autor principal Salim Yusuf, um distinto professor universitário de medicina da Universidade McMaster em Ontário, Canadá, em uma entrevista. “Especialmente para algo tão barato como isso, é um grande passo à frente da saúde11 pública.”

Yusuf disse que ele e seus colegas esperavam um benefício ainda maior, duas vezes maior do que encontraram. No entanto, as interrupções no fornecimento de medicamentos durante o ensaio – algumas como resultado da pandemia12 – deixaram alguns participantes sem seus medicamentos por longos períodos, explicou Yusuf.

O objetivo do estudo foi avaliar essa proposta de uma polipílula contendo estatinas, vários medicamentos para baixar a pressão arterial4 e aspirina para reduzir o risco de doenças cardiovasculares1.

Usando um design fatorial 2 por 2 por 2, os pesquisadores distribuíram aleatoriamente participantes sem doença cardiovascular que apresentavam um Escore de Risco INTERHEART elevado para receber uma polipílula (contendo 40 mg de sinvastatina, 100 mg de atenolol, 25 mg de hidroclorotiazida e 10 mg de ramipril) ou placebo6 diariamente, aspirina (75 mg) ou placebo6 diariamente e vitamina7 D ou placebo6 mensalmente.

Foram relatados os resultados para a polipílula sozinha em comparação com o placebo6 correspondente, para a aspirina sozinha em comparação com o placebo6 correspondente e para a polipílula mais aspirina em comparação com o placebo6 duplo.

Para as comparações de polipílula isolada e polipílula mais aspirina, o desfecho primário foi morte por causas cardiovasculares, infarto do miocárdio13, acidente vascular cerebral14, parada cardíaca ressuscitada, insuficiência cardíaca15 ou revascularização. Para a comparação da aspirina, o desfecho primário foi morte por causas cardiovasculares, infarto do miocárdio13 ou acidente vascular cerebral14. A segurança também foi avaliada.

Um total de 5.713 participantes foram submetidos à randomização, e o acompanhamento médio foi de 4,6 anos. O nível de colesterol5 da lipoproteína de baixa densidade (LDL8) foi inferior em aproximadamente 19 mg por decilitro e a pressão arterial sistólica10 foi inferior em aproximadamente 5,8 mmHg com a polipílula e com a terapia combinada16 do que com o placebo6.

O desfecho primário para a comparação da polipílula ocorreu em 126 participantes (4,4%) no grupo de polipílula e em 157 (5,5%) no grupo de placebo6 (razão de risco, 0,79; intervalo de confiança [IC] de 95%, 0,63 a 1,00).

O desfecho primário para a comparação da aspirina ocorreu em 116 participantes (4,1%) no grupo da aspirina e em 134 (4,7%) no grupo do placebo6 (razão de risco, 0,86; IC 95%, 0,67-1,10).

O desfecho primário para a comparação polipílula mais aspirina ocorreu em 59 participantes (4,1%) no grupo de tratamento combinado e em 83 (5,8%) no grupo de placebo6 duplo (razão de risco, 0,69; IC de 95%, 0,50 a 0,97).

A incidência17 de hipotensão18 ou tontura19 foi maior nos grupos que receberam a polipílula do que em seus respectivos grupos de placebo6.

O estudo concluiu assim que o tratamento combinado com uma polipílula mais aspirina levou a uma menor incidência17 de eventos cardiovasculares do que o placebo6 entre os participantes sem doença cardiovascular que apresentavam risco cardiovascular intermediário.

Muñoz reconheceu que o uso de uma intervenção em nível populacional, como uma polipílula, pode ser visto como contrário ao cuidado individualizado, mas disse que não acha que os dois sejam "mutuamente exclusivos".

“O que a polipílula potencialmente representa é uma tática que fornece, no nível da população, a base da redução de risco, mas certamente não restringe ou proíbe a estratificação nas abordagens da medicina de precisão”, disse ele. “Idealmente, as duas abordagens funcionam juntas, em oposição a abordagens que competem entre si.”

Yusuf enfatizou que uma polipílula de baixo custo pode ser uma ferramenta valiosa em todo o mundo, tanto em países ricos quanto em países com poucos recursos, onde muitos indivíduos com risco cardiovascular elevado atualmente não recebem tratamento adequado.

“Parece bastante óbvio que essa estratégia deva realmente ser valiosa em todo o mundo”, disse Yusuf.

Veja também sobre "Hipertensão Arterial20", "Como reduzir os níveis de colesterol5 LDL8" e "Sete passos para um coração21 saudável".

 

Fontes:
The New England Journal of Medicine, publicação em 21 de janeiro de 2021.
Circulation, notícia publicada em 19 de abril de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Uso de polipílula diária (estatina mais anti-hipertensivos) mais aspirina levou a uma menor incidência de eventos cardiovasculares. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1393080/uso-de-polipilula-diaria-estatina-mais-anti-hipertensivos-mais-aspirina-levou-a-uma-menor-incidencia-de-eventos-cardiovasculares.htm>. Acesso em: 21 set. 2021.

Complementos

1 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
2 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
3 Preventivo: 1. Aquilo que previne ou que é executado por medida de segurança; profilático. 2. Na medicina, é qualquer exame ou grupo de exames que têm por objetivo descobrir precocemente lesão suscetível de evolução ameaçadora da vida, como as lesões malignas. 3. Em ginecologia, é o exame ou conjunto de exames que visa surpreender a presença de lesão potencialmente maligna, ou maligna em estágio inicial, especialmente do colo do útero.
4 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
5 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
6 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
7 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
8 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
9 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
10 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
11 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
12 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
13 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
14 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
15 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
16 Terapia combinada: Uso de medicações diferentes ao mesmo tempo (agentes hipoglicemiantes orais ou um agente hipoglicemiante oral e insulina, por exemplo) para administrar os níveis de glicose sangüínea em pessoas com diabetes tipo 2.
17 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
18 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
19 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
20 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
21 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!