Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento com inositol inibe o meduloblastoma por meio da supressão da adaptação metabólica impulsionada pela epigenética

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Cientistas da Queen Mary University of London, financiados pela instituição de caridade Brain Tumor1 Research, descobriram uma nova maneira de privar as células2 cancerosas do cérebro3 de energia para evitar um maior crescimento.

A pesquisa pré-clínica em amostras de tecido4 humano, linhagens de células2 humanas e camundongos pode levar a mudanças na forma como algumas crianças com meduloblastoma serão tratadas no futuro, se os resultados forem confirmados em ensaios clínicos5 em humanos.

O meduloblastoma é o tumor1 cerebral pediátrico maligno mais comum. A pesquisa, publicada na revista Nature Communications, analisa o hexafosfato de inositol (IP6), um composto de ocorrência natural presente em quase todas as plantas e animais, e mostrou como ele inibe o meduloblastoma e pode ser combinado com a quimioterapia6 para matar as células2 tumorais.

Leia sobre "Câncer7 infantil" e "Tumores cerebrais".

A pesquisadora principal, professora Silvia Marino, do Centro de Excelência em Pesquisa de Tumor1 Cerebral da Queen Mary University of London, disse: “O meduloblastoma ocorre em quatro subgrupos distintos (WNT, SHH, G3 e G4). Apesar de nosso crescente conhecimento das diferenças moleculares entre esses subgrupos, as opções atuais são cirurgia junto com radioterapia8 e/ou quimioterapia6 para todos os pacientes. Precisamos desesperadamente entender os principais eventos moleculares que impulsionam o crescimento do tumor1 em cada subgrupo para projetar novos tratamentos direcionados menos tóxicos.”

“O meduloblastoma G4 é o menos compreendido de todos os subgrupos, apesar de ser o mais comum e associado a mau prognóstico9. Identificamos uma nova maneira de este tipo de meduloblastoma ser capaz de se adaptar ao seu metabolismo10 e crescer de forma descontrolada. De forma significativa, também mostramos como esse suprimento de energia pode ser bloqueado. Esses resultados empolgantes trazem esperança de desenvolver novos tratamentos direcionados para pacientes11 com esse agressivo tumor1 cerebral pediátrico.”

As células2 normais são capazes de ligar e desligar genes específicos conforme necessário para controlar seu crescimento. Conhecido como epigenética, esse processo pode ser interrompido no câncer7, levando à superprodução de proteínas12 específicas que contribuem para o desenvolvimento e crescimento de um tumor1.

Já se sabe que alterações epigenéticas podem contribuir para o desenvolvimento do meduloblastoma. Além disso, uma proteína envolvida neste processo – conhecida como BMI1 – é encontrada em níveis elevados em uma ampla gama de cânceres, incluindo tumores cerebrais. No meduloblastoma, níveis elevados são encontrados no subgrupo G4, onde sustenta o crescimento do tumor1.

A equipe da professora Marino já havia demonstrado que, além de altos níveis de BMI1, as células2 de meduloblastoma G4 também carecem de uma proteína chamada CHD7. Acredita-se que essa combinação de alterações, ou assinatura, contribua para o desenvolvimento do meduloblastoma G4.

A desregulação dos modificadores da cromatina13 desempenha um papel essencial na patogênese14 do meduloblastoma. No estudo, foi identificada uma sensibilidade dependente da BMI1 para desregulação do metabolismo10 do inositol em uma proporção de meduloblastoma.

Foi demonstrada a ativação da via mTOR e a adaptação metabólica especificamente no meduloblastoma do subgrupo molecular G4 caracterizado por uma assinatura BMI1 Alto; CHD7 Baixo, e mostrou-se que isso pode ser neutralizado pelo tratamento com IP6.

Finalmente, os pesquisadores demonstraram que o IP6 tem sinergia com a cisplatina para aumentar sua citotoxicidade in vitro e estende a sobrevida15 em um modelo de xenoenxerto pré-clínico com BMI1 Alto; CHD7Baixo.

Hugh Adams, chefe de relações com as partes interessadas da Brain Tumor1 Research disse: “Esses resultados muito interessantes revelam uma nova maneira para a epigenética controlar o metabolismo10 dentro das células2 tumorais. Os ensaios clínicos5 agora são necessários para testar a capacidade de combinar IP6 com quimioterapia6 para tratar o meduloblastoma G4, oferecendo promessa a um grupo particularmente vulnerável de pacientes. É uma ótima notícia e traz uma esperança muito necessária para o futuro. Ainda há um caminho a percorrer, mas esperamos que um ensaio clínico possa estar pronto e funcionando em um futuro próximo.”

Veja também sobre "Quimioterapia6", "Radioterapia8" e "Câncer7 - informações importantes".

 

Fontes:
Nature Communications, publicação em 12 de abril de 2021.
Medical Xpress, notícia publicada em 12 de abril de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Tratamento com inositol inibe o meduloblastoma por meio da supressão da adaptação metabólica impulsionada pela epigenética. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1392510/tratamento-com-inositol-inibe-o-meduloblastoma-por-meio-da-supressao-da-adaptacao-metabolica-impulsionada-pela-epigenetica.htm>. Acesso em: 13 mai. 2021.

Complementos

1 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
4 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
5 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
6 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
8 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
9 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
10 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
11 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
12 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
13 Cromatina: Também conhecida como cariotina. É a substância constituinte do cromossomo da célula eucarionte e composta de ADN, ARN e proteínas.
14 Patogênese: Modo de origem ou de evolução de qualquer processo mórbido; nosogenia, patogênese, patogenesia.
15 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
Gostou do artigo? Compartilhe!