Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo fornece suporte para uma intervenção alimentar direcionada à microbiota para crianças desnutridas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Mais de 30 milhões de crianças em todo o mundo sofrem de desnutrição1 aguda moderada. Os tratamentos atuais têm eficácia limitada e muito permanece desconhecido sobre a patogênese2 dessa condição. Crianças com desnutrição1 aguda moderada têm desenvolvimento perturbado de sua microbiota3 intestinal.

Leia sobre "Desnutrição1", "Alimentação infantil: orientações para o primeiro ano de vida" e "Microbioma4 intestinal humano".

Neste estudo, publicado pelo The New England Journal of Medicine, os pesquisadores fornecem um protótipo de alimento complementar direcionado à microbiota3 (ACDM-2) ou um alimento suplementar pronto para uso (ASPU) para 123 crianças moradoras de favelas de Bangladesh com desnutrição1 aguda moderada entre as idades de 12 meses e 18 meses.

A suplementação5 foi dada duas vezes ao dia durante 3 meses, seguida de 1 mês de monitoramento. Foram obtidos escores Z de peso para comprimento, peso para idade e de comprimento para idade e valores de circunferência do braço no início do estudo e a cada duas semanas durante o período de intervenção e aos 4 meses.

Comparou-se a taxa de mudança desses fenótipos relacionados entre a linha de base e 3 meses e entre a linha de base e 4 meses. Também foram medidos os níveis de 4.977 proteínas6 no plasma7 e 209 táxons bacterianos em amostras fecais.

Um total de 118 crianças (59 em cada grupo de estudo) completaram a intervenção. As taxas de mudança nos escores Z de peso para comprimento e peso para idade são consistentes com um benefício do ACDM-2 para o crescimento ao longo do estudo, incluindo o acompanhamento de um mês.

O recebimento de ACDM-2 foi relacionado à magnitude da mudança nos níveis de 70 proteínas6 plasmáticas e de 21 táxons bacterianos associados que foram positivamente correlacionados com o escore Z de peso por comprimento (P <0,001 para comparações de ambos proteínas6 e táxons bacterianos). Essas proteínas6 incluíam mediadores de crescimento ósseo e neurodesenvolvimento.

Essas descobertas fornecem suporte para o alimento complementar direcionado à microbiota3 como um suplemento dietético para crianças com desnutrição1 aguda moderada e fornecem informações sobre os mecanismos pelos quais esta manipulação direcionada de componentes da microbiota3 pode estar ligada ao crescimento.

Veja também sobre "Crescimento infantil8", "Desenvolvimento infantil" e "Meu filho está fora do peso ideal - o que fazer".

 

Fonte: NEJM, publicação em 22 de abril de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Estudo fornece suporte para uma intervenção alimentar direcionada à microbiota para crianças desnutridas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1392390/estudo-fornece-suporte-para-uma-intervencao-alimentar-direcionada-a-microbiota-para-criancas-desnutridas.htm>. Acesso em: 15 mai. 2021.

Complementos

1 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.
2 Patogênese: Modo de origem ou de evolução de qualquer processo mórbido; nosogenia, patogênese, patogenesia.
3 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
4 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
5 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
6 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
7 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
8 Crescimento Infantil: Aumento na estrutura do corpo, tendo em vista a multiplicação e o aumento do tamanho das células. Controla-se principalmente o peso corporal, a estatura e o perímetro cefálico, com o objetivo de saber o quanto a criança ganhou ou perdeu em determinados intervalos de tempo e tendo por base um acompanhamento a longo prazo, através de anotações em gráficos ou curvas de crescimento. O pediatra precisa conhecer e analisar vários fatores referentes à criança e a sua família, como o peso e a altura dos pais, o padrão de crescimento deles, os dados da gestação, o peso e a estatura ao nascimento e a alimentação do bebê para avaliar a situação do crescimento de determinada criança. Não é simplesmente consultar gráficos. Somente o médico da criança pode avaliar seu crescimento. Uma criança pode estar fora da “faixa mais comum de referência“ e, ainda assim, ter um crescimento normal.
Gostou do artigo? Compartilhe!