Gostou do artigo? Compartilhe!

Aumento da atividade física atenua a vulnerabilidade ao declínio cognitivo precoce em pacientes com doença de Parkinson

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notcia

O exercício pode ajudar a prevenir o declínio cognitivo1 em pacientes de alto risco com doença de Parkinson2 (DP) inicial, sugere uma nova pesquisa.

Os investigadores descobriram que os pacientes com DP que eram portadores do alelo3 APOE ε4 tinham maior declínio cognitivo1 em comparação com os não portadores de APOE ε4, mas os resultados também revelaram que a atividade física mais elevada parecia retardar o declínio cognitivo1 neste grupo de maior risco.

“A principal descoberta do estudo atual é que a atividade física mais elevada estava relacionada ao declínio cognitivo1 associado ao APOE ε4 mais lento em pacientes com DP inicial, descoberta essa que se mostrou robusta nas análises de sensibilidade”, os pesquisadores, liderados por Ryul Kim, MD, Inha University Hospital, Coreia, escrevem.

O alelo3 APOE ε4 é conhecido por ser um “fator de risco principal” para a doença de Alzheimer4, mas “evidências acumuladas mostram que este alelo3 também tem um papel potencial no comprometimento cognitivo1 na DP”, observam os autores.

Saiba mais sobre "Doença ou Mal de Parkinson", "Doenças degenerativas5" e "Atividade física - um hábito adquirido com prazer".

O objetivo da pesquisa, publicada online na revista Neurology, foi determinar se uma maior atividade física poderia modificar a associação negativa de APOE ε4 com mudanças cognitivas longitudinais no início da doença de Parkinson2, e descobrir o mecanismo específico da doença para explicar tais benefícios da atividade física.

Os pesquisadores usaram dados da coorte6 da Iniciativa de Marcadores de Progressão de Parkinson. Como a atividade física autorreferida, medida pela Escala de Atividade Física do Idoso, foi iniciada 2 anos após a inscrição, esta análise longitudinal foi baseada em avaliações realizadas nos anos 2, 3 e 4.

A função cognitiva7 foi medida anualmente com o Montreal Cognitive Assessment (MoCA). A imagem do transportador de dopamina8 (DAT) foi realizada nos anos 2 e 4. Avaliou-se as associações interativas entre a atividade física e o alelo3 APOE ε4 nas mudanças longitudinais nos escores MoCA e nas atividades do DAT estriatal.

Um total de 173 pacientes com DP precoce (idade 63,3 ± 10,0 anos; 27% portadores de APOE ε4) foram incluídos.

O alelo3 APOE ε4 mostrou uma taxa mais acentuada de declínio cognitivo1 do que o alelo3 não APOE ε4 (estimativa -1,33; IC 95%, -2,12 a -0,47; p = 0,002). No entanto, houve uma interação significativa entre atividade física e APOE ε4, de forma que maior atividade física foi relacionada ao declínio cognitivo1 relacionado ao APOE ε4 mais lento (estimativa de 0,007; IC 95%, 0,003 a 0,011; p = 0,001).

Nenhuma interação significativa foi encontrada entre a atividade física e o alelo3 APOE ε4 em relação à mudança nas atividades do DAT estriatal.

O estudo concluiu que o aumento da atividade física atenuou a vulnerabilidade relacionada ao APOE ε4 ao declínio cognitivo1 precoce em pacientes com doença de Parkinson2. Este efeito protetor não pareceu ser mediado pela função dopaminérgica estriatal.

Este estudo fornece evidências de Classe II de que o aumento da atividade física foi associado à diminuição do declínio cognitivo1 precoce relacionado ao APOE ε4 em pacientes com doença de Parkinson2.

Leia sobre "10 sinais9 precoces da doença de Parkinson2" e "Benefícios da musculação para idosos".

 

Fontes:
Neurology, publicação em 31 de março de 2021.
Medscape, notícia publicada em 06 de abril de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Aumento da atividade física atenua a vulnerabilidade ao declínio cognitivo precoce em pacientes com doença de Parkinson. Disponvel em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1392365/aumento-da-atividade-fisica-atenua-a-vulnerabilidade-ao-declinio-cognitivo-precoce-em-pacientes-com-doenca-de-parkinson.htm>. Acesso em: 13 mai. 2021.

Complementos

1 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
2 Doença de Parkinson: Doença degenerativa que afeta uma região específica do cérebro (gânglios da base), e caracteriza-se por tremores em repouso, rigidez ao realizar movimentos, falta de expressão facial e, em casos avançados, demência. Os sintomas podem ser aliviados por medicamentos adequados, mas ainda não se conhece, até o momento, uma cura definitiva.
3 Alelo: 1. Que ocupa os mesmos loci (locais) nos cromossomos (diz-se de gene). 2. Em genética, é cada uma das formas que um gene pode apresentar e que determina características diferentes.
4 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
5 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
6 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
7 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
8 Dopamina: É um mediador químico presente nas glândulas suprarrenais, indispensável para a atividade normal do cérebro.
9 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
Gostou do artigo? Compartilhe!