Gostou do artigo? Compartilhe!

Alguns padrões de mudança de peso materno desde a pré-gravidez até 18 meses após o parto podem aumentar risco subsequente de hipertensão e doença cardiovascular

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um quarto das mulheres experimenta peso substancialmente maior anos após o parto. Esta pesquisa, publicada pela PLOS Medicine, examinou a mudança de peso desde a pré-gravidez1 até 18 meses após o parto e sua relação com o risco materno subsequente de hipertensão2 e doença cardiovascular (DCV).

Foi conduzido um estudo de coorte3 de 47.966 mulheres com filho único nascido vivo dentro da Coorte4 Nacional de Nascimentos da Dinamarca (DNBC; 1997–2002). Entrevistas durante a gravidez1 e 6 e 18 meses pós-parto forneceram informações sobre altura, ganho de peso gestacional (GPG), peso pós-parto e características maternas. Informações sobre complicações na gravidez1, hipertensão2 incidente5 e DCV foram obtidas no Registro Nacional de Pacientes.

Usando a regressão de Cox, estimou-se as razões de risco ajustadas (HRs; intervalo de confiança [IC] de 95%) para hipertensão2 e DCV ao longo de 16 anos de acompanhamento.

Saiba mais sobre "Doenças cardiovasculares6" e "Protocolo sobre recomendação de ganho de peso durante a gestação".

Nesse período, 2.011 mulheres foram diagnosticadas no hospital com hipertensão2 e 1.321 com DCV. As mulheres tinham em média 32,3 anos (variação de 18,0-49,2) no início do acompanhamento, 73% tinham um IMC7 pré-gestacional <25 e 27% um IMC7 pré-gestacional ≥25.

Em comparação com um peso estável (± 1 unidade de IMC7), os ganhos de peso da pré-gravidez1 até 18 meses após o parto de >1 a 2 unidades de IMC7 e de >2 unidades de IMC7 foram associados com riscos de hipertensão2 25% (10% - 42%, P = 0,001) e 31% (14% - 52%, P <0,001) maiores, respectivamente.

Esses riscos foram semelhantes se o ganho de peso apresentou retenção de peso pós-parto ou um novo ganho de 6 meses a 18 meses após o parto e se o GPG estava abaixo, dentro ou acima das recomendações.

Para DCV, os resultados diferiram de acordo com o IMC7 pré-gestacional. Em mulheres com peso normal / baixo, o ganho de peso de >2 unidades de IMC7 e a perda de peso >1 unidade de IMC7 foram associados a riscos de DCV 48% (17% - 87%, P = 0,001) e 28% (6% - 55%, P = 0,01) maiores, respectivamente.

Além disso, a perda de peso >1 unidade de IMC7 combinada com um GPG abaixo do recomendado foi associada a risco de DCV 70% (24% - 135%, P = 0,001) maior.

Esses riscos aumentados não foram observados entre mulheres com sobrepeso8 / obesidade9.

As limitações deste estudo observacional incluem confusão potencial pela saúde10 metabólica na pré-gravidez1 e pesos maternos autorrelatados, o que pode levar a alguns erros de classificação.

O estudo concluiu que a retenção de peso pós-parto ou novo ganho de peso em todas as mães e a perda de peso pós-parto em mães com peso normal ou abaixo do normal podem estar associados à saúde10 cardiovascular adversa posterior.

Leia sobre "Gestação semana a semana", "Sete passos para um coração11 saudável" e "Hipertensão Arterial12".

 

Fonte: PLOS Medicine, publicação em 02 de abril de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Alguns padrões de mudança de peso materno desde a pré-gravidez até 18 meses após o parto podem aumentar risco subsequente de hipertensão e doença cardiovascular. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1392010/alguns-padroes-de-mudanca-de-peso-materno-desde-a-pre-gravidez-ate-18-meses-apos-o-parto-podem-aumentar-risco-subsequente-de-hipertensao-e-doenca-cardiovascular.htm>. Acesso em: 15 mai. 2021.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
5 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
6 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
7 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
8 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
9 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
10 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
11 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
12 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
Gostou do artigo? Compartilhe!