Gostou do artigo? Compartilhe!

Em pacientes com câncer, a obesidade está associada ao aumento da mortalidade geral e específica por câncer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A obesidade1 está associada a um melhor prognóstico2 em pacientes com câncer3?

A obesidade1, definida como um índice de massa corporal4 (IMC5) superior a 30, está associada a um aumento significativo no risco de muitos cânceres e na mortalidade6 geral. No entanto, vários estudos sugeriram que pacientes com câncer3 e sem obesidade1 (ou seja, IMC5 20-25) têm resultados piores do que pacientes com obesidade1.

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA Network Open, foi avaliar a associação entre obesidade1 e desfechos após o diagnóstico7 de câncer3.

Saiba mais sobre "Câncer3 - informações importantes", "Obesidade1" e "Como calcular o seu peso ideal".

As bases de dados PubMed, Cochrane Library e EMBASE foram pesquisadas ​​desde o início até janeiro de 2020.

Estudos relatando prognóstico2 de pacientes com obesidade1 usando categorias padrão de IMC5 e câncer3 foram incluídos. Foram excluídos os estudos que utilizaram categorias de IMC5 não padronizadas, que se limitaram a crianças ou que se limitaram a pacientes com neoplasias8 malignas hematológicas. A triagem foi realizada de forma independente por vários revisores. Entre 1.892 estudos recuperados, 203 (17%) preencheram os critérios de inclusão para avaliação inicial.

As diretrizes de relatório Metanálise de Estudos Observacionais em Epidemiologia (MOOSE) e Itens de Relatório Preferidos para Revisões Sistemáticas e Metanálises (PRISMA) foram seguidas. Os dados foram extraídos por vários revisores independentes.

Risco de morte, mortalidade6 específica por câncer3 e recorrência9 foram agrupados para fornecer uma razão de risco ajustada (HR) com um IC de 95%. Um modelo de efeitos aleatórios foi usado para a natureza retrospectiva dos estudos.

O desfecho primário do estudo foi a sobrevida10 global (SG) em pacientes com câncer3, com e sem obesidade1. Os desfechos secundários foram a sobrevida10 específica do câncer3 (SEC) e a sobrevida10 livre de progressão (SLP) ou a sobrevida10 livre de doença (SLD). O risco de eventos foi relatado como HRs com IC de 95%, com um HR maior que 1 associado a um pior resultado entre os pacientes com obesidade1 versus aqueles sem.

Um total de 203 estudos com 6.320.365 participantes avaliaram a associação de SG, SEC e/ou SLP ou SLD com obesidade1 em pacientes com câncer3.

No geral, a obesidade1 foi associada a uma sobrevida10 global reduzida (HR, 1,14; IC de 95%, 1,09-1,19; P <0,001), bem como sobrevida10 específica do câncer3 reduzida (HR, 1,17; IC de 95%, 1,12-1,23; P <0,001). Os pacientes também apresentavam risco aumentado de recorrência9 (HR, 1,13; IC de 95%, 1,07-1,19; P <0,001).

Por outro lado, pacientes com obesidade1 e câncer3 de pulmão11, carcinoma12 de células13 renais ou melanoma14 tiveram melhores resultados de sobrevivência15 em comparação com pacientes sem obesidade1 e o mesmo câncer3 (pulmão11: HR, 0,86; IC 95%, 0,76-0,98; P = 0,02; células13 renais: HR, 0,74; IC 95%, 0,53-0,89; P = 0,02; melanoma14: HR, 0,74; IC 95%, 0,57-0,96; P <0,001).

Neste estudo, a obesidade1 foi associada a uma maior mortalidade6 geral em pacientes com câncer3, bem como maior mortalidade6 específica por câncer3, especialmente entre pacientes com câncer3 de mama16, cólon17 e útero18.

No entanto, pacientes com obesidade1 e câncer3 de pulmão11, carcinoma12 de células13 renais e melanoma14 tiveram um risco menor de morte do que pacientes com os mesmos cânceres sem obesidade1.

Essas descobertas sugerem que os resultados de sobrevivência15 são pobres entre pacientes com obesidade1 e câncer3, e estratégias de redução de peso podem representar medidas eficazes para reduzir a mortalidade6 nesses pacientes.

Leia sobre "O que fazer para prevenir o câncer3", "Tratando a obesidade1" e "Cálculo19 do IMC5".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 29 de março de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Em pacientes com câncer, a obesidade está associada ao aumento da mortalidade geral e específica por câncer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1391820/em-pacientes-com-cancer-a-obesidade-esta-associada-ao-aumento-da-mortalidade-geral-e-especifica-por-cancer.htm>. Acesso em: 15 mai. 2021.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
5 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
7 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
8 Neoplasias: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
9 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
10 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
11 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
12 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
13 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
14 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
15 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
16 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
17 Cólon:
18 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
19 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!