Gostou do artigo? Compartilhe!

Citorredução secundária seguida de quimioterapia no câncer de ovário recidivante sensível à platina melhora a sobrevida livre de progressão da doença

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os benefícios da citorredução secundária para o câncer1 de ovário2 recidivante3 sensível à platina ainda são amplamente debatidos. O objetivo desse estudo, publicado pelo The Lancet Oncology, foi avaliar a eficácia da citorredução secundária mais quimioterapia4 versus quimioterapia4 isolada nesta população de pacientes.

Este ensaio multicêntrico, aberto, randomizado5, controlado, de fase 3 (SOC-1), foi realizado em quatro centros acadêmicos na China (dois em Xangai, um em Hangzhou e um em Guangzhou). As pacientes elegíveis eram mulheres com 18 anos ou mais com câncer1 epitelial de ovário2 recidivante3 sensível à platina, com um intervalo sem platina de pelo menos 6 meses após o final da quimioterapia4 à base de platina de primeira linha, e que eram previstas de ter doença potencialmente ressecável de acordo com pontuação do modelo internacional (iMODEL) e imagens de PET-CT.

A pontuação do iMODEL foi calculada usando seis variáveis: estágio da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia, doença residual após a cirurgia primária, intervalo sem platina, status de desempenho do Eastern Cooperative Oncology Group, nível sérico do antígeno6 do câncer1 125 (antígeno6 CA-125) na recorrência7 e presença de ascite8 na recorrência7.

Uma pontuação do iMODEL de 4,7 ou inferior previu uma ressecção potencialmente completa. De acordo com uma emenda ao protocolo, as pacientes com um escore iMODEL de mais de 4,7 só poderiam ser incluídas se o nível sérico do antígeno6 CA-125 fosse maior que 105 U/mL, mas os investigadores principais avaliaram se a doença seria ressecável por PET- CT.

Leia sobre "Câncer1 de ovário2" e "Quimioterapia4 - o que é".

As participantes elegíveis foram designadas aleatoriamente (1:1) por meio de um desenho de bloco permutado (tamanho do bloco de seis) e estratificadas por centro de estudo, pontuação iMODEL, doença residual na cirurgia primária e inscrição no ensaio Shanghai Gynecologic Oncology Group SUNNY, para submeterem-se à cirurgia citorredutora secundária seguida de quimioterapia4 intravenosa (seis ciclos de 3 semanas de paclitaxel intravenoso [175 mg/m²] ou docetaxel [75 mg/m²] combinada com carboplatina intravenosa [área sob a curva de 5 mg/mL por min]; grupo de cirurgia) ou quimioterapia4 intravenosa isolada (grupo sem cirurgia).

Os desfechos primários foram a sobrevida9 livre de progressão e a sobrevida9 global, analisadas em todas as participantes designadas aleatoriamente para o tratamento, independentemente do tratamento recebido (população com intenção de tratar [IDT]). Aqui, relata-se a análise final da sobrevida9 livre de progressão e a análise provisória pré-especificada de sobrevida9 global.

A segurança foi avaliada em todas as participantes que receberam o tratamento designado e tinham dados de eventos adversos disponíveis.

Entre 19 de julho de 2012 e 3 de junho de 2019, 357 pacientes foram recrutadas e atribuídas aleatoriamente ao grupo de cirurgia (182) ou ao grupo sem cirurgia (175; população IDT). O acompanhamento médio foi de 36,0 meses (IQR 18,1-58,3).

No grupo sem cirurgia, 11 (6%) das 175 participantes tiveram citorredução secundária durante a terapia de segunda linha, enquanto 48 (37%) das 130 participantes que tiveram progressão da doença foram cruzadas e se submeteram à cirurgia em uma recorrência7 subsequente.

A sobrevida9 média livre de progressão foi de 17,4 meses (IC 95% 15,0-19,8) no grupo de cirurgia e 11,9 meses (10,0-13,8) no grupo sem cirurgia (razão de risco [HR] 0,58; IC de 95% 0,45–0,74; p <0,0001).

Na análise intermediária de sobrevida9 global, a sobrevida9 global média foi de 58,1 meses (IC de 95% não estimável a não estimável) no grupo de cirurgia e 53,9 meses (42,2-65,5) no grupo sem cirurgia (HR 0,82, IC de 95% 0,57-1,19).

Na população de segurança, nove (5%) das 172 pacientes no grupo de cirurgia apresentaram morbidade10 cirúrgica de grau 3-4 em 30 dias, e nenhuma paciente em nenhum dos grupos morreu 60 dias após receber o tratamento designado.

Os eventos adversos de grau 3-4 mais comuns durante a quimioterapia4 foram neutropenia11 (29 [17%] de 166 pacientes no grupo de cirurgia vs 19 [12%] de 156 pacientes no grupo sem cirurgia), leucopenia12 (14 [8%] vs 8 [5%]) e anemia13 (10 [6%] vs 9 [6%]). Quatro eventos adversos graves ocorreram, todos no grupo de cirurgia. Nenhuma morte relacionada ao tratamento ocorreu em nenhum dos grupos.

O estudo concluiu que a citorredução secundária seguida de quimioterapia4 foi associada a uma sobrevida9 livre de progressão da doença significativamente mais longa do que a quimioterapia4 isolada em pacientes com câncer1 de ovário2 recidivante3 sensível à platina, e as pacientes devem ser orientadas sobre a opção de citorredução secundária em centros especializados. Os resultados de sobrevida9 em longo prazo serão avaliados usando dados maduros sobre a sobrevida9 global.

Veja também: "É possível acabar com o câncer1?", "Riscos e benefícios da retirada dos ovários14" e "O que saber sobre os cistos ovarianos".

 

Fonte: The Lancet Oncology, Vol. 122, Nº 4, em 01 de abril de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Citorredução secundária seguida de quimioterapia no câncer de ovário recidivante sensível à platina melhora a sobrevida livre de progressão da doença. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1391710/citorreducao-secundaria-seguida-de-quimioterapia-no-cancer-de-ovario-recidivante-sensivel-a-platina-melhora-a-sobrevida-livre-de-progressao-da-doenca.htm>. Acesso em: 22 out. 2021.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
3 Recidivante: Característica da doença que recidiva, que acontece de forma recorrente ou repetitiva.
4 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
5 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
6 Antígeno: 1. Partícula ou molécula capaz de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substância que, introduzida no organismo, provoca a formação de anticorpo.
7 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
8 Ascite: Acúmulo anormal de líquido na cavidade peritoneal. Pode estar associada a diferentes doenças como cirrose, insuficiência cardíaca, câncer de ovário, esquistossomose, etc.
9 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
10 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
11 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
12 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
13 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
14 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
Gostou do artigo? Compartilhe!