Gostou do artigo? Compartilhe!

Adicionar icosapent ethyl à terapia com estatinas reduz o risco de AVC em 36%, conclui estudo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A última análise do ensaio REDUCE-IT sugere que a adição de icosapent ethyl (Vascepa) aos algoritmos de tratamento que já incluíam estatinas poderia reduzir ainda mais o risco de acidente vascular cerebral1.

Os resultados da análise, que foram apresentados na International Stroke Conference (ISC) 2021 da American Stroke Association, e publicados no periódico Stroke, indicam que os pacientes com triglicerídeos aumentados recebendo icosapent ethyl além da terapia com estatinas reduziram o risco de AVC isquêmico2 em mais 36%.

“Icosapent ethyl é uma nova maneira de reduzir ainda mais o risco de acidente vascular cerebral1 em pacientes com aterosclerose3 ou que estão em alto risco de acidente vascular cerebral1, que têm níveis elevados de triglicerídeos e já estão tomando estatinas”, disse Deepak L. Bhatt, MD, autor principal do estudo e diretor executivo de programas cardiovasculares intervencionistas no Brigham and Women's Hospital Heart & Vascular4 Center, em Boston, em um comunicado.

Saiba mais sobre "Acidente vascular cerebral1", "Estatinas - prós e contras" e "Doenças cerebrovasculares".

Em pacientes com risco cardiovascular elevado, as estatinas reduzem a ocorrência de acidente vascular cerebral1 isquêmico2. No entanto, o risco residual de AVC persiste.

O REDUCE-IT, um estudo multinacional duplo-cego, randomizou 8.179 pacientes tratados com estatinas, com colesterol5 de lipoproteína de baixa densidade controlado, triglicerídeos elevados e risco ou evidência de aterosclerose3, para receber icosapent ethyl (IPE), um éster etílico purificado e estável de ácido eicosapentaenoico (4 gramas/dia) ou placebo6.

O IPE reduziu o desfecho primário composto (morte por causa cardiovascular, infarto do miocárdio7 [IM], AVC, revascularização coronária, hospitalização por angina8 instável) e o principal desfecho secundário composto (morte por causa cardiovascular, IM, AVC) em 25% e 26%, respectivamente, (cada p <0,000001).

Os eventos isquêmicos totais (primeiros e recorrentes) foram reduzidos em 32% (p <0,000001). Foram examinados os desfechos de AVC pré-especificados e post hoc adicionais.

As taxas de eventos para o tempo até o primeiro AVC fatal ou não fatal foram de 2,4% vs. 3,3% para IPE vs. placebo6; razão de risco (HR) (IC 95%) = 0,72 (0,55-0,93); P = 0,01; a redução do risco relativo (RRR) foi de 28%, redução do risco absoluto (ARR) 0,9% e número necessário para tratar (NNT) 114.

Para cada 1.000 pacientes tratados por 5 anos com IPE, aproximadamente 14 acidentes vasculares9 cerebrais (fatais ou não fatais) foram evitados; razão de taxa (RR) (IC 95%) = 0,68 (0,52-0,91); P = 0,008.

As taxas de tempo para o primeiro evento de AVC isquêmico2 foram de 2,0% vs 3,0% para IPE vs placebo6, uma redução de 36% (HR = 0,64 [0,49-0,85]; P = 0,002). O AVC hemorrágico10 ocorreu em taxas baixas, sem diferença significativa para IPE vs. placebo6 (0,3% vs. 0,2%; P = 0,55).

No REDUCE-IT, o icosapent ethyl reduziu significativamente o risco de acidente vascular cerebral1 isquêmico2, sem excesso de acidente vascular cerebral1 hemorrágico10, em pacientes tratados com estatina com triglicerídeos elevados e aterosclerose3 ou diabetes11.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares12", "Níveis de triglicérides13 elevados" e "Aterosclerose3".

 

Fontes:
Stroke, publicação em 11 de março de 2021.
Practical Cardiology, notícia publicada em 16 de março de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Adicionar icosapent ethyl à terapia com estatinas reduz o risco de AVC em 36%, conclui estudo. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1391555/adicionar-icosapent-ethyl-a-terapia-com-estatinas-reduz-o-risco-de-avc-em-36-conclui-estudo.htm>. Acesso em: 13 mai. 2021.

Complementos

1 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
2 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
3 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
4 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
5 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
6 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
7 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
8 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
9 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
10 Hemorrágico: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
11 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
12 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
13 Triglicérides: A principal maneira de armazenar os lipídeos no tecido adiposo é sob a forma de triglicérides. São também os tipos de lipídeos mais abundantes na alimentação. Podem ser definidos como compostos formados pela união de três ácidos graxos com glicerol. Os triglicérides sólidos em temperatura ambiente são conhecidos como gorduras, enquanto os líquidos são os óleos. As gorduras geralmente possuem uma alta proporção de ácidos graxos saturados de cadeia longa, já os óleos normalmente contêm mais ácidos graxos insaturados de cadeia curta.
Gostou do artigo? Compartilhe!