Gostou do artigo? Compartilhe!

A exposição neonatal a antibióticos prejudica o crescimento infantil durante os primeiros seis anos de vida ao perturbar a colonização microbiana intestinal

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os recém-nascidos são altamente suscetíveis a infecções1 bacterianas invasivas, e a suspeita de infecção2 é um dos motivos mais comuns de admissão em uma unidade neonatal.

Acredita-se que a exposição a antibióticos nos primeiros dias de vida afete vários aspectos fisiológicos do desenvolvimento neonatal, de modo que recém-nascidos submetidos à terapia antibiótica exibem alegadamente composição alterada do microbioma3 intestinal durante as primeiras semanas de vida. Mas as consequências clínicas ou microbiológicas4 de longo prazo desta exposição permanecem desconhecidas.

Nesse estudo publicado pela revista Nature Communications, investigou-se o impacto a longo prazo do tratamento com antibióticos no período neonatal (dentro de duas semanas do nascimento) e na primeira infância em relação ao crescimento infantil5 em uma coorte6 de nascimentos não selecionada de 12.422 crianças nascidas a termo.

Leia sobre "O que são bactérias", "Usos e abusos dos antibióticos" e "Crescimento infantil5 - quanto cresce uma criança".

Foi encontrada atenuação significativa do ganho de peso e altura durante os primeiros 6 anos de vida após a exposição neonatal a antibióticos em meninos, mas não em meninas, após o ajuste para potenciais fatores de confusão.

Em contraste, o uso de antibióticos após o período neonatal, mas durante os primeiros 6 anos de vida, está associado a um índice de massa corporal7 significativamente mais alto durante o período de estudo em meninos e meninas.

A exposição neonatal a antibióticos está associada a diferenças significativas no microbioma3 intestinal, particularmente na diminuição da abundância e diversidade de Bifidobactérias fecais até os 2 anos de idade.

Finalmente, demonstrou-se que o transplante de microbiota8 fecal de crianças expostas a antibióticos para camundongos machos livres de germes, mas não fêmeas, resulta em prejuízo significativo do crescimento.

As bactérias no intestino são “um órgão esquecido”, diz o co-autor Omry Koren, da Universidade Bar-Ilan, em Israel. Eles ajudam a digerir nossa comida, treinar nosso sistema imunológico9 e nos proteger de bactérias estranhas nocivas.

“Quando usamos antibióticos para matar bactérias que podem causar doenças, inadvertidamente matamos outras bactérias boas também”, diz Samuli Rautava, um dos autores do estudo. Essa mudança no microbioma3 intestinal parece ser a causa do crescimento prejudicado em meninos após o uso de antibióticos.

Assim, concluiu-se que a exposição neonatal a antibióticos está associada a uma perturbação do microbioma3 intestinal de longo prazo e pode resultar em redução do crescimento em meninos durante os primeiros seis anos de vida, enquanto o uso de antibióticos mais tarde na infância está associado ao aumento do índice de massa corporal7.

Veja também sobre "Microbioma3 intestinal humano", "Bactérias do bem", "A resistência aos antibióticos e as superbactérias" e "Transplante de fezes ou terapia bacteriana".

 

Fontes:
Nature Communications, publicação em 26 de janeiro de 2021.
New Scientist, notícia publicada em 26 de janeiro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. A exposição neonatal a antibióticos prejudica o crescimento infantil durante os primeiros seis anos de vida ao perturbar a colonização microbiana intestinal. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1387425/a-exposicao-neonatal-a-antibioticos-prejudica-o-crescimento-infantil-durante-os-primeiros-seis-anos-de-vida-ao-perturbar-a-colonizacao-microbiana-intestinal.htm>. Acesso em: 18 set. 2021.

Complementos

1 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
4 Microbiológicas: Referente à microbiologia, ou seja, à especialidade biomédica que estuda os microrganismos patogênicos, responsáveis pelas doenças infecciosas, englobando a bacteriologia (bactérias), virologia (vírus) e micologia (fungos).
5 Crescimento Infantil: Aumento na estrutura do corpo, tendo em vista a multiplicação e o aumento do tamanho das células. Controla-se principalmente o peso corporal, a estatura e o perímetro cefálico, com o objetivo de saber o quanto a criança ganhou ou perdeu em determinados intervalos de tempo e tendo por base um acompanhamento a longo prazo, através de anotações em gráficos ou curvas de crescimento. O pediatra precisa conhecer e analisar vários fatores referentes à criança e a sua família, como o peso e a altura dos pais, o padrão de crescimento deles, os dados da gestação, o peso e a estatura ao nascimento e a alimentação do bebê para avaliar a situação do crescimento de determinada criança. Não é simplesmente consultar gráficos. Somente o médico da criança pode avaliar seu crescimento. Uma criança pode estar fora da “faixa mais comum de referência“ e, ainda assim, ter um crescimento normal.
6 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
7 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
8 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
9 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
Gostou do artigo? Compartilhe!