Gostou do artigo? Compartilhe!

Calcificação da aorta abdominal foi relacionada a 80% de aumento no risco de eventos cardiovasculares e morte

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A importância prognóstica da calcificação1 da aorta abdominal2 (CAA) vista em modalidades de imagem não invasivas permanece incerta.

Com muitos estudos recentes delineando o valor prognóstico3 potencial da calcificação1 da aorta abdominal2, conforme visto em modalidades de imagem não invasivas, os resultados de uma revisão sistemática e metanálise estão fornecendo aos médicos uma visão4 geral do risco cardiovascular associado com a CAA nesses estudos observacionais.

Os achados da revisão sistemática e metanálise, publicada no Journal of the American Heart Association, que incluiu dados de 52 estudos concluídos até março de 2018, indicam que pacientes com qualquer CAA ou CAA avançada viram seu risco de eventos de doenças cardiovasculares5, mortalidade6 cardiovascular e mortalidade6 por todas as causas aumentar em 80% ou mais em comparação com suas contrapartes sem CAA.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares5", "Sete passos para um coração7 saudável" e "Arterioesclerose8".

“As doenças cardíacas costumam ser um assassino silencioso, pois muitas pessoas não sabem que estão em risco ou que têm os primeiros sinais9 de alerta, como calcificação1 da artéria10 coronária ou abdominal”, disse o pesquisador principal Josh Lewis, PhD, professor associado de saúde11 cardiometabólica na Edith Cowan University, em um comunicado. “A aorta abdominal2 é um dos primeiros locais onde pode ocorrer o acúmulo de cálcio nas artérias12 – mesmo antes do coração7. Se detectarmos isso cedo, podemos intervir e implementar mudanças no estilo de vida e na medicação para ajudar a impedir o progresso da doença.”

Os pesquisadores pesquisaram bancos de dados eletrônicos (MEDLINE e Embase) até março de 2018. Vários revisores identificaram estudos prospectivos relatando CAA e eventos cardiovasculares incidentes13 ou mortalidade6 por todas as causas. Dois revisores independentes avaliaram a elegibilidade e o risco de viés e extraíram os dados.

As razões de risco (RRs) resumidas foram estimadas usando modelos de efeitos aleatórios comparando os grupos de CAA mais alta combinados (qualquer CAA ou CAA mais avançada) com o grupo de CAA mais baixa relatado.

Foram identificados 52 estudos (46 coortes, 36.092 participantes); apenas estudos de pacientes com doença renal14 crônica (57%) e populações de idosos mais velhos (mediana, 68 anos; intervalo, 60-80 anos) (26%) tinham dados suficientes para metanálise.

Pessoas com qualquer CAA ou CAA mais avançada tinham maior risco de eventos cardiovasculares (RR, 1,83; IC de 95%, 1,40-2,39), eventos cardiovasculares fatais (RR, 1,85; IC de 95%, 1,44-2,39) e mortalidade6 por todas as causas (RR, 1,98; IC de 95%, 1,55-2,53).

Pacientes com doença renal14 crônica com qualquer CAA ou CAA mais avançada tinham um risco maior de eventos cardiovasculares (RR, 3,47; IC de 95%, 2,21-5,45), eventos cardiovasculares fatais (RR, 3,68; IC de 95%, 2,32-5,84), e mortalidade6 por todas as causas (RR, 2,40; IC 95%, 1,95-2,97).

Concluiu-se que populações de alto risco, como idosos e pessoas com doença renal14 crônica, com calcificação1 da aorta abdominal2 têm risco substancialmente maior de eventos cardiovasculares futuros e pior prognóstico3. Fornecer informações sobre a CAA pode ajudar os médicos a compreender e gerenciar melhor o risco cardiovascular dos pacientes.

“Isso pode sinalizar um alerta precoce para os médicos de que eles precisam investigar e avaliar o risco de ataque cardíaco ou derrame15 de seus pacientes”, acrescentou Lewis. “Em última análise, se pudermos identificar essa condição mais cedo, as pessoas podem fazer mudanças no estilo de vida e iniciar tratamentos preventivos mais cedo, que poderia potencialmente salvar muitas vidas no futuro.”

Veja também sobre "Sinais9 de doenças cardíacas em mulheres", "Estenose16 aórtica" e "Obstrução da carótida".

 

Fontes:
Journal of the American Heart Association, Vol. 10, Nº 2, em 19 de janeiro de 2021.
Practical Cardiology, notícia publicada em 18 de janeiro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Calcificação da aorta abdominal foi relacionada a 80% de aumento no risco de eventos cardiovasculares e morte. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1387245/calcificacao-da-aorta-abdominal-foi-relacionada-a-80-de-aumento-no-risco-de-eventos-cardiovasculares-e-morte.htm>. Acesso em: 22 jun. 2021.

Complementos

1 Calcificação: 1. Ato, processo ou efeito de calcificar(-se). 2. Aplicação de materiais calcíferos básicos para diminuir o grau de acidez dos solos e favorecer seu aproveitamento na agricultura. 3. Depósito de cálcio nos tecidos, que pode ser normal ou patológico. 4. Acúmulo ou depósito de carbonato de cálcio ou de carbonato de magnésio em uma camada de profundidade próxima a do limite de percolação da água no solo, que resulta em certa mobilidade deste e alteração de suas propriedades químicas.
2 Aorta Abdominal: Porção da aorta que tem início no DIAFRAGMA e termina na bifurcação em artérias ílicas comuns direita e esquerda.
3 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
4 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
5 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
6 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
7 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
8 Arterioesclerose: Doença degenerativa da artéria devido à destruição das fibras musculares lisas e das fibras elásticas que a constituem, levando a um endurecimento da parede arterial, geralmente produzido por hipertensão arterial de longa duração ou pelo envelhecimento.
9 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
10 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
11 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
12 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
13 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
14 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
15 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
16 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
Gostou do artigo? Compartilhe!