Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo identificou oportunidades perdidas de prevenção da hospitalização por insuficiência cardíaca: pacientes com IC apresentaram sinais de alerta prévios não reconhecidos pelos médicos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Alguns pacientes que acabam recebendo diagnóstico1 de insuficiência cardíaca2 (IC) em uma internação hospitalar podem ter demonstrado inadvertidos sinais3 de alerta da iminência deste evento agudo4, que não foram reconhecidos pelos médicos, sugere um estudo de coorte5.

O principal achado, de que os contatos desses pacientes com profissionais de saúde6 aumentaram rapidamente nos meses anteriores ao evento, pode indicar “oportunidades perdidas” para fazer o diagnóstico1 precoce de insuficiência cardíaca2 e de iniciar terapias que poderiam ter evitado as internações hospitalares, disseram os pesquisadores.

Saiba mais sobre "Doenças cardiovasculares7" e "Insuficiência cardíaca congestiva8".

Atualmente, pouco se sabe sobre a eficácia da detecção da IC antes da primeira hospitalização aguda.

O objetivo do estudo, publicado no JACC: Heart Failure, foi descrever o padrão de contatos de cuidados de saúde6 em pacientes que apresentam hospitalização incidente9 por insuficiência cardíaca2 aguda em comparação com exacerbação da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) ou IC estável.

Comparou-se 79.389 pacientes divididos em 3 coortes populacionais em Ontário, Canadá (2006-2013) com hospitalização por IC aguda incidente9, hospitalização por DPOC incidente9 ou IC estável.

O desfecho de interesse foi o número agregado de contatos de cuidados de saúde6 ocorrendo em cada um dos treze períodos de 28 dias no ano anterior à hospitalização índice. Contatos de saúde6 foram definidos como o número total de visitas ao médico ambulatorial, hospitalizações por doenças não relacionadas ou visitas ao departamento de emergência10.

Pacientes com IC com hospitalização aguda tiveram um aumento significativo nos contatos de cuidados de saúde6 à medida que o tempo se aproximava do índice de hospitalização.

Pacientes com IC aguda tiveram um aumento de 28% em contatos de cuidados de saúde6 no último período de tempo antes da hospitalização índice (razão de taxa ajustada [RR]: 1,28; intervalo de confiança [IC] de 95%: 1,25 a 1,31; p <0,001) em comparação com controles de DPOC correspondentes.

Em comparação com a IC estável, os pacientes com hospitalização aguda tiveram um aumento de 75% nos contatos de cuidados de saúde6 durante o mesmo período (RR: 1,75; IC 95%: 1,71-1,79; p <0,001).

Pacientes com IC de 20 a 40 anos de idade tiveram um aumento acelerado na taxa de contatos de saúde6 em comparação com aqueles ≥65 anos de idade antes da hospitalização índice por IC (RR: 1,18; IC 95%: 1,08 a 1,28; p <0,001).

O estudo concluiu que os pacientes consultaram médicos várias vezes antes de sua hospitalização por insuficiência cardíaca2 aguda incidente9. Esses contatos de saúde6 podem representar oportunidades perdidas de prevenção de hospitalizações por IC.

Leia também sobre "Medicina preventiva" e "Urgências e emergências médicas mais comuns".

 

Fontes:
JACC: Heart Failure, Vol. 8, Nº 12, em dezembro de 2020.
Medscape, notícia publicada em 21 de dezembro de 2020

 

NEWS.MED.BR, 2021. Estudo identificou oportunidades perdidas de prevenção da hospitalização por insuficiência cardíaca: pacientes com IC apresentaram sinais de alerta prévios não reconhecidos pelos médicos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1385354/estudo-identificou-oportunidades-perdidas-de-prevencao-da-hospitalizacao-por-insuficiencia-cardiaca-pacientes-com-ic-apresentaram-sinais-de-alerta-previos-nao-reconhecidos-pelos-medicos.htm>. Acesso em: 19 jan. 2021.

Complementos

1 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
2 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
3 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
4 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
5 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
8 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
9 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
10 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
Gostou do artigo? Compartilhe!