Gostou do artigo? Compartilhe!

Estatinas e prevenção cardiovascular: foram necessários 2,5 anos de tratamento com estatina para evitar um evento cardiovascular em pacientes com idade entre 50 e 75 anos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Qual é o tempo para se beneficiar da terapia com estatinas para prevenção primária de eventos cardiovasculares em adultos com idade entre 50 e 75 anos?

As diretrizes recomendam direcionar intervenções preventivas para os idosos cuja expectativa de vida1 é maior do que o tempo de intervenção para se beneficiar (TPB). O TPB para terapia com estatinas é desconhecido.

Saiba mais sobre "Doenças cardiovasculares2" e "Estatinas - prós e contras".

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA Internal Medicine, foi conduzir uma metanálise de sobrevivência3 de ensaios clínicos4 randomizados de estatinas para determinar o TPB com a prevenção de um primeiro evento cardiovascular adverso maior (ECAM) em adultos com idade entre 50 e 75 anos.

Os estudos foram identificados a partir de revisões sistemáticas publicadas anteriormente (Cochrane Database of Systematic Reviews e US Preventive Services Task Force) e uma pesquisa no MEDLINE e no Google Scholar para estudos subsequentemente publicados até 1º de fevereiro de 2020.

Foram selecionados ensaios clínicos4 randomizados de estatinas para prevenção primária com foco em adultos mais velhos (idade média >55 anos).

Dois autores abstraíram independentemente os dados de sobrevivência3 para os grupos de controle e intervenção. As curvas de sobrevivência3 de Weibull foram ajustadas, e um modelo de efeitos aleatórios foi usado para estimar as reduções de risco absoluto (ARRs) entre os grupos de controle e intervenção a cada ano. Métodos de Monte Carlo de cadeia de Markov foram aplicados para determinar o tempo até os limiares de ARR.

O resultado primário foi o tempo para os limiares de ARR (0,002, 0,005 e 0,010) para um primeiro ECAM, conforme definido por cada ensaio. Houve grandes semelhanças na definição de ECAM entre os ensaios, com todos os ensaios incluindo infarto do miocárdio5 e mortalidade6 cardiovascular.

Oito ensaios clínicos4 randomizando 65.383 adultos (66,3% homens) foram identificados. A média de idade variou de 55 a 69 anos e o tempo médio de acompanhamento variou de 2 a 6 anos.

Apenas 1 de 8 estudos mostrou que as estatinas diminuíram a mortalidade6 por todas as causas.

Os resultados da metanálise sugeriram que 2,5 (IC 95%, 1,7-3,4) anos foram necessários para evitar 1 ECAM para 100 pacientes tratados com uma estatina. Para prevenir 1 ECAM para 200 pacientes tratados (ARR = 0,005), o TPB foi de 1,3 (IC 95%, 1,0-1,7) anos, enquanto o TPB para evitar 1 ECAM para 500 pacientes tratados (ARR = 0,002) foi de 0,8 (IC 95%, 0,5-1,0) anos.

Esses achados sugerem que o tratamento de 100 adultos (com idades entre 50-75 anos) sem doença cardiovascular conhecida com uma estatina por 2,5 anos evitou 1 ECAM em 1 adulto.

As estatinas podem ajudar a prevenir um primeiro evento cardiovascular adverso maior em adultos com idade entre 50 e 75 anos se eles tiverem uma expectativa de vida1 de pelo menos 2,5 anos. Não há evidência de benefício na mortalidade6.

Leia sobre "Sete passos para um coração7 saudável" e "Atorvastatina: prós e contras".

 

Fonte: JAMA Internal Medicine, publicação em 16 de novembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Estatinas e prevenção cardiovascular: foram necessários 2,5 anos de tratamento com estatina para evitar um evento cardiovascular em pacientes com idade entre 50 e 75 anos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1383213/estatinas-e-prevencao-cardiovascular-foram-necessarios-2-5-anos-de-tratamento-com-estatina-para-evitar-um-evento-cardiovascular-em-pacientes-com-idade-entre-50-e-75-anos.htm>. Acesso em: 14 mai. 2021.

Complementos

1 Expectativa de vida: A expectativa de vida ao nascer é o número de anos que se calcula que um recém-nascido pode viver caso as taxas de mortalidade registradas da população residente, no ano de seu nascimento, permaneçam as mesmas ao longo de sua vida.
2 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
3 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
4 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
5 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
6 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
7 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!