Gostou do artigo? Compartilhe!

A exposição à maioria dos medicamentos de terapia de reposição hormonal está associada a um risco aumentado de câncer de mama

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudo publicado pelo The British Medical Journal buscou avaliar os riscos de câncer1 de mama2 associados a diferentes tipos e durações de terapia de reposição hormonal (TRH).

Foram realizados dois estudos de caso-controle aninhados em clínicas e consultórios de clínica geral do Reino Unido que contribuem para o QResearch ou para o Clinical Practice Research Datalink (CPRD), vinculados a dados de hospitais, mortalidade3, privação social e registro de câncer1 (somente QResearch).

Os participantes compreendiam 98.611 mulheres com idades entre 50-79 anos com diagnóstico4 primário de câncer1 de mama2, entre 1998 e 2018, pareadas por idade, clínica ou consultório de clínica geral e data de índice para 457.498 controles do sexo feminino.

Saiba mais sobre "Câncer1 de mama2" e "Terapia de reposição hormonal".

As principais medidas de desfecho foram diagnóstico4 de câncer1 de mama2 em registros de clínica geral, mortalidade3, hospital ou registro de câncer1 e razões de chances para tipos de TRH, ajustadas para características pessoais, tabagismo, consumo de álcool, comorbidades5, história familiar e outros medicamentos prescritos. Resultados separados do QResearch ou CPRD foram combinados.

No geral, 33.703 (34%) mulheres com diagnóstico4 de câncer1 de mama2 e 134.391 (31%) controles haviam usado TRH antes de um ano antes da data-índice. Em comparação com nunca usar, em usuárias recentes (<5 anos) com uso de longo prazo (≥5 anos), a terapia apenas com estrogênio e a terapia combinada6 de estrogênio e progestagênio foram ambas associadas a riscos aumentados de câncer1 de mama2 (odds ratio ajustada 1,15 [intervalo de confiança de 95% 1,09 a 1,21] e 1,79 [IC 95% 1,73 a 1,85], respectivamente).

Para os progestagênios combinados, o risco aumentado foi maior para noretisterona (1,88; 1,79 a 1,99) e menor para didrogesterona (1,24; 1,03 a 1,48).

O uso passado a longo prazo de terapia apenas com estrogênio e o uso passado de curto prazo (<5 anos) de estrogênio-progestagênio não foram associados a risco aumentado. O risco associado ao uso passado de longo prazo de estrogênio-progestagênio, entretanto, permaneceu aumentado (1,16; 1,11 a 1,21).

Em usuárias recentes de estrogênio apenas, seriam esperados entre três (em mulheres mais jovens) e oito (em mulheres mais velhas) casos extras por 10.000 mulheres anos, e em usuárias de estrogênio-progestagênio entre nove e 36 casos extras por 10.000 mulheres anos. Para aquelas que fizeram uso no passado de estrogênio-progestagênio, os resultados sugerem entre dois e oito casos extras a cada 10.000 mulheres por ano.

Este estudo produziu novas estimativas generalizáveis ​​do aumento dos riscos de câncer1 de mama2 associados ao uso de diferentes preparações de reposição hormonal no Reino Unido. Os níveis de risco variaram entre os tipos de TRH, com riscos mais elevados para tratamentos combinados e para maior duração de uso.

Leia sobre "Prevenção e identificação do câncer1 de mama2", "Modulação hormonal" e "Menopausa7".

 

Fonte: The BMJ, publicação em 28 de outubro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. A exposição à maioria dos medicamentos de terapia de reposição hormonal está associada a um risco aumentado de câncer de mama. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1381833/a-exposicao-a-maioria-dos-medicamentos-de-terapia-de-reposicao-hormonal-esta-associada-a-um-risco-aumentado-de-cancer-de-mama.htm>. Acesso em: 5 dez. 2020.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
6 Terapia combinada: Uso de medicações diferentes ao mesmo tempo (agentes hipoglicemiantes orais ou um agente hipoglicemiante oral e insulina, por exemplo) para administrar os níveis de glicose sangüínea em pessoas com diabetes tipo 2.
7 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
Gostou do artigo? Compartilhe!