Gostou do artigo? Compartilhe!

Variações entre homens e mulheres em fatores de risco, tratamentos, incidência de doenças cardiovasculares e morte em 27 países

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Alguns estudos, principalmente de países de alta renda (PARs), relatam que as mulheres recebem menos cuidados (investigações e tratamentos) para doenças cardiovasculares1 do que os homens, e podem ter um risco maior de morte. No entanto, muito poucos estudos relatam sistematicamente fatores de risco, uso de medicamentos de prevenção primários ou secundários, incidência2 de doenças cardiovasculares1 ou morte em populações extraídas da comunidade.

Dado que a maioria das doenças cardiovasculares1 ocorre em países de baixa e média rendas (PBMRs), há necessidade de informações abrangentes comparando tratamentos e resultados entre mulheres e homens em PARs, países de renda média e países de baixa renda provenientes de estudos populacionais baseados em comunidade.

Saiba mais sobre "Doenças cardiovasculares1" e "Sinais3 de doenças cardíacas em mulheres".

No estudo Prospectivo4 Epidemiológico Rural Urbano (PURE, do inglês Prospective Urban Rural Epidemiological), publicado pelo The Lancet, indivíduos entre 35 e 70 anos de comunidades urbanas e rurais em 27 países foram considerados para inclusão. Registrou-se informações sobre as características sociodemográficas dos participantes, fatores de risco, uso de medicamentos, investigações cardíacas e intervenções. 168.490 participantes inscritos nas duas primeiras das três fases do PURE foram acompanhados prospectivamente para doenças cardiovasculares1 e morte incidentes5.

De 6 de janeiro de 2005 a 6 de maio de 2019, 202.072 indivíduos foram recrutados para o estudo. A idade média das mulheres incluídas no estudo foi de 50,8 (DP 9,9) anos, em comparação com 51,7 (10) anos para os homens. Os participantes foram acompanhados por uma mediana de 9,5 (IQR 8,5-5-10,9) anos.

As mulheres apresentaram menor carga de fatores de risco para doenças cardiovasculares1 usando dois escores de risco diferentes (INTERHEART e Framingham). Estratégias de prevenção primária, como adoção de vários comportamentos saudáveis ​​no estilo de vida e uso de medicamentos comprovados, foram mais frequentes em mulheres que em homens.

Incidência2 de doença cardiovascular (4,1 [IC 95% 4,0–4,2] para mulheres versus 6,4 [6,2–6,6] para homens por 1000 pessoas-ano; taxa de risco ajustada [aHR] 0,75 [IC 95% 0,72–0,79]) e morte por todas as causas (4,5 [IC 95% 4,4-4,7] para mulheres vs 7,4 [7,2–7,7 ] para homens por 1000 pessoas-ano; aHR 0,62 [IC 95% 0,60–0,65]) também foram menores em mulheres.

Em contraste, tratamentos de prevenção secundária, investigações cardíacas e revascularização coronariana foram menos frequentes em mulheres do que homens com doença arterial coronariana em todos os grupos de países.

Apesar disso, as mulheres tiveram menor risco de eventos recorrentes de doença cardiovascular (20,0 [IC 95% 18,2-21,7] versus 27,7 [IC 95% 25,6-29,8] por 1.000 pessoas-ano em homens, razão de risco ajustada 0,73 [IC 95% 0,64-0,83]) e mulheres também apresentaram menor mortalidade6 em 30 dias após um novo evento de doença cardiovascular em comparação com homens (22% em mulheres versus 28% em homens; p <0,0001).

As diferenças entre homens e mulheres nos tratamentos e resultados foram mais acentuadas nos PBMRs, com pequenas diferenças nos PARs naqueles com ou sem doença cardiovascular anterior.

O estudo concluiu que os tratamentos para doenças cardiovasculares1 são mais comuns em mulheres do que homens na prevenção primária, mas o inverso é observado na prevenção secundária. No entanto, resultados consistentemente melhores são observados em mulheres do que em homens, naquelas com e sem doença cardiovascular prévia.

O aprimoramento da prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares1, especialmente nos países de baixa e média rendas, deve ser vigorosamente buscado em mulheres e homens.

Leia sobre "7 passos para um coração7 saudável", "Alimentação saúdável" e "Mecanismos de ação dos anti-hipertensivos".

 

Fonte: The Lancet, publicação em 20 de maio de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Variações entre homens e mulheres em fatores de risco, tratamentos, incidência de doenças cardiovasculares e morte em 27 países. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1368468/variacoes-entre-homens-e-mulheres-em-fatores-de-risco-tratamentos-incidencia-de-doencas-cardiovasculares-e-morte-em-27-paises.htm>. Acesso em: 30 nov. 2020.

Complementos

1 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
4 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
5 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
6 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
7 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!