Gostou do artigo? Compartilhe!

Associação do atraso na hora de início da escola com duração, tempo e qualidade do sono entre adolescentes

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O sono é um recurso associado à saúde1 e bem-estar; no entanto, a insuficiência2 do sono é comum entre os adolescentes.

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA Pediatrics, foi examinar como o atraso no horário de início da escola está associado à duração, ao tempo e à qualidade do sono avaliados objetivamente em uma coorte3 de adolescentes.

Este estudo de coorte4 observacional aproveitou as modificações iniciadas pelo distrito nos horários de início de cinco escolas públicas de ensino médio na região metropolitana de Minneapolis e St Paul, em Minnesota, EUA. Um total de 455 alunos foi acompanhado da 9ª série (3 de maio a 3 de junho de 2016) até a 11ª série (15 de março a 21 de maio de 2018). Os dados foram analisados ​​de 1º de fevereiro a 24 de julho de 2019.

Saiba mais sobre "Como é o sono" e "Privação de sono".

Todas as 5 escolas participantes começaram cedo (7:30 ou 7:45) na linha de base (2016). No acompanhamento 1 (2017) e continuando no acompanhamento 2 (2018), duas escolas atrasaram seus horários de início em 50 e 65 minutos, enquanto três escolas comparadas começaram às 7:30 da manhã durante todo o período de observação.

A actigrafia5 do punho foi utilizada para derivar índices de duração, tempo e qualidade do sono. Com uma metodologia de diferenças-em-diferenças, modelos lineares de efeitos mistos foram usados ​​para estimar diferenças nas mudanças no tempo de sono entre as escolas de início atrasado e comparação.

Um total de 455 estudantes foram incluídos na análise (entre os que identificaram sexo, 225 meninas [49,5%] e 219 meninos [48,1%]; idade média [DP] no início, 15,2 [0,3] anos). Em relação à mudança observada nas escolas de comparação, os alunos que frequentaram escolas com início tardio tiveram uma média adicional de 41 minutos (IC 95%, 25-57) de sono noturno medidos objetivamente no acompanhamento 1 e 43 minutos (IC 95%, 25 -61) no acompanhamento 2.

Os horários de início atrasados ​​não foram associados ao adormecimento mais tarde nas noites de escola nos acompanhamentos, e os alunos que frequentam essas escolas tiveram uma mudança de diferenças-em-diferenças média no sono noturno de fim de semana de -24 minutos (IC 95%, −51 a 2) da linha de base ao acompanhamento 1 e −34 minutos (IC 95%, −65 a −3) da linha de base ao acompanhamento 2, em relação ao participantes das escolas de comparação.

As diferenças-em-diferenças para o horário de início do sono noturno em noites de escola, a latência6 do início do sono no fim de semana, os pontos médios do sono, a eficiência do sono e o índice de fragmentação do sono entre as duas condições foram mínimas.

Este estudo constatou que adiar o horário de início do ensino médio pode prolongar a duração do sono em noites de escola em adolescentes e diminuir sua necessidade de recuperar o sono nos fins de semana. Esses achados sugerem que os horários de início posteriores podem ser uma estratégia duradoura para lidar com os déficits de sono de toda a população adolescente, permitindo maiores oportunidades para um sono saudável.

Leia sobre "Higiene do sono", "Ciclos do sono", "Distúrbios do sono" e "Distúrbios de aprendizagem escolar".

 

Fonte: JAMA Pediatrics, publicação em 27 de abril de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Associação do atraso na hora de início da escola com duração, tempo e qualidade do sono entre adolescentes. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1366513/associacao-do-atraso-na-hora-de-inicio-da-escola-com-duracao-tempo-e-qualidade-do-sono-entre-adolescentes.htm>. Acesso em: 31 mai. 2020.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
3 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
4 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
5 Actigrafia: Ela estima parâmetros do sono, tais como tempo total de sono, início e fim do sono, tempo de vigília após início do sono, eficiência e latência do sono. Como é uma estimativa, não é considerada padrão ouro para analisar o sono.
6 Latência: 1. Estado, caráter daquilo que se acha latente, oculto. 2. Por extensão de sentido, é o período durante o qual algo se elabora, antes de assumir existência efetiva. 3. Em medicina, é o intervalo entre o começo de um estímulo e o início de uma reação associada a este estímulo; tempo de reação. 4. Em psicanálise, é o período (dos quatro ou cinco anos até o início da adolescência) durante o qual o interesse sexual é sublimado; período de latência.
Gostou do artigo? Compartilhe!