Gostou do artigo? Compartilhe!

Consumo de fibras e incidência de câncer de mama: revisão sistemática e metanálise de estudos prospectivos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Associações entre ingestão de fibras e risco de câncer1 de mama2 foram avaliadas em estudos prospectivos, mas, no geral, as evidências são inconsistentes.

Nesse estudo publicado pelo jornal Cancer1, da American Cancer1 Society, os autores realizaram uma revisão sistemática e metanálise de estudos prospectivos para investigar a relação entre a ingestão de fibras totais e tipos de fibras e a incidência3 de câncer1 de mama2.

Os bancos de dados MEDLINE e Excerpta Medica dataBASE (EMBASE) foram pesquisados ​​até julho de 2019 para estudos prospectivos que relatavam a associação entre consumo de fibras e câncer1 de mama2 incidente4. O risco relativo combinado (RR) e os intervalos de confiança de 95% (IC 95%) foram estimados comparando a categoria mais alta versus a mais baixa do consumo de fibras totais e tipos de fibras, usando uma metanálise de efeitos aleatórios.

Os autores identificaram 17 estudos de coorte5, 2 estudos de caso-controle aninhados e 1 ensaio clínico. O consumo total de fibra foi associado a um risco 8% menor de câncer1 de mama2 (comparando a categoria mais alta versus a mais baixa, RR combinado: 0,92; IC 95%, 0,88‐0,95 [I² = 12,6%]).

Verificou-se que a fibra solúvel estava significativamente inversamente associada ao risco de câncer1 de mama2 (RR combinado, 0,90 [IC 95%, 0,84‐0,96; I² = 12,6%]) e a fibra insolúvel mostrou-se sugestivamente associada inversamente ao risco de câncer1 de mama2 (RR combinado, 0,93 [IC 95%, 0,86-1,00; I² = 33,4%]).

Maior ingestão total de fibras foi associada a um menor risco de câncer1 de mama2 na pré e pós-menopausa6 (RR combinado, 0,82 [IC 95%, 0,67-0,99; I² = 35,2%] e RR combinado, 0,91 [IC 95%, 0,88‐0,95; I² = 0,0%], respectivamente).

Além disso, os autores observaram uma associação inversa não significativa entre a ingestão de fibra total e o risco tanto de câncer1 de mama2 positivo para receptores de estrogênio e progesterona e também de câncer1 de mama2 negativo para receptores de estrogênio e progesterona.

Uma metanálise de efeitos aleatórios de estudos observacionais prospectivos demonstrou que o alto consumo total de fibras foi associado a um risco reduzido de câncer1 de mama2. Esse achado foi consistente para fibras solúveis e para mulheres com câncer1 de mama2 na pré e pós-menopausa6.

Leia sobre "Câncer1 de mama2", "Alimentos ricos em fibras", "Prevenção do câncer1" e "Alimentação saudável".

 

Fonte: Cancer1 – ACS Journals, publicação em 06 de abril de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Consumo de fibras e incidência de câncer de mama: revisão sistemática e metanálise de estudos prospectivos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1364733/consumo-de-fibras-e-incidencia-de-cancer-de-mama-revisao-sistematica-e-metanalise-de-estudos-prospectivos.htm>. Acesso em: 4 ago. 2020.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
3 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
4 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
5 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
Gostou do artigo? Compartilhe!