Gostou do artigo? Compartilhe!

Obesidade entre adolescentes e risco de câncer na meia-idade: estudo de 2,3 milhões de adolescentes em Israel

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A obesidade1 foi estabelecida como um fator causal para vários tipos de câncer2, e a obesidade1 na adolescência está aumentando em todo o mundo. Estudo publicado pelo The Lancet Diabetes3 & Endocrinology buscou examinar associações entre o índice de massa corporal4 (IMC5) medido aos 17 anos e a incidência6 de câncer2 e mortalidade7 entre os que desenvolveram câncer2.

Em uma coorte8 nacional de base populacional de adolescentes em Israel, a altura e o peso foram medidos no exame médico obrigatório antes do recrutamento, durante o período de 1967 a 2010. O IMC5 foi classificado de acordo com os percentis do US Center for Disease Control and Prevention. Foram aplicados modelos de risco proporcional de Cox para estimar as taxas de risco (HRs) e IC 95% para casos incidentes9 de câncer2, usando o grupo do 5º - 49º percentil do IMC5 como referência.

Saiba mais sobre "Obesidade1 infantil", "Cálculo10 do IMC5" e "Câncer2 - informações importantes".

O desfecho primário foi qualquer diagnóstico11 de câncer2 entre 1º de janeiro de 1967 e 31 de dezembro de 2012, conforme registrado no Registro Nacional de Câncer2 de Israel. Os participantes com um diagnóstico11 de câncer2 na linha de base (antes da avaliação do recrutamento militar) foram excluídos desta análise. O resultado secundário do estudo foi a mortalidade7 por todas as causas entre os membros da coorte8 que tiveram câncer2, entre 1º de janeiro de 1967 e 31 de dezembro de 2017.

Dos 2.458.170 participantes examinados entre 1º de janeiro de 1967 e 31 de dezembro de 2010, 160.040 foram excluídos. Fizeram efetivamente parte do estudo 2.298.130 participantes, dos quais 928.110 eram mulheres e 1.370.020 eram homens.

Durante 29.542.735 pessoas-ano de seguimento em homens, foram registrados 26.353 casos incidentes9 de câncer2 e em 18.044.863 pessoas-ano de seguimento em mulheres, 29.488 casos incidentes9 de câncer2.

A incidência6 de câncer2 aumentou gradualmente entre os percentis de IMC5. A HR ajustada foi de 1,26 (IC 95% 1,18–1,35) entre os homens com obesidade1 na adolescência. Entre as mulheres, não foi encontrada associação entre obesidade1 e câncer2 geral, impulsionada por associações inversas de obesidade1 com câncer2 de colo12 de útero13 e mama14. Quando esses cânceres foram excluídos, a HR ajustada para o câncer2 foi de 1,27 (1,13–1,44) entre as mulheres com obesidade1 na adolescência.

Em ambos os sexos, o IMC5 alto (≥85º percentil) foi associado a um risco aumentado de câncer2 após 10 anos. Essa associação foi acentuada no período tardio da coorte8 versus o período inicial da coorte8.

O IMC5 foi associado positivamente a um maior risco de mortalidade7. O risco atribuível à população projetada para IMC5 alto foi de 5,1% (4,2-6,1) para homens e 5,7% (4,2-7,3) para mulheres.

A crescente prevalência15 de obesidade1 na adolescência e a possível associação entre o IMC5 dos adolescentes e a incidência6 de câncer2 podem aumentar a carga futura de cânceres relacionados à obesidade1. O IMC5 entre os adolescentes pode constituir um importante alvo de intervenção para a prevenção do câncer2.

Leia sobre "Obesidade1", "Obesidade1 infantil", "Prevenção do câncer2" e "Meu filho está fora do peso ideal - o que fazer".

 

Fonte: The Lancet Diabetes3 & Endocrinology, publicação em 03 de fevereiro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Obesidade entre adolescentes e risco de câncer na meia-idade: estudo de 2,3 milhões de adolescentes em Israel. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1361113/obesidade-entre-adolescentes-e-risco-de-cancer-na-meia-idade-estudo-de-2-3-milhoes-de-adolescentes-em-israel.htm>. Acesso em: 30 nov. 2020.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
4 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
5 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
7 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
8 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
9 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
10 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
11 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
12 Colo: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o RETO. Inclui o COLO ASCENDENTE; o COLO TRANSVERSO; o COLO DESCENDENTE e o COLO SIGMÓIDE.
13 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
14 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
15 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!