Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA Network: alterações na distribuição etária dos cânceres associados à obesidade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudos recentes documentaram uma associação entre sobrepeso1 e obesidade2 e certos tipos de câncer3, bem como um aumento na incidência4 de cânceres associados à obesidade2 (OACs) em indivíduos mais jovens. No entanto, embora seja importante para os esforços de controle do câncer3, não se sabe quais subgrupos da população são mais afetados por essas alterações.

Saiba mais sobre "Prevenção do câncer3" e "Obesidade2".

Para examinar as mudanças temporais na distribuição etária de OACs e não-OACs entre estratos de raça/etnia e sexo, este estudo transversal de base populacional, publicado pelo JAMA Network, avaliou casos incidentes5 de OACs e não-OACs diagnosticados de 1º de janeiro de 2000 a 31 de dezembro de 2016. A análise dos dados foi realizada de 1º de agosto de 2018 a 30 de junho de 2019.

As alterações na distribuição etária de casos incidentes5 entre estratos específicos de raça/etnia e sexo ao longo do tempo foram estudadas. Para todos os OACs e não-OACs, foram avaliadas as mudanças nas taxas de incidência4, o número de casos incidentes5 e a distribuição dos casos entre os subgrupos populacionais. Foi realizada análise de regressão logística estratificada por raça/etnia e sexo para determinar se a mudança anual nas chances associadas a uma faixa etária aumentou (ou diminuiu) para uma extensão maior (ou menor) nos OACs do que nos não-OACs.

A população do estudo incluiu 2.665.574 casos de OAC incidente6 (70,3% mulheres) e 3.448.126 casos de não-OAC incidente6 (32,0% mulheres). De 2000 a 2016, a distribuição por idade mostrou que a porcentagem de casos incidentes5 aumentou na faixa etária de 50 a 64 anos tanto para os OACs e quanto para não-OACs. O aumento do número de OACs nessa faixa etária variou de 25,3% em mulheres brancas não hispânicas a 197,8% em homens hispânicos.

A mudança no número de OACs na faixa etária de 20 a 49 anos variou de -5,9% em mulheres brancas não-hispânicas a 94,6% em mulheres hispânicas, e o aumento no número de OACs no grupo de 65 anos ou mais variou de 2,5% em mulheres brancas não hispânicas a 102,0% em mulheres hispânicas.

A análise de regressão logística revelou um aumento anual maior nas chances de OACs do que de não-OACs para indivíduos na faixa etária de 50 a 64 anos, mas uma diminuição para indivíduos no grupo de 65 anos ou mais.

Entre os homens na faixa etária de 50 a 64 anos, a razão de chances (ORs) de OAC para não-OAC variou de 1,005 (IC 95%, 1,002-1,008) em homens negros não hispânicos a 1,013 (IC 95%, 1.012-1.014) em homens brancos não hispânicos, o que implica que o aumento anual foi 0,5% maior para os OACs do que para não-OACs em homens negros não-hispânicos e 1,3% maior para os OACs do que para não-OACs em homens brancos não-hispânicos.

Entre as mulheres na faixa etária de 50 a 64 anos, a razão OAC/não-OAC de ORs variou de 1,002 (IC 95%, 0,999-1,006) em mulheres hispânicas a 1,005 (IC 95%, 1,002-1,009) em mulheres negras não-hispânicas.

Em homens e mulheres com 65 anos ou mais, a razão OAC vs não-OAC de ORs foi consistentemente menor que 1.000 para todos os grupos de raça/etnia, indicando que, embora o grupo OAC tenha experimentado uma diminuição nessa faixa etária, os não-OACs tiveram uma diminuição menor ou um aumento ao longo do tempo.

De maneira resumida, as principais observações dos pesquisadores da Case Western Reserve University School of Medicine, em Ohio, foram que a porcentagem de indivíduos diagnosticados com câncer3 associado à obesidade2 aumentou em grupos etários mais jovens, sendo que os maiores aumentos observados foram para o câncer3 de fígado7 e tireoide8 (todos os estratos específicos de sexo e raça/etnia), vesícula biliar9 e outros cânceres biliares (homens e mulheres negros não hispânicos e homens e mulheres hispânicos) e câncer3 uterino (em mulheres hispânicas na faixa etária de 50 a 64 anos).

Estes resultados indicam que, de 2000 a 2016, ocorreu uma mudança da incidência4 do câncer3 associado à obesidade2 para faixas etárias mais jovens. Os resultados têm implicações importantes para a saúde10 pública e sugerem que são necessárias intervenções para reduzir a obesidade2 e implementar programas de triagem individualizados.

Leia sobre "Cálculo11 do IMC12", "Obesidade2 infantil", "Esteatose hepática13 na infância" e "Esteatose hepática13".

 

Fonte: JAMA Network, em 14 de agosto de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. JAMA Network: alterações na distribuição etária dos cânceres associados à obesidade. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1346738/jama-network-alteracoes-na-distribuicao-etaria-dos-canceres-associados-a-obesidade.htm>. Acesso em: 20 out. 2019.

Complementos

1 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
2 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
5 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
6 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
7 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
8 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
9 Vesícula Biliar: Reservatório para armazenar secreção da BILE. Através do DUCTO CÍSTICO, a vesícula libera para o DUODENO ácidos biliares em alta concentração (e de maneira controlada), que degradam os lipídeos da dieta.
10 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
11 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
12 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
13 Esteatose hepática: Esteatose hepática ou “fígado gorduroso“ é o acúmulo de gorduras nas células do fígado.
Gostou do artigo? Compartilhe!