Gostou do artigo? Compartilhe!

The Lancet: preparação intestinal mecânica e antibiótica oral pode não reduzir infecção em sítio cirúrgico em colectomia eletiva

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Diminuição das infecções1 do sítio cirúrgico (ISC) e da morbidade2 foram relatadas com o preparo mecânico intestinal e com antibiótico por via oral (MOABP) comparado à não realização de preparo intestinal (PNC) na cirurgia do cólon3. Várias sociedades têm recomendado o uso rotineiro de MOABP em pacientes submetidos à ressecção do cólon3 com base nesses dados. O objetivo do estudo MOBILE, com publicação online pelo The Lancet, foi investigar essa recomendação em um contexto prospectivo4 randomizado5.

Saiba mais sobre "Colectomia".

Neste ensaio multicêntrico, paralelo, simples-cego, os doentes submetidos à ressecção do cólon3 foram aleatoriamente designados (1:1) para MOABP ou PNC em quatro hospitais na Finlândia, utilizando uma técnica de aleatorização baseada na web. Os tamanhos dos blocos, aleatoriamente variados (quatro, seis e oito) foram usados para randomização, e a estratificação foi feita de acordo com o centro.

Os recrutadores, médicos tratadores, cirurgiões, coletores de dados e analistas foram mascarados para o tratamento alocado. Critérios-chave de exclusão foram necessidade de cirurgia de emergência6; obstrução intestinal; colonoscopia7 planejada durante a cirurgia; alergia8 ao polietilenoglicol, neomicina ou metronidazol; e idade inferior a 18 anos ou acima de 95 anos. As enfermeiras de estudo abriram envelopes opacos e numerados contendo o grupo de pacientes alocados e instruíram os pacientes de acordo com o grupo de alocação para preparar o intestino ou não preparar o intestino.

Os pacientes alocados para MOABP prepararam o intestino bebendo 2 L de polietilenoglicol e 1 L de líquido claro antes das 18h no dia anterior à cirurgia e tomaram 2g de neomicina por via oral às 19h e 2g de metronidazol por via oral às 23h do dia anterior à cirurgia. O desfecho primário foi ISC dentro de 30 dias após a cirurgia, analisado na população com intenção de tratar modificada (todos os pacientes que foram alocados aleatoriamente e submetidos à ressecção eletiva9 do cólon3 com anastomose10) juntamente com análises de segurança.

Entre 17 de março de 2016 e 20 de agosto de 2018, 738 pacientes foram avaliados para elegibilidade. Dos 417 pacientes que foram randomizados (209 para MOABP e 208 para PNC), 13 no grupo MOABP e 8 no PNC foram excluídos antes de sofrerem ressecção colônica; portanto, a análise de intenção de tratamento modificada incluiu 396 pacientes (196 para MOABP e 200 para PNC).

ISC foi detectada em 13 (7%) de 196 pacientes randomizados para MOABP e em 21 (11%) de 200 pacientes randomizados para PNC (odds ratio 1,65; IC 95% 0,80–3,40; p = 0,17). Deiscência11 anastomótica foi relatada em 7 (4%) dos 196 pacientes no grupo MOABP e em 8 (4%) dos 200 no grupo PNC, e as reoperações foram necessárias em 16 (8%) de 196, em comparação com 13 (7%) de 200 pacientes. Dois pacientes morreram no grupo PNC e nenhum no grupo MOABP dentro de 30 dias.

O MOABP não reduz as ISC ou a morbidade2 geral da cirurgia do cólon3 em comparação com a PNC. Portanto, os autores do estudo propõem que as recomendações atuais de uso de MOABP para colectomias para reduzir as ISC ou morbidade2 devam ser reconsideradas.

Este trabalho foi financiado pela Vatsatautien Tutkimussäätiö Foundation, Mary and Georg Ehrnrooth's Foundation e Fundos de Pesquisa do Hospital Universitário de Helsinque.

Leia também sobre "Diferenças entre inflamação12 e infecção13" e "Colonoscopia7".

 

Fonte: The Lancet, publicação online, em 8 de agosto de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. The Lancet: preparação intestinal mecânica e antibiótica oral pode não reduzir infecção em sítio cirúrgico em colectomia eletiva. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1342793/the-lancet-preparacao-intestinal-mecanica-e-antibiotica-oral-pode-nao-reduzir-infeccao-em-sitio-cirurgico-em-colectomia-eletiva.htm>. Acesso em: 6 dez. 2019.

Complementos

1 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
3 Cólon:
4 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
5 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
6 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
7 Colonoscopia: Estudo endoscópico do intestino grosso, no qual o colonoscópio é introduzido pelo ânus. A colonoscopia permite o estudo de todo o intestino grosso e porção distal do intestino delgado. É um exame realizado na investigação de sangramentos retais, pesquisa de diarreias, alterações do hábito intestinal, dores abdominais e na detecção e remoção de neoplasias.
8 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
9 Eletiva: 1. Relativo à eleição, escolha, preferência. 2. Em medicina, sujeito à opção por parte do médico ou do paciente. Por exemplo, uma cirurgia eletiva é indicada ao paciente, mas não é urgente. 3. Cujo preenchimento depende de eleição (diz-se de cargo). 4. Em bioquímica ou farmácia, aquilo que tende a se combinar com ou agir sobre determinada substância mais do que com ou sobre outra.
10 Anastomose: 1. Na anatomia geral, é a comunicação natural direta ou indireta entre dois vasos sanguíneos, entre dois canais da mesma natureza, entre dois nervos ou entre duas fibras musculares. 2. Na anatomia botânica, é a união total ou parcial de duas estruturas como vasos, ramos, raízes. 3. Formação cirúrgica de uma passagem entre duas estruturas tubulares ou ocas ou também é a junção ou ligação patológica entre dois espaços ou órgãos normalmente separados.
11 Deiscência: 1. Em medicina, é uma abertura espontânea de suturas cirúrgicas. Pode ocorrer na pele e em outras regiões do corpo. 2. Em botânica, é o fenômeno em que um órgão vegetal (fruto, esporângio, antera etc.) abre-se naturalmente ao alcançar a maturação.
12 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
13 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!