Gostou do artigo? Compartilhe!

Exposição a drogas anticolinérgicas e o risco de demência: publicação do JAMA Internal Medicine

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os medicamentos anticolinérgicos têm efeitos adversos cognitivos1 a curto prazo, mas é incerto se o uso a longo prazo desses medicamentos está associado a um risco aumentado de demência2.

Neste estudo publicado pelo JAMA Internal Medicine, buscou-se avaliar associações entre tratamentos com drogas anticolinérgicas e risco de demência2 em pessoas com 55 anos ou mais.

Saiba mais sobre "Demência2", "Distúrbio neurocognitivo" e "Mal de Alzheimer3".

O estudo de caso-controle aninhado foi realizado em consultórios de clínica geral na Inglaterra que contribuíram para o banco de dados de atenção primária do QResearch. O estudo avaliou se a exposição a drogas anticolinérgicas estava associada ao risco de demência2 em 58.769 pacientes com diagnóstico4 de demência2 e 225.574 controles com 55 anos ou mais pareados por idade, sexo, consultório de clínica geral e tempo do calendário.

Informações sobre prescrições de 56 medicamentos com fortes propriedades anticolinérgicas foram usadas para calcular as medidas de exposição cumulativa a drogas anticolinérgicas. Os dados foram analisados ​​no período de maio de 2016 a junho de 2018.

A exposição primária foi o total de doses diárias padronizadas (TSDDs) de drogas anticolinérgicas prescritas nos 1 a 11 anos anteriores à data do diagnóstico4 de demência2 ou data equivalente em controles pareados (data do índice). O principal resultado foi os Odds ratios (OR) para demência2 associada à exposição cumulativa a drogas anticolinérgicas, ajustados para variáveis ​​de confusão.

De toda a população do estudo (284.343 pacientes e controles pareados), 179.365 (63,1%) eram mulheres, e a média (DP) de idade de toda a população era de 82,2 (6,8) anos. O OR ajustado para demência2 aumentou de 1,06 (IC 95%, 1,03-1,09) na categoria de exposição anticolinérgica geral mais baixa (exposição total de 1-90 TSDDs) para 1,49 (IC 95%, 1,44-1,54) na categoria mais alta (> 1095 TSDDs), em comparação com nenhuma prescrição de fármacos anticolinérgicos nos 1 a 11 anos antes da data do índice.

Houve um aumento significativo no risco de demência2 para os antidepressivos anticolinérgicos (OR ajustado [AOR], 1,29; IC 95%, 1,24-1,34), drogas antiparkinsonianas (AOR, 1,52; IC 95%, 1,16-2,00), antipsicóticos (AOR, 1,70; IC 95%, 1,53-1,90), drogas antimuscarínicas da bexiga5 (AOR, 1,65; IC 95%, 1,56-1,75) e drogas antiepilépticas (AOR, 1,39; IC 95%, 1,22-1,57), todas para mais de 1095 TSDDs.

Os resultados foram semelhantes quando as exposições foram restritas a janelas de exposição de 3 a 13 anos (AOR, 1,46; IC 95%, 1,41-1,52) e 5 a 20 anos (AOR, 1,44; IC 95%, 1,32-1,57) antes da data do índice para mais de 1095 TSDDs. As associações foram mais fortes nos casos diagnosticados antes dos 80 anos de idade. A fração atribuível à população associada à exposição total ao fármaco6 anticolinérgico durante os 1 a 11 anos anteriores ao diagnóstico4 foi de 10,3%.

Concluiu-se neste estudo que a exposição a vários tipos de drogas anticolinérgicas fortes (antidepressivos anticolinérgicos, drogas antiparkinsonianas, antipsicóticos, antimuscarínicos de bexiga5 e drogas antiepilépticas) está associada a um risco aumentado de demência2. Esses achados destacam a importância de reduzir a exposição a drogas anticolinérgicas em pessoas de meia-idade e idosos.

Leia também sobre "Depressões", "Mal de Parkinson", "Psicoses" e "Epilepsias".

 

Fonte: JAMA Internal Medicine, publicação em 24 de junho de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Exposição a drogas anticolinérgicas e o risco de demência: publicação do JAMA Internal Medicine. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1342253/exposicao-a-drogas-anticolinergicas-e-o-risco-de-demencia-publicacao-do-jama-internal-medicine.htm>. Acesso em: 15 dez. 2019.

Complementos

1 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
2 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
3 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
6 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
Gostou do artigo? Compartilhe!