Gostou do artigo? Compartilhe!

Nature Medicine: neurofilamentos séricos podem predizer a neurodegeneração e a progressão clínica na doença de Alzheimer pré-sintomática

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um trabalho publicado na revista Nature Medicine mostra que o NfL sérico, um biomarcador sanguíneo, pode dar uma indicação de perda neuronal, prevendo a progressão e a neurodegeneração cerebral nos estágios pré-sintomáticos iniciais da doença de Alzheimer1 familiar, o que sustenta sua utilidade potencial como um biomarcador clinicamente útil nesta patologia2.

Saiba mais sobre "Mal de Alzheimer3".

A cadeia leve do neurofilamento (NfL) é um promissor biomarcador de progressão de doença para várias proteopatias cerebrais. Nesta pesquisa foram alavancadas características únicas do estudo Dominantly Inherited Alzheimer3 Network ou DIAN e a tecnologia de imunoensaio ultrassensível para demonstrar que os níveis de NfL no líquido cefalorraquidiano4 (n=187) e no soro5 (n=405) estão correlacionados entre si e estão elevados nos estágios pré-sintomáticos da doença de Alzheimer1 familiar. O estudo DIAN está sendo realizado para identificar potenciais biomarcadores de desenvolvimento da doença de Alzheimer1 em pessoas que carregam uma mutação6 para esta doença.

A análise longitudinal, intrapessoal, do NfL sérico dinâmico (n=196) confirmou esta elevação e ainda revelou que a taxa de mudança de NfL sérico poderia discriminar portadores de mutação6 daqueles não portadores quase uma década mais cedo do que níveis absolutos transversais de NfL (isto é, 16,2 versus 6,8 anos antes do início dos sintomas7 estimados).

A taxa de mudança do NfL sérico atingiu o pico nos participantes que estavam convertendo-se do estágio pré-sintomático8 para sintomático8 e foi associada ao afinamento cortical avaliado pela ressonância magnética9, mas menos associada à deposição de substância beta-amiloide ou ao metabolismo10 de glicose11 (avaliado por tomografia por emissão de pósitrons).

O NfL sérico foi preditivo tanto para a taxa de afinamento cortical quanto para as alterações cognitivas avaliadas pelo teste Mini–Mental State Examination and Logical Memory. Assim, NfL sérico dinâmico prevê a progressão da doença e a neurodegeneração cerebral nos estágios pré-sintomáticos iniciais da doença de Alzheimer1 familiar.

O líder da pesquisa, Mathias Jucker, professor de biologia celular de doenças neurológicas no German Center for Neurodegenerative Diseases adverte que o teste não é específico para a doença de Alzheimer1. Isto significa que níveis mais altos do neurofilamento indicam danos cerebrais, mas isso também pode ser devido a uma lesão12 cerebral causada por um acidente, por exemplo.

Leia também sobre "Demência13", "Mal de Parkinson" e "Envelhecimento saudável".

 

Fonte: Nature Medicine, publicação de 21 de janeiro de 2019

 

NEWS.MED.BR, 2019. Nature Medicine: neurofilamentos séricos podem predizer a neurodegeneração e a progressão clínica na doença de Alzheimer pré-sintomática. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1332928/nature-medicine-neurofilamentos-sericos-podem-predizer-a-neurodegeneracao-e-a-progressao-clinica-na-doenca-de-alzheimer-pre-sintomatica.htm>. Acesso em: 18 out. 2019.

Complementos

1 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
2 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
3 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
4 Líquido cefalorraquidiano: Líquido cefalorraquidiano (LCR), também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, é definido como um fluido corporal estéril, incolor, encontrado no espaço subaracnoideo no cérebro e na medula espinhal (entre as meninges aracnoide e pia-máter). Caracteriza-se por ser uma solução salina pura, com baixo teor de proteínas e células, atuando como um amortecedor para o córtex cerebral e a medula espinhal. Possui também a função de fornecer nutrientes para o tecido nervoso e remover resíduos metabólicos do mesmo. É sintetizado pelos plexos coroidais, epitélio ventricular e espaço subaracnoideo em uma taxa de aproximadamente 20 mL/hora. Em recém-nascidos, este líquido é encontrado em um volume que varia entre 10 a 60 mL, enquanto que no adulto fica entre 100 a 150 mL.
5 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
6 Mutação: 1. Ato ou efeito de mudar ou mudar-se. Alteração, modificação, inconstância. Tendência, facilidade para mudar de ideia, atitude etc. 2. Em genética, é uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
9 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
10 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
11 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
12 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
13 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
Gostou do artigo? Compartilhe!