Gostou do artigo? Compartilhe!

Amitriptilina em baixas doses pode ser um tratamento eficaz para lombalgia crônica

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Antidepressivos em doses baixas são comumente prescritos para o tratamento da dor lombar crônica e seu uso é recomendado em diretrizes clínicas internacionais. No entanto, não há evidências de sua eficácia.

Para examinar a eficácia de um antidepressivo de baixa dose em comparação com um comparador ativo na redução da dor, incapacidade e ausência ou impedimento de trabalho em indivíduos com dor lombar crônica, foi realizado um ensaio clínico duplo-cego, randomizado1, com um seguimento de 6 meses, com 146 adultos com dor lombar crônica, inespecífica, que foram recrutados através de clínicas hospitalares / médicas.

Saiba mais sobre "Lombalgia2" e "Antidepressivos".

Os participantes receberam amitriptilina em baixas doses (25 mg/dia) ou um comparador ativo (mesilato de benzotropina, 1 mg/dia) por 6 meses. O desfecho primário foi a intensidade da dor medida aos 3 e 6 meses, utilizando a escala analógica visual e a Descriptor Differential Scale. Os desfechos secundários incluíram a incapacidade, avaliada usando o Questionário de Incapacidade de Roland Morris, e a ausência ou impedimento de trabalho, avaliados usando o Short Form Health and Labour Questionnaire.

Dos 146 participantes randomizados (90 [61,6%] homens; média [desvio padrão ou DP] idade, 54,8 [13,7] anos), 118 (81%) completaram 6 meses de acompanhamento. Tratamento com baixas doses de amitriptilina não resultou em maior redução da dor do que o comparador ativo aos 6 meses (diferença ajustada, -7,81; IC 95%, -15,7 a 0,10) ou 3 meses (diferença ajustada, -1,05; IC 95%, -7,87 para 5,78), independente da dor inicial.

Não houve diferença estatisticamente significativa na incapacidade entre os grupos aos 6 meses (diferença ajustada, -0,98; IC 95%, -2,42 a 0,46); no entanto, houve uma melhora estatisticamente significativa na incapacidade para o grupo de baixa dose de amitriptilina aos 3 meses (diferença ajustada, -1,62; IC 95%, -2,88 para -0,36).

Não houve diferença entre os grupos nos resultados do trabalho aos 6 meses (diferença ajustada, ausência: 1,51; IC 95%, 0,43-5,38; impedimento: 0,53; IC 95%, 0,19-1,51), ou 3 meses (diferença ajustada, ausência : 0,86; IC 95%, 0,32-2,31; impedimento: 0,78; IC 95%, 0,29-2,08) ou no número de participantes que se retiraram devido a eventos adversos (9 [12%] em cada grupo; χ2 = 0,004; P = 0,95).

Este estudo sugere que a amitriptilina pode ser um tratamento eficaz para a lombalgia2 crônica. Não houve melhorias significativas nos resultados aos 6 meses, mas houve uma redução na incapacidade aos 3 meses, uma melhora na intensidade da dor que não foi significativa aos 6 meses, e eventos adversos mínimos relatados com uma dose baixa, uma amostra de tamanho modesto e um comparador ativo.

Embora estudos clínicos de larga escala que incluam escalonamento de dose sejam necessários, pode valer a pena considerar a dose baixa de amitriptilina se a única alternativa for um opioide.

Leia também sobre "Dores nas costas3".

 

Fonte: JAMA Internal Medicine, Vol 178, No. 11, novembro de 2018.

 

NEWS.MED.BR, 2018. Amitriptilina em baixas doses pode ser um tratamento eficaz para lombalgia crônica. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1329973/amitriptilina-em-baixas-doses-pode-ser-um-tratamento-eficaz-para-lombalgia-cronica.htm>. Acesso em: 20 mar. 2019.

Complementos

1 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
2 Lombalgia: Dor produzida na região posterior inferior do tórax. As pessoas com lombalgia podem apresentar contraturas musculares, distensões dos ligamentos da coluna, hérnias de disco, etc. É um distúrbio benigno que pode desaparecer com uso de antiinflamatórios e repouso.
3 Costas:
Gostou do artigo? Compartilhe!