Gostou do artigo? Compartilhe!

Terapêutica tripla no tratamento da doença pulmonar obstrutiva crônica reduz exacerbações dos sintomas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Com o objetivo de comparar a taxa de exacerbações sintomáticas moderadas a graves entre terapia tripla, terapia dupla ou monoterapia em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), foi realizada uma revisão sistemática e metanálise de ensaios clínicos1 randomizados, incluindo dados disponíveis nas bases de dados PubMed, Embase, Cochrane e registros de ensaios clínicos1 pesquisados desde o início até abril de 2018.

Ensaios clínicos1 randomizados comparando terapia tripla com terapia dupla ou com monoterapia em pacientes com DPOC foram elegíveis para a revisão. Eficácia e resultados de segurança de interesse também estavam disponíveis.

Os dados foram coletados de forma independente. Metanálises foram realizadas para calcular os riscos relativos, as razões de risco e as diferenças médias com intervalos de confiança de 95%. A qualidade das evidências foi resumida de acordo com a metodologia GRADE (Grading of Recommendations Assessment, Development, and Evaluation).

No total 21 ensaios (19 publicações) foram incluídos. A terapia tripla consistiu de um antagonista2 muscarínico de ação prolongada (LAMA), β agonista3 de longa ação (LABA) e corticosteroide inalatório (ICS). A terapia tripla foi associada com uma taxa significativamente reduzida de exacerbações moderadas ou graves em comparação à monoterapia LAMA, terapia dupla com LAMA e LABA e terapia dupla com ICS e LABA. O volume expiratório forçado no primeiro segundo4 (VEF1) e a qualidade de vida foram favoráveis com a terapia tripla. O perfil geral de segurança da terapia tripla é reconfortante, mas a pneumonia5 foi significativamente maior com este tipo de terapia do que com a terapia dupla de LAMA e LABA (risco relativo 1,53; intervalo de confiança de 95% 1,25 a 1,87).

O uso da terapia tripla resultou em uma taxa mais baixa de exacerbações moderadas ou graves da DPOC, melhor função pulmonar e melhor qualidade de vida relacionada à saúde6 do que a terapia dupla ou monoterapia em pacientes com DPOC avançada.

Veja mais sobre "DPOC", "Pneumonia5" e "Oxigenioterapia".

Fonte: BMJ, em 6 de novembro de 2018

NEWS.MED.BR, 2018. Terapêutica tripla no tratamento da doença pulmonar obstrutiva crônica reduz exacerbações dos sintomas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1326923/terapeutica-tripla-no-tratamento-da-doenca-pulmonar-obstrutiva-cronica-reduz-exacerbacoes-dos-sintomas.htm>. Acesso em: 13 dez. 2018.

Complementos

1 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
2 Antagonista: 1. Opositor. 2. Adversário. 3. Em anatomia geral, que ou o que, numa mesma região anatômica ou função fisiológica, trabalha em sentido contrário (diz-se de músculo). 4. Em medicina, que realiza movimento contrário ou oposto a outro (diz-se de músculo). 5. Em farmácia, que ou o que tende a anular a ação de outro agente (diz-se de agente, medicamento etc.). Agem como bloqueadores de receptores. 6. Em odontologia, que se articula em oposição (diz-se de ou qualquer dente em relação ao da maxila oposta).
3 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
4 Volume Expiratório forçado no primeiro segundo: É o volume de ar expirado num segundo. Ele é reduzido nos doentes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), pois estes necessitam de mais tempo para expirarem completamente.
5 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
Gostou do artigo? Compartilhe!