Gostou do artigo? Compartilhe!

Risco de suicídio após automutilação em adolescentes e adultos jovens

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pesquisadores do College of Physicians and Surgeons, da Columbia University e do New York State Psychiatric Institute, em Nova Iorque, avaliaram adolescentes e adultos jovens com relatos de autoflagelação não fatal, com o objetivo de identificar os fatores de risco para automutilação repetida não fatal e o risco de morte por suicídio ao longo do ano seguinte a esta prática. O artigo foi publicado no periódico Pediatrics.

Saiba mais sobre "Automutilação" e "Suicídio".

Uma coorte1 nacional (EUA) de pacientes no programa Medicaid, com idades entre 12 e 24 anos (n=32.395), foi acompanhada por até um ano após a autoagressão. A informação de causa da morte foi obtida do National Death Index. A automutilação repetida por 1.000 pessoas-ano e as mortes por suicídio por 100.000 pessoas-ano foram determinadas. As taxas de risco (HR) de repetição da automutilação e de suicídio foram estimadas pelos modelos de risco proporcional de Cox. Taxas de mortalidade2 padronizadas por suicídio foram obtidas por comparação com controles populacionais gerais demograficamente compatíveis.

Dentre os mais de 32.000 eventos autoagressivos, os métodos usados foram classificados como violentos em 4,5% dos episódios (como, por exemplo, uso de armas de fogo) e não violentos em 83,4% dos episódios (dois terços dos quais foram por envenenamentos e 18% foram por cortes).

A taxa de mortalidade2 padronizada por suicídio em 12 meses após a automutilação foi significativamente maior para adolescentes do que adultos jovens. Os riscos de suicídio após autolesão foram significativamente maiores para os índios americanos e nativos do Alasca do que para pacientes3 brancos não hispânicos e para pacientes3 com história de automutilação que inicialmente usaram métodos violentos, especialmente uso de armas de fogo, em comparação com os métodos de autoagressão não violenta.

Os riscos de repetir a auto-mutilação foram maiores para indivíduos do sexo feminino, pacientes com transtornos de personalidade e pacientes cuja automutilação inicial foi tratada em ambiente hospitalar em comparação com um serviço de emergência4 ou ambulatório.

Após a autoagressão não fatal, adolescentes e adultos jovens apresentavam risco marcadamente elevado de suicídio. Entre esses pacientes de alto risco, aqueles que usaram métodos de autoagressão violenta, particularmente com o uso de armas de fogo, apresentavam um risco especialmente alto, ressaltando a importância dos cuidados de acompanhamento para ajudar a garantir sua segurança.

Leia também sobre "Envenenamento", "Tricotilomania", "Psicoses" e "Depressões".

 

Fonte: Pediatrics, volume 141, número 4, em abril de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Risco de suicídio após automutilação em adolescentes e adultos jovens. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1325283/risco-de-suicidio-apos-automutilacao-em-adolescentes-e-adultos-jovens.htm>. Acesso em: 24 jun. 2019.

Complementos

1 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
4 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
Gostou do artigo? Compartilhe!