Gostou do artigo? Compartilhe!

Como o sono afeta o risco de enxaqueca?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Múltiplos aspectos do sono podem anteceder temporariamente o risco agudo1 de um ataque de enxaqueca2 entre pacientes com enxaqueca2 episódica, de acordo com um estudo apresentado na 32ª Reunião Anual das Associated Professional Sleep Societies.

Enquanto alguns parecem proteger contra a dor de cabeça3 do dia seguinte, “estes novos dados piloto suportam a hipótese de que o sono fragmentado autorrelatado está associado com maior risco de enxaqueca2 dois dias depois”, diz a médica Suzanne M. Bertisch, professora assistente de medicina na Harvard Medical School e diretora do Behavioral Sleep Medicine, no Brigham and Women’s Hospital, em Boston.

Saiba mais sobre "Enxaqueca2", "Mitos e verdades sobre dor de cabeça3" e "Ciclos do sono".

Estudos retrospectivos indicaram que quase metade dos pacientes com enxaqueca2 identificam o "dormir pouco" ou o "dormir muito" como gatilhos de enxaqueca2. Um estudo prospectivo4 relatou uma maior incidência5 de cefaleia6, tanto enxaqueca2 como cefaleia6 do tipo tensional, após duas noites consecutivas de quatro horas ou menos de sono, conforme medido por autorrelato. "Até o momento, não houve estudos prospectivos sobre a associação entre os parâmetros do sono avaliados objetivamente e a incidência5 de enxaqueca2, enquanto outros possíveis desencadeantes da enxaqueca2 já foram avaliados", disse Bertisch.

Ela e seus colegas avaliaram a contribuição independente das características do sono como precedentes temporais da enxaqueca2, particularmente observando a duração, a fragmentação e a qualidade autorreferidas do sono.

Em um estudo de coorte7 sobre os gatilhos da enxaqueca2, conduzido de março de 2016 a agosto de 2017, os pesquisadores inscreveram 101 adultos com enxaqueca2 episódica da região metropolitana de Boston. Os critérios de inclusão foram pelo menos duas enxaquecas8 por mês, mas menos de 15 dias de cefaleia6 por mês, história de enxaqueca2 por pelo menos três anos e preenchimento dos critérios da terceira edição da International Classification of Headache Disorders (ICHD-3) para enxaqueca2 episódica. Os critérios de exclusão incluíram apneia obstrutiva do sono9 não tratada, gravidez10 e uso atual de opioides.

Os participantes do estudo foram solicitados a preencher diários da manhã e da tarde que registravam informações sobre o sono, incluindo o padrão, a fragmentação e a qualidade do sono; atividade física e humor diário; medicamentos e características de dor de cabeça3. Os pacientes também usaram actígrafos de pulso durante o estudo de seis semanas. Cada paciente teve cerca de 40 dias de dados diários e de actigrafia11.

Os pacientes relataram o início e a duração das cefaleias12, sintomas13 associados, se a dor era uma dor de cabeça3 ou uma enxaqueca2, intensidade máxima de dor e qualquer medicação abortiva usada. Dados sobre covariáveis diárias, como consumo de álcool e cafeína, atividade física autorreferida, ciclo menstrual, estresse e humor antes de dormir também foram coletados.

Os 98 participantes incluídos nas análises refletiram a prevalência14 de enxaqueca2 conhecida. "Eram geralmente mulheres mais jovens, com uma idade média de 35 anos e uma população saudável", disse Bertisch. “Cerca de um terço relatou história de enxaqueca2 com aura e cerca de um quarto usou medicações diárias para prevenir enxaquecas8. Cerca de 60% relataram que dormir pouco desencadeou a enxaqueca2.”

Os pesquisadores coletaram dados do diário e de actigrafia11 durante aproximadamente 4.500 noites e descobriram que o sono de sua coorte15 era relativamente saudável. "Eles dormiram mais de sete horas por noite, tiveram poucos problemas de sono, alta eficiência de sono e consumiram pouco álcool ou cafeína durante o estudo", disse Bertisch.

Em uma análise dos dados do diário, não houve associação entre a chance de cefaleia6 no dia seguinte e a duração do sono, despertar após o início do sono (WASO), eficiência do sono ou qualidade do sono. No entanto, as medidas de actigrafia11 mostraram associações com menor eficiência do sono e maior WASO, cada uma associada a menor risco de dor de cabeça3 no dia seguinte.

Quando foram observadas as chances de dor de cabeça3 dois dias depois, uma baixa eficiência do sono baseada no autorrelato estava associada a um risco maior de enxaqueca2. Os pesquisadores notaram uma tendência similar com a curta duração do sono autorreferida. Para dados de actigrafia11, foi encontrado um padrão um pouco semelhante. Também descobriu-se que a duração do sono maior que 8,5 horas foi associada a um menor risco de enxaqueca2 dois dias depois.

Em resumo, a eficiência do sono e a alta WASO podem estar associadas a menores chances de dor de cabeça3 no dia seguinte. Para o sono duas noites antes da dor de cabeça3, a baixa eficiência do sono foi associada a maiores chances de dor de cabeça3. Longa duração do sono, avaliada por actigrafia11, foi associada a menor chance de dor de cabeça3 dois dias depois.

Leia também sobre "Distúrbios do sono" e "Dor de cabeça3 não é necessariamente sinal16 de doenças graves".

 

Fonte: Neurology Reviews, em 14 de agosto de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Como o sono afeta o risco de enxaqueca?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1323368/como-o-sono-afeta-o-risco-de-enxaqueca.htm>. Acesso em: 21 mar. 2019.

Complementos

1 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
2 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
3 Cabeça:
4 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
5 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
6 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
7 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
8 Enxaquecas: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
9 Apnéia obstrutiva do sono: Pausas na respiração durante o sono.
10 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
11 Actigrafia: Ela estima parâmetros do sono, tais como tempo total de sono, início e fim do sono, tempo de vigília após início do sono, eficiência e latência do sono. Como é uma estimativa, não é considerada padrão ouro para analisar o sono.
12 Cefaléias: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaléia ou dor de cabeça tensional, cefaléia cervicogênica, cefaléia em pontada, cefaléia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaléias ou dores de cabeça. A cefaléia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
13 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
14 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
15 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
16 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
Gostou do artigo? Compartilhe!