Gostou do artigo? Compartilhe!

Diabetes: nova classificação em diferentes subgrupos e suas associações com os resultados de tratamento

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O diabetes1 está atualmente classificado em duas formas principais, diabetes tipo 12 e tipo 2, mas o diabetes tipo 23 em particular é altamente heterogêneo. Uma classificação refinada pode ser uma ferramenta poderosa para individualizar os regimes de tratamento e identificar indivíduos com maior risco de complicações. Este trabalho publicado pelo The Lancet Diabetes1 & Endocrinology mostra uma divisão do diabetes1 em cinco subgrupos com diferentes progressões da doença e complicações diabéticas.

Foi realizada uma análise de grupo orientada por dados de pacientes com diabetes1 recém-diagnosticado (n=8.980) da coorte4 do Swedish All New Diabetics, em Scania, na Suécia. Os grupos basearam-se em seis variáveis (anticorpos5 anti-glutamato descarboxilase ou anticorpos5 anti-GAD, idade ao diagnóstico6, índice de massa corporal7 ou IMC8, hemoglobina glicosilada9 ou HbA1c10 e índices do Homeostasis Model Assessment - HOMA - na avaliação da resistência à insulina11 e da capacidade funcional das células-beta12 pancreáticas) e estavam relacionados a dados prospectivos dos registros de pacientes sobre o desenvolvimento de complicações e prescrição de medicação.

O uso dos seis parâmetros identificou pacientes que foram divididos em três formas graves e duas formas leves da doença, uma correspondente ao diabetes tipo 12 e as outras quatro representando subtipos de diabetes tipo 23.

Saiba mais sobre "Diabetes Mellitus13" e "Hemoglobina glicosilada9".

A replicação foi feita em três coortes independentes: Scania Diabetes1 Registry (n=1.466), All New Diabetics in Uppsala (n=844) e Diabetes1 Registry Vaasa (n=3.485). A regressão de Cox e a regressão logística foram usadas para comparar o tempo para uso de medicação, tempo para atingir o objetivo do tratamento, risco de complicações diabéticas e associações genéticas.

Os pesquisadores escandinavos identificaram cinco grupos replicáveis de pacientes com diabetes1, que apresentaram características fisiológicas14 e genéticas significativamente diferentes e variações no risco de complicações diabéticas. Os grupos incluíram indivíduos altamente resistentes à insulina15 com risco significativamente maior de doença renal16 diabética, outro grupo incluiu indivíduos jovens com deficiência de insulina15 e com baixo controle metabólico (nível alto de A1C17) e um grupo grande de pacientes idosos com um curso mais benigno da doença. Veja tabela abaixo com a nova classificação:

Grupo Denominação proposta
1 Diabetes1 autoimune18 grave
(SAID = Severe Autoimmune Diabetes1)
2 Diabetes1 insulino-deficiente grave
(SIDD = Severe Insulin-Deficient Diabetes1)
3 Diabetes1 insulino-resistente grave
(SIRD = Severe Insulin Resistant Diabetes1)
4 Diabetes1 leve relacionado à obesidade19
(MOD = Mild Obesity-related Diabetes1)
5 Diabetes1 leve relacionado à idade
(MARD = Mild Age-Related Diabetes1)
Fonte: diabetes1.org.br

Em particular, os indivíduos do grupo 3 (indivíduos altamente resistentes à insulina15) apresentaram risco significativamente maior de nefropatia20 diabética do que indivíduos nos grupos 4 e 5, mas receberam prescrição de tratamentos similares para diabetes1. O grupo 2 (indivíduos jovens com deficiência de insulina15 e com baixo controle metabólico, ou seja, nível alto de A1C17) apresentou maior risco de retinopatia. Em apoio ao agrupamento, as associações genéticas nos grupos diferiram das observadas no diabetes tipo 23 tradicional.

Esta nova estratificação dos pacientes em cinco subgrupos com diferentes progressões da doença e risco de complicações diabéticas pode, eventualmente, ajudar a adaptar e atingir o objetivo do tratamento precocemente em pacientes que se beneficiariam mais, representando assim um primeiro passo para a medicina de precisão em diabetes1.

Leia sobre "Nefropatia20 diabética", "Retinopatia diabética21", "Comportamento da glicemia22" e "Glicemia de jejum23".

 

Fonte: The Lancet Diabetes1 & Endocrinology, publicado em 1º de março de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Diabetes: nova classificação em diferentes subgrupos e suas associações com os resultados de tratamento. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1314978/diabetes-nova-classificacao-em-diferentes-subgrupos-e-suas-associacoes-com-os-resultados-de-tratamento.htm>. Acesso em: 20 out. 2019.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Diabetes tipo 1: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada por deficiência na produção de insulina. Ocorre quando o próprio sistema imune do organismo produz anticorpos contra as células-beta produtoras de insulina, destruindo-as. O diabetes tipo 1 se desenvolve principalmente em crianças e jovens, mas pode ocorrer em adultos. Há tendência em apresentar cetoacidose diabética.
3 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
4 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
5 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
6 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
7 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
8 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
9 Hemoglobina glicosilada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
10 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
11 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
12 Células-beta: Tipo de célula do pâncreas. As células beta produzem insulina e são encontradas nas ilhotas de Langerhans do pâncreas.
13 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
14 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
15 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
16 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
17 A1C: O exame da Hemoglobina Glicada (A1C) ou Hemoglobina Glicosilada é um teste laboratorial de grande importância na avaliação do controle do diabetes. Ele mostra o comportamento da glicemia em um período anterior ao teste de 60 a 90 dias, possibilitando verificar se o controle glicêmico foi efetivo neste período. Isso ocorre porque durante os últimos 90 dias a hemoglobina vai incorporando glicose em função da concentração que existe no sangue. Caso as taxas de glicose apresentem níveis elevados no período, haverá um aumento da hemoglobina glicada. O valor de A1C mantido abaixo de 7% promove proteção contra o surgimento e a progressão das complicações microvasculares do diabetes (retinopatia, nefropatia e neuropatia).
18 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
19 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
20 Nefropatia: Lesão ou doença do rim.
21 Retinopatia diabética: Dano causado aos pequenos vasos da retina dos diabéticos. Pode levar à perda da visão. Retinopatia não proliferativa ou retinopatia background Caracterizada por alterações intra-retinianas associadas ao aumento da permeabilidade capilar e à oclusão vascular que pode ou não ocorrer. São encontrados microaneurismas, edema macular e exsudatos duros (extravasamento de lipoproteínas). Também chamada de retinopatia simples.
22 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
23 Glicemia de jejum: Teste que checa os níveis de glicose após um período de jejum de 8 a 12 horas (frequentemente dura uma noite). Este teste é usado para diagnosticar o pré-diabetes e o diabetes. Também pode ser usado para monitorar pessoas com diabetes.
Gostou do artigo? Compartilhe!