Gostou do artigo? Compartilhe!

Carne vermelha, ferro heme, nitratos e nitritos de carnes processadas foram associados à maior mortalidade no NIH-AARP Diet and Health Study

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Com o objetivo de determinar a associação entre diferentes tipos de ingestão de carne à mortalidade1 geral e de causa específica, foi realizado o estudo NIH-AARP Diet and Health Study (um estudo de coorte2 prospectivo3 da população geral de seis estados e de duas áreas metropolitanas dos EUA), com seguimento dos participantes durante 16 anos.

Os pesquisadores examinaram dados de quase 537.000 adultos, com idades entre 50 e 71 anos, e descobriram que as pessoas que consumiam mais carne vermelha tinham uma probabilidade 26% maior do que aquelas que comiam menos carne vermelha de morrer por uma variedade de causas.

Comer mais carne vermelha foi associado a um risco aumentado de morrer por doenças comuns, incluindo câncer4, diabetes5 e doenças cardíacas, bem como morrer por "todas as outras causas" de morte.

As exposições avaliadas foram a ingestão de carne total, carnes vermelhas processadas e não processadas (carne bovina, cordeiro e carne de porco), carne branca (aves e peixe), ferro heme e nitrato/nitrito de carne processada com base em questionários dietéticos.

Saiba mais sobre "Prevenção do câncer4" e "Diabetes Mellitus6".

Os resultados mostraram um risco aumentado de mortalidade1 por todas as causas e de morte por nove causas diferentes associadas à ingestão de carne vermelha. As ingestões de carne vermelha processada e não processada foram associadas a todas as causas de morte e à mortalidades específicas. Ferro heme e nitrato/nitrito de carne processada foram independentemente associados ao risco aumentado de morte por todas as causas e à mortalidade1 específica.

Os modelos de mediação estimaram que o aumento da mortalidade1 associada à carne vermelha processada foi influenciado pela ingestão de nitrato (37-72%) e, em menor grau, pelo ferro heme (20,9-24,1%). Quando a ingestão total de carne foi constante, o grupo de maior ingestão de carne branca foi associado a uma redução de 25% no risco de mortalidade1 por todas as causas, em comparação com o grupo de menor nível de ingestão. Quase todas as causas de morte mostraram uma associação inversa com a ingestão de carne branca.

Concluiu-se que há riscos aumentados de mortalidade1 por todas as causas e de mortalidade1 por nove causas específicas diferentes (incluindo câncer4, doenças cardíacas, acidentes vasculares7 cerebrais e doenças cerebrovasculares, doenças respiratórias, diabetes mellitus6, infecções8, doença de Alzheimer9, doença renal10 e doença hepática11 crônica) associadas à ingestão de carne vermelha processada e não processada, em parte, por ingestão de ferro heme e de nitrato/nitrito de carne processada.

Os resultados também mostram riscos reduzidos associados à substituição por carne branca, particularmente por carne branca não processada.

Leia sobre "Acidente vascular cerebral12", "Mal de Alzheimer13" e "Dieta vegana".

 

Fonte: BMJ, em 9 de maio de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Carne vermelha, ferro heme, nitratos e nitritos de carnes processadas foram associados à maior mortalidade no NIH-AARP Diet and Health Study. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1302503/carne-vermelha-ferro-heme-nitratos-e-nitritos-de-carnes-processadas-foram-associados-a-maior-mortalidade-no-nih-aarp-diet-and-health-study.htm>. Acesso em: 13 nov. 2019.

Complementos

1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
3 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
4 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
5 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
6 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
7 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
8 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
9 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
10 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
11 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
12 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
13 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
Gostou do artigo? Compartilhe!