Gostou do artigo? Compartilhe!

Pigmentação da pele e risco de perda auditiva em mulheres

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os indivíduos negros apresentam menor risco de perda de audição do que os brancos, possivelmente devido a diferenças nos melanócitos1 cocleares. Estudos anteriores sugeriram que os indivíduos de pele2 mais escura tendem a ter mais melanina3 na orelha interna4 e os melanócitos1 cocleares são importantes na geração do potencial endococlear. Neste trabalho foi investigada a relação entre a perda de audição autorrelatada e a pigmentação da pele2 usando a cor do cabelo5, a habilidade de bronzeamento da pele2 e a reação cutânea6 à exposição prolongada ao sol como medidas de pigmentação, em 49.332 mulheres brancas, no estudo Nurses’ Health Study.

Os modelos de regressão de riscos proporcionais de Cox foram utilizados para ajustar os possíveis fatores de confusão. Durante o acompanhamento (1982-2012), não houve associação entre o risco de perda auditiva e a cor do cabelo5 (para cabelos negros versus cabelo5 vermelho ou loiro), [risco relativo ajustado por análise multivariável (RR) = 0,99; intervalo de confiança de 95% (IC 95%): 0,90 a 1,09]; habilidade de bronzeamento da pele2 (para bronzeado escuro versus não bronzeado), [RR ajustado multivariável = 0,98; IC 95%: 0,92 a 1,05]; reação cutânea6 à exposição prolongada ao sol (para queimadura dolorosa com blisters versus praticamente nenhuma reação), [RR ajustado multivariável = 1,01; IC 95%: 0,93 a 1,08] ou fototipo de pele2 segundo a classificação de Fitzpatrick (para o tipo IV versus tipo I), [RR ajustado por variação multivariada = 0,99; IC 95%: 0,92 a 1,05].

Nesta coorte7 de mulheres brancas, as medidas de pigmentação da pele2 não foram associadas ao risco de perda auditiva.

Leia mais em "Surdez: como é?", "Implante8 coclear", "Cera no ouvido" e "Colesteatoma".

Fonte: American Journal of Epidemiology, em 19 de maio de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Pigmentação da pele e risco de perda auditiva em mulheres. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1299993/pigmentacao-da-pele-e-risco-de-perda-auditiva-em-mulheres.htm>. Acesso em: 15 nov. 2019.

Complementos

1 Melanócitos: Células da pele que produzem o pigmento melanina.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Melanina: Cada uma das diversas proteínas de cor marrom ou preta, encontrada como pigmento em vegetais e animais.
4 Orelha Interna: Parte essencial do órgão auditivo que consiste em dois compartimentos labirínticos
5 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
6 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
7 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
8 Implante: 1. Em cirurgia e odontologia é o material retirado do próprio indivíduo, de outrem ou artificialmente elaborado que é inserido ou enxertado em uma estrutura orgânica, de modo a fazer parte integrante dela. 2. Na medicina, é qualquer material natural ou artificial inserido ou enxertado no organismo. 3. Em patologia, é uma célula ou fragmento de tecido, especialmente de tumores, que migra para outro local do organismo, com subsequente crescimento.
Gostou do artigo? Compartilhe!