Gostou do artigo? Compartilhe!

Quais são os resultados do ganho de peso gestacional para a mãe e o bebê? Revisão e meta-análise do JAMA

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Nesta revisão sistemática e meta-análise de mais de um milhão de gestações, o ganho de peso gestacional abaixo das recomendações do Institute of Medicine - IOM (em 23% das mulheres) foi associado com maior risco de recém-nascido pequeno para a idade gestacional (PIG) e parto prematuro e menor risco de recém-nascido grande para a idade gestacional (GIG) e macrossomia1.

O ganho de peso gestacional acima das recomendações (em 47% das mulheres) foi associado com menor risco de PIG e nascimento pré-termo e maior risco de GIG, macrossomia1 e parto por cesariana.

Leia sobre "Recomendação de ganho de peso durante a gestação", "Parto prematuro" e "Cesárea".

O índice de massa corporal2 (IMC3) e o ganho de peso gestacional estão aumentando globalmente. Em 2009, o Instituto de Medicina (IOM) forneceu recomendações específicas sobre o ganho de peso gestacional ideal. No entanto, a associação entre o ganho de peso gestacional consistente com as diretrizes do IOM e os resultados da gravidez4 ainda não é clara.

Com o objetivo de realizar uma revisão sistemática, meta-análise e meta-regressão para avaliar as associações entre o ganho de peso gestacional acima ou abaixo das diretrizes do IOM (ganho de 12,5-18 kg para mulheres com peso abaixo do peso corporal normal [IMC3 <18,5]; 11,5-16 kg para mulheres com peso normal [IMC3 18,5-24,9], 7-11 kg para mulheres com sobrepeso5 [IMC3 25-29,9] e 5-9 kg para mulheres obesas [IMC3 ≥ 30]) e resultados maternos e infantis foi realizada uma seleção de estudos do EMBASE, Evidence-Based Medicine Reviews, MEDLINE e MEDLINE In-Process, entre 1º de janeiro de 1999 e 7 de fevereiro de 2017, para estudos observacionais estratificados por categoria de IMC3 antes de engravidar e ganho de peso gestacional total.

Os dados foram extraídos por dois revisores independentes. Os odds ratios (ORs) e as diferenças de risco absoluto (ARDs) por nascimento vivo foram calculados usando um modelo de efeitos aleatórios baseado em um subconjunto de estudos com dados disponíveis.

Os resultados primários foram recém-nascidos pequenos para a idade gestacional (PIG), parto prematuro e recém-nascidos grandes para a idade gestacional (GIG). Os resultados secundários foram macrossomia1, parto por cesariana e diabetes mellitus6 gestacional.

De 5.354 estudos identificados, 23 (n=1.309.136 mulheres) preencheram os critérios de inclusão. O ganho de peso gestacional foi abaixo ou acima das diretrizes em 23% e 47% das gravidezes, respectivamente. O ganho de peso gestacional abaixo das recomendações foi associado com maior risco de PIG e parto prematuro e menor risco de GIG e macrossomia1; o parto por cesariana não apresentou diferença significativa. O ganho de peso gestacional acima das recomendações foi associado a menor risco de PIG e parto prematuro e maior risco de GIG, macrossomia1 e cesariana. O diabetes mellitus6 gestacional não pôde ser avaliado devido à natureza dos dados disponíveis.

Nesta revisão sistemática e meta-análise de mais de um milhão de mulheres grávidas, 47% apresentaram ganho de peso gestacional maior do que as recomendações da IOM e 23% apresentaram ganho de peso gestacional menor do que as recomendações da IOM. O ganho de peso gestacional maior ou menor do que as recomendações da IOM, em comparação com o ganho de peso nos níveis recomendados, foi associado a um maior risco de desfechos adversos maternos e infantis.

Veja também sobre "Diabetes gestacional7" e "Peso normal de um bebê durante a gestação".

 

Fonte: JAMA, em 6 de junho de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Quais são os resultados do ganho de peso gestacional para a mãe e o bebê? Revisão e meta-análise do JAMA. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1298938/quais-sao-os-resultados-do-ganho-de-peso-gestacional-para-a-mae-e-o-bebe-revisao-e-meta-analise-do-jama.htm>. Acesso em: 20 nov. 2019.

Complementos

1 Macrossomia: Refere-se de forma imprecisa aos bebês com peso igual ou superior a 4 quilos. Mães diabéticas podem ter filhos macrossômicos.
2 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
3 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
4 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
5 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
6 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
7 Diabetes gestacional: Tipo de diabetes melito que se desenvolve durante a gravidez e habitualmente desaparece após o parto, mas aumenta o risco da mãe desenvolver diabetes no futuro. O diabetes gestacional é controlado com planejamento das refeições, atividade física e, em alguns casos, com o uso de insulina.
Gostou do artigo? Compartilhe!