Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de antibióticos durante a gravidez pode aumentar risco de aborto espontâneo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Embora os antibióticos sejam amplamente utilizados durante a gravidez1, as evidências relativas à sua segurança fetal permanecem limitadas. O objetivo deste estudo, publicado pelo Canadian Medical Association Journal, foi quantificar a associação entre a exposição a antibióticos durante a gravidez1 e o risco de aborto espontâneo.

Pesquisadores da Université de Montréal realizaram um estudo caso-controle aninhado dentro da Quebec Pregnancy Cohort (1998–2009). Foram excluídos os abortos planejados e as gestações expostas a drogas fetotóxicas. O aborto espontâneo foi definido como um diagnóstico2 ou um procedimento relacionado ao aborto espontâneo antes da 20ª semana de gestação. A data-índice foi definida como a data-calendário do aborto espontâneo. Dez controles por caso foram selecionados aleatoriamente e combinados por idade gestacional e ano de gravidez1. O uso de antibióticos foi definido pelas prescrições preenchidas entre o primeiro dia de gestação e a data-índice e foi comparado com (a) não exposição e (b) exposição a penicilinas ou cefalosporinas. Estudou-se o tipo de antibiótico separadamente usando os mesmos grupos de comparação.

Após os ajustes necessários para potenciais fatores de confusão, o uso de azitromicina, claritromicina, metronidazol, sulfonamidas, tetraciclinas e quinolonas foi associado a um risco aumentado de aborto espontâneo. Resultados semelhantes foram encontrados quando penicilinas ou cefalosporinas foram usadas como grupo comparador.

Essas conclusões podem ser úteis aos gestores de políticas públicas para atualizar as diretrizes para o tratamento de infecções3 durante a gravidez1.

Leia também sobre "Sintomas4 Precoces de Gravidez1", "Sangramentos durante a primeira metade da gravidez1" e "Aborto".

 

Fonte: Canadian Medical Association Journal, volume 189, número 17, de 1º de maio de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Uso de antibióticos durante a gravidez pode aumentar risco de aborto espontâneo. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1296888/uso-de-antibioticos-durante-a-gravidez-pode-aumentar-risco-de-aborto-espontaneo.htm>. Acesso em: 27 out. 2020.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
3 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Complementos

10/05/2017 - Complemento feito por Victor
Excelente a informação sobre o us...
Excelente a informação sobre o uso de antimicrobianos e risco de abortamento espontâneo (CMAJ 2017), publicada no site.

<http://www.news.med.br/p/medical-journal/1296888/uso-de-antibioticos-durante-a-gravidez-pode-aumentar-risco-de-aborto-espontaneo.htm>.

Encontrei o artigo completo em: <http://www.cmaj.ca/content/189/17/E625.full.

Em se tratando de uma estudo do tipo "nested case-control", há forte indício de associação e mesmo de causalidade entre os dois eventos (Uso dos antimicrobianos e aborto espontâneo).

Informação útil não somente para gestores mas também a todos os profissionais que efetuam prescrição de antimicrobianos a gestantes.

É necessário um estudo competente da relação Risco X Benefício em todas as prescrições de antimicrobianos, também em virtude da contínua tendência de desenvolvimento de cepas resistentes.

  • Entrar
  • Assinar