Gostou do artigo? Compartilhe!

Flutuações do peso corporal aumentam risco de doença coronariana e de morte em pacientes com doença arterial coronariana, segundo estudo publicado pelo NEJM

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

É sabido que a flutuação do peso corporal é um fator de risco1 para morte e eventos coronarianos em pacientes sem doença cardiovascular. Não se sabe se a variabilidade no peso corporal afeta os resultados em pacientes com doença arterial coronariana.

Pesquisadores da New York University School of Medicine determinaram as flutuações intraindividuais do peso corporal a partir do peso inicial (início do estudo) e do peso corporal nas visitas de acompanhamento e realizaram uma análise post hoc do estudo Treating to New Targets, que envolveu avaliação da eficácia e segurança da redução dos níveis do LDL2-colesterol3 com o uso de atorvastatina.

O desfecho primário foi qualquer evento coronariano (um composto de morte por doença coronariana4, infarto do miocárdio5 não fatal, parada cardíaca com ressuscitação, revascularização ou angina6). Os desfechos secundários foram qualquer evento cardiovascular (um composto de qualquer evento coronariano, um evento cerebrovascular, doença vascular periférica7 ou insuficiência cardíaca8), morte, infarto do miocárdio5 ou acidente vascular cerebral9.

Saiba mais sobre "Cálculo10 do IMC11", "Parada cardiorrespiratória", "Angina6 de peito12" e "Insuficiência cardíaca8".

Entre os 9.509 participantes, após ajustes para fatores de risco, níveis lipídicos iniciais, peso corporal médio e variação de peso, cada aumento de um desvio padrão (DP) na variabilidade do peso corporal (medido de acordo com a variabilidade média sucessiva e utilizado como covariável dependente do tempo) foi associado a um aumento no risco de qualquer evento coronariano (2.091 eventos, razão de risco, 1,04; intervalo de confiança de 95% [IC] 1,01 a 1,07; P=0,01), de qualquer evento cardiovascular (2.727 eventos, razão de risco, 1,04; IC 95% 1,02 a 1,07, P<0,001) e de morte (487 eventos, razão de risco, 1,09; IC 95%, 1,07 a 1,12; P<0,001).

Entre os pacientes do quintil com maior variação de peso corporal, o risco de evento coronariano foi 64% maior, o risco de evento cardiovascular 85% maior, a ocorrência de morte 124% maior, de infarto do miocárdio5 117% maior e de acidente vascular cerebral9 136% maior do que entre aqueles no quintil com menor variação no peso corporal em modelos ajustados.

Concluiu-se que, entre os participantes com doença arterial coronariana, a flutuação no peso corporal foi associada a maior mortalidade13 e a maior taxa de eventos cardiovasculares independente dos tradicionais fatores de risco cardiovasculares.

Leia sobre "Infarto14", "Acidente Vascular Cerebral9", "Reduzir LDL colesterol15" e "Aumentar HDL colesterol16".

 

Fonte: The New England Journal of Medicine, de 6 de abril de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Flutuações do peso corporal aumentam risco de doença coronariana e de morte em pacientes com doença arterial coronariana, segundo estudo publicado pelo NEJM. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1296748/flutuacoes-do-peso-corporal-aumentam-risco-de-doenca-coronariana-e-de-morte-em-pacientes-com-doenca-arterial-coronariana-segundo-estudo-publicado-pelo-nejm.htm>. Acesso em: 20 jan. 2019.

Complementos

1 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
2 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
3 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
4 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
5 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
6 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
7 Doença vascular periférica: Doença dos grandes vasos dos braços, pernas e pés. Pode ocorrer quando os principais vasos dessas áreas são bloqueados e não recebem sangue suficiente. Os sinais são: dor e cicatrização lenta de lesões nessas áreas.
8 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
9 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
10 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
11 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
12 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
13 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
14 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
15 LDL colesterol: Do inglês low-density lipoprotein cholesterol, colesterol de baixa densidade ou colesterol ruim.
16 HDL colesterol: Do inglês high-density-lipoprotein cholesterol, ou colesterol de alta densidade. Também chamado de bom colesterol.
Gostou do artigo? Compartilhe!