Gostou do artigo? Compartilhe!

Dieta Mediterrânea melhora funções do HDL-colesterol em pessoas com alto risco cardiovascular

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As funções biológicas das lipoproteínas de alta densidade (HDL1-colesterol2) contribuem para explicar o papel cardioprotetor da lipoproteína, o que vai além dos níveis quantitativos de colesterol2 HDL1. Algumas intervenções em pequena escala com um único antioxidante melhoraram algumas funções do HDL1.

No entanto, até o momento, nenhum ensaio controlado e randomizado3, de longo prazo e em larga escala, foi realizado para avaliar os efeitos de um padrão alimentar rico em antioxidantes (como uma dieta mediterrânea4 tradicional [TMD]) sobre a função do HDL1 em seres humanos.

Saiba mais sobre "Dieta mediterrânea4" e "Aumentar os níveis do HDL Colesterol5".

Coordenado pelo Dr. Álvaro Hernáez, do Hospital del Mar Medical Research Institute, em Barcelona, o presente trabalho foi realizado em uma subamostra aleatória de voluntários do estudo PREDIMED (Prevención con Dieta Mediterránea, n=296), com idade média de 66 anos, após uma intervenção de um ano. Comparou-se os efeitos de duas TMDs, uma enriquecida com azeite extra-virgem (TMD-VOO; n=100) e a outra enriquecida com nozes (TMD-Nuts; n=100), em relação a uma dieta com baixo teor de gorduras (n=96).

Foram avaliados os efeitos de ambas as TMDs no papel das partículas de HDL1 no transporte reverso de colesterol2 (capacidade de efluxo do colesterol2, capacidade do HDL1 para esterificar o colesterol2 e atividade da proteína de transferência de colesteril éster), propriedades antioxidantes de HDL1 (atividade da paraoxonase-1/arilesterase e capacidade antioxidante do HDL1 total em lipoproteínas de baixa densidade) e capacidade vasodilatadora do HDL1 (habilidade do HDL1 para induzir a liberação de óxido nítrico em células6 endoteliais). Estudou-se também os efeitos da TMD em diversas características relacionadas à qualidade do HDL1 (oxidação de partículas HDL1, resistência à modificação oxidativa, composição lipídica e proteica principal e tamanho de distribuição).

Ambas TMDs aumentaram a capacidade de efluxo de colesterol2 em relação ao início do estudo (P=0,018 e P=0,013 para TMD-VOO e TMD-Nuts, respectivamente). A intervenção de TMD-VOO diminuiu a atividade da proteína de transferência de colesteril éster (relativamente ao início do estudo, P=0,028) e aumentou a capacidade do HDL1 para esterificar o colesterol2, a atividade da paraoxonase-1/arilesterase e a capacidade vasodilatadora do HDL1 (em relação ao controle; P=0,039, P=0,012 e P=0,026, respectivamente). A adesão a uma TMD induziu estas mudanças benéficas melhorando o estado oxidativo e a composição do HDL1. As três dietas aumentaram a percentagem de partículas grandes de HDL1 (em relação à linha de base, P<0,001).

Concluiu-se que a dieta Mediterrânea4, especialmente quando enriquecida com azeite extra-virgem, melhora as funções ateroprotetoras do HDL1 em humanos.

Veja também sobre "Acidente Vascular Cerebral7", "Infarto8", "Reduzir o LDL colesterol9" e "Colesterol2 do organismo".

 

Fonte: Circulation, volume 135, número 7, de 14 de fevereiro de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Dieta Mediterrânea melhora funções do HDL-colesterol em pessoas com alto risco cardiovascular. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1288613/dieta-mediterranea-melhora-funcoes-do-hdl-colesterol-em-pessoas-com-alto-risco-cardiovascular.htm>. Acesso em: 27 fev. 2020.

Complementos

1 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como “Bom Colesterol”. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
2 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Dieta Mediterrânea: Alimentação rica em carboidratos, fibras, elevado consumo de verduras, legumes e frutas (frescas e secas) e pobre em ácidos graxos saturados. É recomendada uma ingestão maior de gordura monoinsaturada em decorrência da grande utilização do azeite de oliva. Além de vinho.
5 HDL colesterol: Do inglês high-density-lipoprotein cholesterol, ou colesterol de alta densidade. Também chamado de bom colesterol.
6 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
7 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
8 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
9 LDL colesterol: Do inglês low-density lipoprotein cholesterol, colesterol de baixa densidade ou colesterol ruim.
Gostou do artigo? Compartilhe!