Gostou do artigo? Compartilhe!

Dieta Mediterrânea parece ajudar na prevenção da atrofia cerebral de idosos, segundo estudo realizado em uma coorte escocesa

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Com o objetivo de avaliar a associação entre a dieta do tipo mediterrânea (MeDi) e a alteração das medidas volumétricas cerebrais por ressonância magnética1 (RM) e espessura cortical média ao longo de um período de 3 anos em idosos (73-76 anos) foi realizado um trabalho publicado pela revista Neurology.

Leia nosso artigo: "Em que consiste a dieta mediterrânea2?".

Os pesquisadores se concentraram em dois volumes longitudinais do cérebro3 (massa total e cinzenta, n=5401 e 398, respectivamente) mais uma medida longitudinal da espessura cortical (n=5323), para a qual a evidência transversal anterior de associação com a MeDi foi mais forte. A aderência à MeDi foi calculada a partir dos dados recolhidos de um questionário de frequência alimentar aos 70 anos, 3 anos antes da coleta de dados das imagens de base.

Em modelos de regressão ajustando-se os indicadores demográficos e de saúde4 física, verificou-se que a menor adesão à MeDi foi associada a uma maior redução no volume total do cérebro3 (explicando 0,5% de variância, p=0,05) em 3 anos. Este efeito foi metade do tamanho do que ocorre devido ao envelhecimento normal nesta amostra. As associações transversais entre MeDi e as medidas de ressonância magnética1 de base em 562 participantes não foram significativas. Análises específicas do consumo de carne e peixe não reproduziram associações anteriores com o volume total do cérebro3 ou com o volume total de massa cinzenta.

Concluiu-se que a menor adesão à MeDi em uma coorte5 escocesa de idosos é preditiva de atrofia6 cerebral total em um intervalo de 3 anos. Este efeito não foi detectável para o volume da substância cinzenta, sugerindo que o efeito sobre o volume cerebral total não foi consequência de uma influência específica sobre a matéria cinzenta. O consumo de peixe e carne não impulsiona essa mudança, sugerindo que outros componentes da MeDi ou, possivelmente, todos os seus componentes em combinação sejam responsáveis pela associação.

Veja também sobre "O envelhecimento saudável" e "Quando a perda de memória não é normal?".

 

Fonte: Neurology, de 4 de janeiro de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Dieta Mediterrânea parece ajudar na prevenção da atrofia cerebral de idosos, segundo estudo realizado em uma coorte escocesa. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1286888/dieta-mediterranea-parece-ajudar-na-prevencao-da-atrofia-cerebral-de-idosos-segundo-estudo-realizado-em-uma-coorte-escocesa.htm>. Acesso em: 15 out. 2019.

Complementos

1 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
2 Dieta Mediterrânea: Alimentação rica em carboidratos, fibras, elevado consumo de verduras, legumes e frutas (frescas e secas) e pobre em ácidos graxos saturados. É recomendada uma ingestão maior de gordura monoinsaturada em decorrência da grande utilização do azeite de oliva. Além de vinho.
3 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
6 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
Gostou do artigo? Compartilhe!