Gostou do artigo? Compartilhe!

Mortalidade do câncer atribuível ao tabagismo nos Estados Unidos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Qual a proporção de mortes por câncer1 atribuível ao tabagismo em cada estado dos Estados Unidos? Em pesquisa, com publicação online pelo JAMA Internal Medicine, estudou-se uma fração populacional de mortes por câncer1 devido ao tabagismo. O consumo de cigarros explicou uma alta proporção das mortes por câncer1 em todos os estados americanos, sendo esta proporção maior em vários estados do sul como Kentucky, Arkansas, Tennessee, West Virginia e Louisiana.

Leia sobre "Como ajudar seu paciente a parar de fumar" e "Prevenção do Câncer1".

Atualmente, a estimativa de mortes por câncer1 atribuíveis ao cigarro está disponível por nacionalidade e por câncer1, mas não por estado. Para calcular a proporção de mortes por câncer1, que era atribuível ao tabagismo, entre adultos de 35 anos ou mais velhos, em 2014, em cada estado americano e no Distrito de Columbia, foi estudada uma fração da população com mortes atribuíveis ao cigarro.

Os riscos relativos de morte atribuível ao cigarro foram calculados para 12 cânceres relacionados com o tabagismo (leucemia2 mieloide aguda e câncer1 da cavidade oral3 e faringe4, esôfago5, estômago6, colorretal, fígado7, pâncreas8, laringe9, traqueia10, pulmão11 e brônquios12, colo do útero13, renal14, da pelve renal15 e da bexiga urinária16) a partir de grandes estudos prospectivos dos EUA e dados de prevalência17 de tabagismo específica por estados do Behavioral Risk Factor Surveillance System.

Saiba mais sobre alguns tipo de câncer1: "Leucemias", "Câncer1 de cabeça18 e pescoço19", "Câncer1 de esôfago5", "Câncer1 de estômago6", "Câncer1 colorretal", "Câncer1 de fígado7", "Câncer1 de pâncreas8", "Câncer1 de pulmão11", "Câncer1 do colo do útero13", "Câncer1 renal14" e "Câncer1 da bexiga20".

Estimou-se que pelo menos 167.133 mortes por câncer1 nos Estados Unidos, em 2014, (28,6% de todas as mortes por câncer1) eram atribuíveis ao tabagismo. Entre os homens, a proporção de mortes por câncer1 atribuíveis ao tabagismo variou de um mínimo de 21,8% em Utah para o máximo 39,5% no Arkansas, mas foi de pelo menos 30% em todos os estados, exceto Utah. Entre as mulheres, a proporção variou de 11,1% em Utah, para 29,0% em Kentucky e foi de pelo menos 20% em todos os estados, exceto Utah, Califórnia e Hawaii.

Nove dos 10 principais estados classificados para homens e 6 dos 10 principais estados classificados para as mulheres estavam localizados no sul. Nos homens, o tabagismo explicou quase 40% das mortes por câncer1 nos cinco estados classificados no topo (Arkansas, Louisiana, Tennessee, West Virginia e Kentucky). Nas mulheres, o tabagismo explicou mais de 26% de todas as mortes por câncer1 nos 5 estados classificados no topo, que incluíam três estados do sul (Kentucky, Arkansas e Tennessee) e dois estados do oeste (Alasca e Nevada).

Concluiu-se que a proporção de mortes por câncer1 atribuíveis ao tabagismo varia substancialmente entre os estados e é maior no sul, onde até 40% das mortes por câncer1 em homens são causadas pelo tabagismo. Aumentar o financiamento para controle do tabaco, implementando estratégias inovadoras e reforçando políticas e programas de controle do tabaco, em todos os estados e municípios, pode aumentar ainda mais a cessação do tabagismo, diminuir o início do vício e reduzir a morbimortalidade futura associada a tumores malignos e relacionada ao tabagismo.

 

Fonte: JAMA Internal Medicine, publicação online, de 24 de outubro de 2016

 

NEWS.MED.BR, 2016. Mortalidade do câncer atribuível ao tabagismo nos Estados Unidos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1279488/mortalidade-do-cancer-atribuivel-ao-tabagismo-nos-estados-unidos.htm>. Acesso em: 17 jun. 2019.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
3 Cavidade Oral: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
4 Faringe: Canal músculo-membranoso comum aos sistemas digestivo e respiratório. Comunica-se com a boca e com as fossas nasais. É dividida em três partes: faringe superior (nasofaringe ou rinofaringe), faringe bucal (orofaringe) e faringe inferior (hipofaringe, laringofaringe ou faringe esofagiana), sendo um órgão indispensável para a circulação do ar e dos alimentos.
5 Esôfago: Segmento muscular membranoso (entre a FARINGE e o ESTÔMAGO), no TRATO GASTRINTESTINAL SUPERIOR.
6 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
7 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
8 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
9 Laringe: É um órgão fibromuscular, situado entre a traqueia e a base da língua que permite a passagem de ar para a traquéia. Consiste em uma série de cartilagens, como a tiroide, a cricóide e a epiglote e três pares de cartilagens: aritnoide, corniculada e cuneiforme, todas elas revestidas de membrana mucosa que são movidas pelos músculos da laringe. As dobras da membrana mucosa dão origem às pregas vocais.
10 Traqueia: Conduto músculo-membranoso com cerca de 22 centímetros no homem e de 18 centímetros na mulher. Da traqueia distingue-se uma parte que faz continuação direta à laringe (porção cervical) e uma parte que está situada no tórax (porção torácica). Possui anéis cartilaginosos em número variável de 12 a 16, unidos entre si por tecido fibroso. Destina-se à passagem do ar. A traqueia é revestida com epitélio ciliar que auxilia a filtração do ar inalado.
11 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
12 Brônquios: A maior passagem que leva ar aos pulmões originando-se na bifurcação terminal da traquéia. Sinônimos: Bronquíolos
13 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
14 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
15 Pelve Renal: Expansão achatada, em forma de funil, conectando o URETER aos CÁLICES RENAIS.
16 Bexiga Urinária: Saco musculomembranoso ao longo do TRATO URINÁRIO. A URINA flui dos rins (KIDNEY) para dentro da bexiga via URETERES (URETER) e permanece lá até a MICÇÃO. Sinônimos: Bexiga
17 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
18 Cabeça:
19 Pescoço:
20 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
Gostou do artigo? Compartilhe!